Experiência de Fé – Maio 2020

Experiência de Fé – Júlia de Paula Vicente

“Percebi também a importância de comunicar a Deus e Meishu-Sama, entregando tudo nas Suas mãos, juntamente com donativo de gratidão, antes de qualquer tomada de decisão.”

Chamo-me Júlia de Paula Vicente, sou membro há 22 anos e dedico no Johrei Center de Lisboa.

No mês de março de 2019, cheguei a Portugal com o forte Sonen de dedicar na Igreja pelo menos uma vez por semana. Conversei com o ministro e este orientou-me a ir ao Altar para comunicar a Deus e Meishu-Sama o meu desejo de cumprir a minha missão em Portugal, assumindo uma dedicação de plantão às terças-feiras, na parte da manhã.

Necessitava de um trabalho e por isso passei a distribuir o meu currículo. Não tardou muito para ser chamada para trabalhar no setor da restauração, e durante quatro meses, passei por quatro restaurantes diferentes, sentindo que não aguentaria por muito tempo, por ser algo muito cansativo. Mesmo com muitas dificuldades, sem título de residência e sendo imigrante, direcionei o meu Sonen para arranjar um emprego na minha área de formação, em administração de empresas.

Neste mesmo período, intensifiquei ainda mais a minha dedicação com a Ikebana. Assim, sempre que ia à Igreja, passei a entregar em média cinco Flores de Luz à porta do Johrei Center, almejando a felicidade do próximo. Para minha surpresa e alegria, no início de mês de agosto, fui contratada para trabalhar num clube de rugby em Lisboa, para assumir uma função dentro da minha área profissional.

No início do mês de dezembro, comecei a ter graves problemas de relacionamento com o Presidente do clube, o que me levou a ficar desmotivada e a procurar por novas oportunidades de trabalho.

Na primeira semana do mês de março, fui chamada para uma entrevista para outro emprego. Esta seria para trabalhar na área comercial. Fiquei muito feliz, porque seria a oportunidade de mudar de ambiente de trabalho. Logo comuniquei aos meus pais e a alguns amigos. Estes demonstraram uma certa preocupação. Escutei todos os conselhos, mas a chance de poder mudar de trabalho era uma grande felicidade.

A entrevista foi marcada no mesmo dia do meu plantão. Mesmo assim, decidi ir à Igreja antes para fazer oração e donativo de gratidão, colocando toda a situação nas mãos de Deus e Meishu-Sama. Fui para a entrevista a refletir muito e, depois disso, começou a vir no meu sentimento uma forte sensação de gratidão pelo meu trabalho, pois, pouco a pouco, comecei a ver diversos pontos positivos, coisa que antes não conseguia enxergar. Assim, acabei por tomar a decisão de continuar no mesmo emprego.

Uma semana após esta situação, o país entra em “Estado de Emergência” e o clube fica encerrado, sendo que eu fico como a única funcionária que permanece a trabalhar de portas fechadas, a tratar de assuntos administrativos pendentes. Neste momento, a minha gratidão foi imensa. Fiquei perplexa ao pensar que, se tivesse pedido demissão deste trabalho, conforme a minha vontade antes de entregar a situação nas mãos de Deus e Meishu-Sama, certamente estaria desempregada neste momento.

No início do mês de abril, a minha primeira ação foi realizar uma transferência bancária para a conta da Igreja, como parte de um donativo especial de agradecimento por esta proteção recebida de Deus e Meishu-Sama.

Com esta experiência, aprendi o quanto é importante, em qualquer situação, focar nos pontos positivos para desenvolver o sentimento de gratidão. Além disso, percebi também a importância de comunicar a Deus e Meishu-Sama, entregando tudo nas Suas mãos, juntamente com donativo de gratidão, antes de qualquer tomada de decisão.

Agradeço a Deus e Meishu-Sama pela permissão de ser um instrumento útil, através de diversas práticas, para transmitir a Sua Luz para muitas pessoas.

Muito obrigada!

Comentários não disponíveis.