Palestra do Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Janeiro 2022

CULTO MENSAL DE AGRADECIMENTO ACUMULADO COM O CULTO COMEMORATIVO PELA FUNDAÇÃO DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL – JANEIRO 2022

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL – REVERENDO CARLOS EDUARDO LUCIOW

Bom dia! Antes de mais, desejo a todos um feliz 2022!
Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

Foram boas as festas de fim de ano? Seguindo o exemplo de Meishu-Sama, que aprendemos através das Suas Reminiscências, conseguiram fazer felizes os vossos familiares e amigos? (Sim!) Que bom que tivemos a permissão desses maravilhosos momentos de convívio!

Em nome de Deus e Meishu-Sama, agradeço a vossa sincera dedicação que nos possibilita expandir cada vez mais a Obra Divina em toda a Europa! Muito obrigado!

Gostaria de dar as boas-vindas a quem está a assistir a este Culto pela primeira vez e a todos os membros e frequentadores que estão a participar nesta transmissão online, tanto em Portugal, como em outros países. Sejam todos muito bem-vindos!

No dia 1 de janeiro, a nossa Igreja completou 87 anos de fundação e, no Culto de hoje, manifestámos a nossa profunda gratidão a Deus e a Meishu-Sama pela incomensurável permissão de podermos dedicar na maravilhosa Obra Divina! (Palmas)

Também agradeci a Deus e a Meishu-Sama pela permissão de estarmos a iniciar o nono ano de dedicação conjunta. Segundo Meishu-Sama, no Registo de Palavras de Luz vol. 1, o número nove tem o significado de fazer esforço máximo, fazer tudo o que estiver ao nosso alcance, isto é, atingir o ápice. Desta forma, é um ano propício para atingirmos o nosso objetivo de, através das práticas básicas da fé, nos tornarmos num “diamante lapidado”, capazes de ser o “número um na felicidade de alguém” e, assim, cada um formar cem membros convictos.

Parece que foi ontem que estávamos aqui a desejar “boas festas” uns aos outros e, num piscar de olhos, já se passaram mais de 15 dias, o que nos deixa perplexos com que velocidade o tempo passa. Portanto, se não estivermos atentos, sem darmos conta, já estaremos no final de 2022 e nada poderemos fazer para recuperar o tempo perdido. Mais uma vez, seguindo o exemplo de Meishu-Sama, devemos programar o nosso servir a Deus sem desperdiçar um minuto sequer!

A esse respeito, no Ensinamento do Culto de hoje “O Divino Drama”, Meishu-Sama orienta-nos:

“O Plano de Deus desenvolve-se de uma maneira muito singular. Podemos denominá-lo ‘Divino Drama’, do qual todos nós, desta Era, somos participantes. Sem esta compreensão, deixaremos de saber interpretar os momentos, os acontecimentos do nosso tempo, de compreender que, à medida que avança a reconstrução, também aumenta a destruição.”

Logo no 1º parágrafo, Meishu-Sama elucida-nos muito bem sobre o momento que estamos a atravessar, qual a nossa missão como elementos efetivos dessa reconstrução e que a nossa perceção sobre este acontecimento sem precedentes, será proporcional ao nosso esclarecimento e à nossa capacidade de compreensão. Só conseguiremos atingi-la através do estudo e prática dos Ensinamentos de Deus revelados a Meishu-Sama, que visam a felicidade do próximo e a construção do Paraíso Terrestre.

Meishu-Sama continua a orientar-nos sobre o momento atual:

“À medida que a Nova Era avança e que cresce a atuação do espírito do fogo, a doença e demais purificações, também se intensificarão. Cada vez mais calamidades, como guerras e catástrofes naturais, poderão ocorrer, chegando a ponto de a humanidade experimentar uma época de pavor. De um modo geral, os messiânicos podem representar o papel de espectadores nas cenas de guerra. Contudo, nas cenas de enfermidades, deverão ter um empenho ativo. Servir à humanidade é mais digno do que representar papéis de violência ou destruição.”

Meishu-Sama alerta-nos que alguns dos nossos membros também poderão sentir dificuldades durante a época de grande purificação e que devemos empenhar-nos para estarmos preparados, espiritual e fisicamente, se desejarmos passar por este período com relativa facilidade. Tendo Meishu-Sama como exemplo, a nossa preparação não pode ser outra senão a de viver para servir na salvação do maior número de pessoas.

Quando se fala em Juízo Final, muitas pessoas, principalmente os descrentes, consideram ser algo impossível de se realizar, sobretudo, na forma que lhes foi ensinada. Entretanto, Meishu-Sama refere-se ao Juízo Final como um lento e progressivo aumento da essência espiritual do elemento fogo, que queimará as nuvens espirituais com consequente dissolução das toxinas da matéria, comportando frequentes e crescentes purificações.

À medida que o espírito do fogo se manifesta mais intensamente, o batismo pelo fogo, ou seja, o Johrei, também será ainda mais forte, com gradual poder purificador. Logo, somente aqueles que estiverem suficientemente purificados sobreviverão.

Acredito que não haja ninguém que não deseje atingir esse grau de pureza, para poder sobreviver a este crucial momento.

A esse respeito, Meishu-Sama esclarece-nos:

“O grande Amor do Supremo Deus salvará tantos quantos for possível, atuando através dos verdadeiros instrumentos da Sua Luz Divina. Os nossos membros sentem-se chamados a servir como Seus instrumentos.”

Já que a nossa missão é servir como instrumentos de Deus e Meishu-Sama, de que modo devemos cumpri-la?

No Ensinamento “O materialismo cria o homem mau”, do Alicerce do Paraíso vol. 1, edição portuguesa, Meishu-Sama orienta-nos:

“É preciso percorrer o caminho correto, pois devemos tornar-nos pessoas que desejam a felicidade do próximo. Sem essa atitude, jamais seremos capazes de ser felizes e ter uma vida que valha a pena viver.”

Nesse sentido, esta semana, após as reuniões de preparação para este Culto, com os Ministros da Expansão, assistimos ao filme “O Resgate do Soldado Ryan”. Os senhores conhecem? Já assistiram?

É um filme épico, de guerra, baseado numa história verídica, dirigido por Steven Spielberg há mais de 20 anos. Apesar do realismo das cenas de guerra e destruição, acredito que o ponto vital é a mensagem contida no ápice do enredo, que gostaria de compartilhar com os senhores.

O filme retrata a batalha na Normandia em junho de 1944, com o desembarque das tropas aliadas para libertar a França da ocupação nazista. O general americano George Marshall, ao ter conhecimento de que três dos quatro irmãos da família Ryan tinham sido mortos no campo de batalha e colocando-se no lugar da mãe que viria a ser informada de tamanha tragédia, ordena que se salve o filho mais novo que estava desparecido em ação, para que, ao menos ele voltasse para casa são e salvo.

Essa missão foi atribuída ao capitão John Miller, que com uma equipa de mais 7 soldados das forças especiais, iniciam a busca pelo soldado Ryan. Depois de vários confrontos com as tropas de ocupação, tiveram algumas baixas, mas finalmente, encontram-no com vida. O soldado Ryan é informado da morte dos seus irmãos, da missão de o trazer vivo para casa e que dois soldados da equipa do capitão Miller já tinham perdido a vida. Mesmo sabendo disso e apesar da angústia que sentia, o soldado Ryan decide não abandonar o seu posto e pede ao capitão que diga à sua mãe que pretende ficar “com os únicos irmãos que lhe restaram”. Nesse momento, o capitão, não tendo alternativa, com a sua restante equipa, decidem ficar para protegê-lo e assumem o comando da defesa de uma ponte que deveria impedir a passagem dos tanques alemães. As cenas seguintes da batalha foram árduas, tendo ocorrido muitas baixas. O capitão Miller, já gravemente ferido, puxou o soldado Ryan para perto de si e disse-lhe: “Faz por merecer! Vê se o mereces!”, vindo a falecer logo em seguida.

O desenlace final retrata o soldado Ryan já idoso, no cemitério militar com a sua família, muito emocionado, em frente ao túmulo do capitão John Miller. Nesse momento, perante a sepultura, diz ao capitão que nunca se esqueceu das suas últimas palavras e que tentou viver da melhor forma possível, esperando que tivesse sido suficiente para justificar tudo o que tinham feito por ele. Quando a sua esposa se aproxima, ele suplica-lhe: “Diz-me que fiz por merecer! Diz-me que fui um bom homem!”

É realmente um grande filme que nos faz pensar!

Assim, gostaria que refletíssemos também:
– Será que estamos a fazer por merecer a missão que nos foi confiada por Deus e Meishu-Sama no momento em que recebemos o Ohikari?
– Será que estamos a fazer por merecer a confiança dos nossos Antepassados e todos os sacrifícios que fizeram para que tivéssemos chegado até aqui?
– Será que estamos a fazer por merecer o esforço e empenho de todas as pessoas que, direta ou indiretamente, fizeram e fazem parte da nossa formação?

Como ainda estamos em janeiro, é o período propício para refletirmos sobre o modo como iremos cumprir a nossa missão ao longo deste ano. Acredito que podemos fazer uma analogia entre o enredo do filme e a nossa realidade: os Ministros, Professores de Ikebana, missionários, membros e até os frequentadores, tal como o capitão Miller e a sua equipa, de forma altruísta, enfrentando e crescendo com as dificuldades, assumimos o compromisso de, como verdadeiros instrumentos da Luz Divina, servir na salvação das pessoas que se encontram a sofrer na sociedade.

Um exemplo prático disso, com o objetivo de nos tornarmos o “número um na felicidade de alguém”, são as atividades externas que temos vindo a realizar por todo o país, desde novembro do ano passado, através da oferta de Flores de Luz e transmissão de Johrei nas ruas, onde em menos de dois meses, foram transmitidos perto de 500 Johrei a pessoas de 1ª vez.

Dentro desse mesmo espírito de salvação do próximo, hoje ouvimos a maravilhosa Experiência de Fé da Sra. Lara Mota, que ao atravessar um momento difícil na sua vida, com problemas sérios de saúde e também a nível financeiro, conheceu o filho de uma amiga, o jovem Dinis, de apenas 18 anos, que imbuído do sincero desejo de a querer salvar, convidou-a para conhecer o Núcleo de Johrei de Amarante, dizendo-lhe que se sentia muito feliz por ser membro da nossa Igreja!

No início, sempre que a Sra. Lara se dispunha a ir receber Johrei, acontecia algo que a impedia, o que demonstra a atuação da força negativa que tem como objetivo dificultar que a pessoa chegue até à Luz da Salvação, presente no Altar da nossa Igreja. Entretanto, graças aos constantes convites e à perseverança do Dinis, foi acompanhada por ele até ao Núcleo, onde foi muito bem acolhida pelos Ministros, tendo recebido Johrei por algumas horas, sentindo-se bem mais calma.

Um ponto importante que gostaria de ressaltar é o facto do jovem Dinis se ter sensibilizado pelo problema da amiga da sua mãe, esforçando-se para a encaminhar. Isso demonstra que, independentemente da idade, se estivermos verdadeiramente determinados a servir na salvação do próximo, colocando em prática as orientações recebidas, não existem limites e barreiras, como neste caso, a diferença de idade entre eles.

A partir daí, mesmo ainda enfrentando várias dificuldades, continuou a frequentar com regularidade, recebendo Johrei por várias horas e constante apoio para que não desistisse. Começou a melhorar, a sentir-se mais forte e as crises diminuíram. Já tendo indicação para fazer uma cirurgia ao estômago, após os últimos exames, o médico disse-lhe que os valores das análises estavam normais e que já não era necessária a operação. Além de ter superado os problemas de saúde, a situação profissional também melhorou e automaticamente diminuíram os níveis de angústia e preocupação, vivendo hoje em paz e muito grata. Perante todas estas graças, recebeu o Ohikari e já está a transmitir Johrei à sua família, tendo encaminhado também outras duas pessoas à Igreja que já está a acompanhar com o mesmo amor, como foi feito com ela.

Além de tudo isso, para fechar com chave de ouro, no dia seguinte a ter escrito a sua Experiência de Fé, o seu advogado ligou-lhe a comunicar que tinham ganho uma ação judicial que estava parada há 3 anos, considerada por ele um caso perdido.

A Sra. Lara conclui afirmando que “somente através do servir a Deus e a Meishu-Sama na construção do Paraíso Terrestre, teremos a verdadeira saúde, paz e prosperidade!”

A esse propósito, com muita gratidão, recebemos do nosso Presidente Mundial – Rev. Kiyoaki Sugihara, a Diretriz para este ano, que gostaria de partilhar com os senhores.

DIRETRIZ 2022
Igreja Messiânica Mundial – Izunome

“Seguindo os passos de Meishu-Sama, vamos empenhar-nos na Salvação da Humanidade e na construção do Paraíso Terrestre.”

O nosso lema:
“Objetivando tornarmo-nos um ser paradisíaco, vamos cultivar o espírito de oração no nosso quotidiano.”

Práticas diárias:
“Empenhar-nos nas práticas básicas: participar nos Cultos, transmitir e receber Johrei, dedicar e aprender através da leitura dos Ensinamentos.”

Tendo esta Diretriz do Solo Sagrado de Atami como a vontade de Meishu-Sama, vamos esforçar-nos para cumprir a nossa missão como verdadeiros instrumentos da Sua Luz, neste Divino Drama.

Despeço-me com um forte abraço, na esperança de, em breve, encontrar pessoalmente com todos os senhores.

Muito obrigado e um bom mês a todos!

Comentários não disponíveis.