Palestra do Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Setembro 2021

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – SETEMBRO 2021

Bom dia a todos!
Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

Em nome de Deus e Meishu-Sama, agradeço a vossa sincera dedicação que nos possibilita expandir cada vez mais a Obra Divina em toda a Europa! Muito obrigado!

Gostaria de dar as boas-vindas a quem está a assistir a este Culto pela primeira vez e a todos os membros e frequentadores que estão a participar nesta transmissão online, tanto em Portugal, como em outros países. Sejam todos muito bem-vindos!

Gostaria também de dar as boas-vindas a quem está a participar aqui no nosso Culto, vinda da Itália. É uma grande honra estarmos a recebê-la! Seja sempre bem-vinda à casa de Meishu-Sama em Portugal!

Entre os dias 26 e 29 do mês passado, o Min. António Carlos Pessoa, responsável do Johrei Center do Porto e também supervisor das atividades na Alemanha e Holanda, teve a permissão de visitar o Núcleo de Johrei de Heilbronn, na Alemanha, onde realizou reuniões de Johrei, estudo dos Ensinamentos de Deus revelados a Meishu-Sama, vivências de Ikebana e confeção de Flores de Luz que foram distribuídas na comunidade. Realizou também uma Cerimónia de Outorga de Ohikari – Medalha da Luz Divina e de Imagem Consagrada de Meishu-Sama. No total, estiveram presentes 7 membros, 4 frequentadores e 3 pessoas pela 1ª vez, vindas de várias localidades.

Pude acompanhar as atividades através de fotografias e relatório e constatei a felicidade de todos os membros, por estarem a esforçar-se na expansão da Obra Divina naquele país. Agradeço pelo modo carinhoso como receberam o Min. António Carlos e desejo a todos uma boa missão!

Para nos prepararmos da melhor forma possível, realizámos com dois meses de antecedência, por videoconferência, o Seminário Nacional de preparação para o Culto Anual pela Salvação dos Antepassados, contando com a participação de mais de 100 membros de todo o país. Após a oração de abertura, orientei como nos devemos preparar para este importantíssimo Culto e, de seguida, os participantes foram divididos em grupos de estudo, liderados pelos Ministros, onde puderam aprofundar o tema, apresentar dúvidas e criar objetivos práticos para esta preparação. Por fim, ouvimos as conclusões de cada grupo e esclareci as dúvidas apresentadas.

Apesar de ter sido realizado online, o clima de alegria e entusiasmo por parte de todos foi contagiante. Tenho a certeza que será uma grande preparação e que irá proporcionar excelentes resultados! Parabéns a todos os participantes! Aproveito para comunicar que esta mesma preparação, nos mesmos moldes, será feita pelos Ministros supervisores de cada país em datas e horários a combinar.

No Ensinamento do Culto de hoje, “A causa das doenças e o pecado”, do Livro “A Outra Face da Doença”, Meishu-Sama orienta-nos:

(…) “Nós que vivemos atualmente, não somos seres surgidos do nada, sem relação com nada. Na verdade, representamos a síntese de centenas ou milhares de Antepassados e existimos na extremidade desse elo. Somos, portanto, seres intermediários de uma sequência infinita, formando uma existência individualizada no tempo. Em sentido amplo, somos um elo da corrente que une os Antepassados com as gerações futuras; em sentido restrito, somos uma peça como a cunha, destinada a firmar a ligação entre os nossos pais e os nossos filhos.” (…)

Já que somos a soma dos nossos Antepassados, se nos purificarmos e aperfeiçoarmos espiritualmente, certamente estaremos a evoluir e enobrecer o nível espiritual desta soma que os nossos descendentes receberão como herança. Muita gente pensa em deixar para os descendentes bens materiais, dinheiro, instrução, etc., mas ninguém pensa que, mais importante que isso, é tornar-se um Antepassado mais evoluído, que consequentemente, influenciará de forma positiva as gerações futuras, guiando-as à prática do Bem.

No seguinte poema, Meishu-Sama enfatiza essa Verdade:

“A herança espiritual das virtudes praticadas não apodrece e o fogo não queima.”

O que é a virtude? No Dicionário da Língua Portuguesa, virtude é a “disposição constante do espírito que nos induz a exercer o Bem e a evitar o Mal”. Segundo Meishu-Sama, exercer o Bem significa fazer o próximo feliz, e o Mal, o seu oposto.

Quando pensamos em cultuar os Antepassados, a primeira coisa que nos vem em mente é preencher o formulário com os nomes dos nossos entes queridos que já se encontram no Mundo Espiritual, mas, Meishu-Sama orienta-nos que, além das orações feitas com o sentimento correto, a prática de virtudes dos descendentes, refletem-se diretamente na elevação dos Antepassados. Quando uma pessoa acumula méritos pela prática do Bem, sente satisfação por isso e recebe, ainda, a gratidão dos outros. Este acúmulo de virtudes, transforma-se em Luz e é transmitido para os Antepassados, que estão no Mundo Espiritual.

Por falar em receber a gratidão dos outros, dias atrás, após o jantar, assisti com os Ministros o filme “A Lista de Schindler”. Os senhores conhecem? Já viram?

Trata-se de um empresário fabril, que na época da Segunda Guerra Mundial, durante o domínio nazista, empregou mais de 1000 judeus nas suas fábricas e utilizou toda a sua fortuna para subornar os oficiais do exército, para que estes não os enviassem para campos de concentração, onde certamente seriam mortos. No fim da guerra, com a vitória dos aliados, por pertencer ao partido nazista, teve que fugir, mas, antes disso, os judeus que salvou, por agradecimento, ofereceram-lhe um anel de ouro que na parte interna continha a seguinte inscrição do Talmude: “Quem salva uma vida, salva o mundo inteiro.”

Ao receber este presente, fica muito emocionado, mas, ainda assim, começa a chorar arrependido ao perceber que se tivesse vendido o alfinete em ouro, da lapela do casaco, com certeza teria conseguido salvar mais uma ou duas vidas! É admirável o seu sentimento de não ter ficado orgulhoso por ter salvo mais de mil vidas, mas sim, lamentar-se por ter perdido a oportunidade de salvar mais alguém!

Não sei se os senhores também já ouviram falar do português Aristides de Sousa Mendes, Cônsul de Portugal em Bordéus. Nessa mesma época, apesar da proibição governamental da atribuição de vistos a judeus, concedeu milhares deles, permitindo que essas pessoas se salvassem, refugiando-se em Portugal.

Estes dois exemplos demonstram que quando desejamos, conseguimos colocar o Bem do próximo acima de tudo, inclusive, dos nossos interesses pessoais, familiares, económicos, governamentais, legais, etc.

Hoje sabemos que ambos faleceram sem deixar uma herança material. No entanto, certamente receberam a gratidão de milhares de pessoas que foram salvas e dos seus descendentes, que também lhes agradecerão para sempre, pois sem eles, não teriam sequer existido. Essa gratidão materializa-se em forma de Luz e felicidade para os espíritos dos benfeitores e, consequentemente, para os seus descendentes.

No Ensinamento “A virtude ostensiva não é a verdadeira virtude; a virtude oculta, sim, comunica-se com Deus”, do Livro “O Pão Nosso de Cada Dia”, Meishu-Sama orienta-nos claramente sobre a prática de virtudes:

(…) “Praticar ações úteis ao próximo e ao mundo torna-se virtude. Somar virtude significa praticar inúmeras vezes essas ações. A melhor maneira de cultivar a virtude é transmitir Johrei e conduzir pessoas à Fé Messiânica. Por isso, não há forma melhor de somar virtude do que ingressar na fé que salva o próximo para sempre. Aquele que soma virtudes, receberá a gratidão de um grande número de pessoas. A Luz proveniente da gratidão, torna-se um nutriente que fortalece o espírito.” (…)

Da mesma forma que as pessoas que foram salvas pelos dois exemplos citados acima, nós também sentimos gratidão pela pessoa que nos encaminhou à Fé Messiânica, não é verdade? Os senhores lembram-se da pessoa por quem foram encaminhados? Agradecem diariamente a Deus a sua existência? Sem ela, nós e os nossos descendentes não teríamos a vida salva e hoje não estaríamos aqui!

Seguindo o exemplo da pessoa que nos encaminhou, vamos esforçar-nos para também nos tornarmos o número um na felicidade de outras pessoas, colocando em prática o que Meishu-Sama nos orienta:

“A melhor maneira de cultivar a virtude é transmitir Johrei e conduzir pessoas à Fé Messiânica.”

No Ensinamento do Culto de hoje, Meishu-Sama também nos orienta:

(…) “Ninguém consegue viver sem cometer pecados. Estes podem ser graves, médios e leves, admitindo cada um desses tipos uma infinidade de classificações. (…) Embora não se esteja a violar nenhuma lei, pecados leves cometidos no dia a dia, os quais ninguém considera pecados, (…) se forem acumulados por longo tempo, acabarão por assumir proporções consideráveis.” (…)

Por mais que nos preocupemos em viver sem cometer pecados, algo praticamente impossível, se não acumularmos virtudes, a nossa existência será nula. Portanto, tendo por base o trecho anterior, pensemos também da seguinte forma:

“Se desejarmos, conseguiremos viver a praticar virtudes. Estas poderão ser grandes, médias e pequenas, admitindo cada um desses tipos uma infinidade de classificações. Embora não se dê tanta importância, as pequenas práticas altruístas do dia a dia, as quais ninguém considera virtude, se forem acumuladas por longo tempo, acabarão por assumir proporções consideráveis.”

Portanto, no final, Deus não julga o Homem somente pelos seus erros, mas sim, pelo saldo entre a prática de virtudes e os pecados cometidos.

Meishu-Sama continua a orientar-nos:

(…) “Através de uma analogia com as árvores: os pais constituem o tronco, os filhos são os galhos, e os netos, os galhos menores. Assim, é impossível que as máculas dos pais não exerçam influência sobre os filhos.” (…)

Da mesma forma, podemos pensar:

“Através de uma analogia com as árvores: os pais constituem o tronco, os filhos são os galhos, e os netos, os galhos menores. Assim, é impossível que os méritos dos pais não exerçam influência sobre os filhos.”

Portanto, como preparação para o Culto Anual pela Salvação dos Antepassados, objetivando a sua elevação e salvação, vamos oferecer-lhes a nossa soma de virtudes, através da Luz da gratidão das pessoas que faremos felizes.

Além disso, vamos aproveitar os próximos dois meses para, desde já, com serenidade e amor, preparar tanto o formulário com os nomes dos nossos queridos Antepassados, lembrando de cada um deles com muito carinho, como a oferta especial de gratidão, que faremos a Deus, em nome deles. A este respeito, teremos tempo suficiente para preparar a nossa oferta, com o máximo esforço que se transformará em Luz para a sua elevação e salvação. Se deixarmos para a última da hora o preenchimento do formulário, se não prepararmos a nossa oferta especial e até acabarmos por subtraí-la às nossas ofertas habituais (diária, mensal, reforma da Sede, etc.), sem qualquer esforço, estaremos apenas a assistir ao Culto. Pelo contrário, com uma preparação esmerada, estaremos a participar efetivamente no Culto, juntamente com os nossos Antepassados, que receberão os frutos do nosso empenho.

A orientação de preenchimento do formulário estará disponível no Boletim Informativo e também poderão esclarecer qualquer dúvida com os vossos Ministros.

Hoje ouvimos mais uma maravilhosa Experiência de Fé da Sra. Irene Afonso Ribeiro do Sacramento que através das suas relações familiares, pôde constatar a manifestação dos seus Antepassados, que ansiavam pela salvação messiânica.

Após dois anos a viverem em sua casa, a sua cunhada e sobrinhos saíram de relações cortadas devido a uma dívida no valor de dois mil euros, além de ainda ter sido ofendida e chamada de “bruxa, feiticeira, ingrata e má pessoa”, que não gostava dos sobrinhos e que só pretendia o dinheiro do irmão. Os senhores concordarão comigo que muitas famílias, por muito menos, deixaram de se falar para o resto da vida!

Entretanto, a dívida foi liquidada entre a cunhada e a operadora e ela pensou que tivesse ficado tudo solucionado. No entanto, a situação era ainda mais complexa e assim, pediu orientação à Ministra e juntas foram aprofundando os seus pensamentos e sentimentos por tudo o que estava a acontecer.

A Ministra enfatizou que as situações difíceis servem para crescer e que a cunhada e sobrinhos estavam a ser utilizados para mostrar uma situação pendente no Mundo Espiritual, de purificação dos Antepassados.

Ao ouvir estas palavras, a Sra. Irene lembrou-se de uma desavença que a sua mãe tivera com a sua tia, que apesar de serem muito amigas, carregaram essa mágoa e sofrimento até à morte, conflito este, idêntico ao que ela estava a viver com a sua cunhada. Ao lembrar-se desse facto, percebeu claramente a causa de tudo o que estava a acontecer, afirmando que a sua mãe teria levado essa dor com ela para o Mundo Espiritual e que, provavelmente, outros Antepassados também teriam passado por conflitos semelhantes e estariam ansiosos por salvação.

Mais uma vez, a Ministra orientou-a a materializar a sua gratidão pois a Luz gerada através dessa dedicação monetária, proporcionaria a salvação dos Antepassados. Uma vez que havia recebido a maravilhosa graça inesperada de não ter de pagar a fatura do telefone, que estava em seu nome, aconselhou-a a realizar um donativo de metade do valor dessa dívida.

Mesmo tendo possibilidades de fazer essa oferta na totalidade, por apego, decidiu fazer um pouco todos os meses. Assim, entrou num processo de repurificação com a sua inquilina e outro sobrinho, reconhecendo que deveria desapegar a fazer o restante, perfazendo o valor total que havia definido. Assim, no dia seguinte, após a oração e materialização da sua gratidão, sentiu algo que nunca havia sentido: uma grande leveza, muito calor e uma enorme alegria que atribuiu à felicidade dos seus Antepassados.

Nesse mesmo dia, à noite, o sobrinho disse-lhe que ia tratar dos documentos para começar a trabalhar e dias depois, mudou-se para outra cidade. A inquilina também foi falar com ela e comunicou-lhe que iria sair dentro de alguns dias. Os seus sobrinhos voltaram a visitá-la e a sua cunhada, a ligar-lhe diariamente. Sente-se mais tolerante no dia a dia, está mais atenta às pessoas ao seu redor, procurando sempre uma forma de as fazer felizes e deixou de sentir a necessidade de fazer compras compulsivamente.

Com tudo isto, ela aprendeu que os aprimoramentos que passou tinham uma única causa: a dívida espiritual dos Antepassados. Quando conseguiu eliminar o apego, priorizando a salvação dos seus Antepassados, situações que pareciam não ter solução, resolveram-se por si só, em paz e sem conflito.

Da mesma forma que a Sra. Irene se encontrou num beco sem saída, acredito que todos nós também tenhamos nas nossas vidas situações que não saibamos como enfrentar e resolver. Com certeza, essas circunstâncias também foram vividas por muitos dos nossos Antepassados, que ainda estão a sofrer no Mundo Espiritual, e refletem-se em nós, como pedido de salvação.

Vamos aproveitar este importante período de preparação para o Culto Anual pela Salvação dos Antepassados, para refletir e analisar cada aspeto da nossa vida e da vida dos nossos entes queridos que já se encontram no Mundo Espiritual.

Despeço-me com um forte abraço, desejando a todos um feliz período de preparação, para que no dia 1 de novembro, possamos participar efetivamente no Culto e não sermos apenas meros espetadores.

Muito obrigado e um bom mês a todos!

Comentários não disponíveis.