Palestra do Culto do Paraíso Terrestre – Sede Central – Junho 2021

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – JUNHO 2021

Bom dia a todos!
Feliz Culto do Paraíso Terrestre!

Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

Em nome de Deus e Meishu-Sama, agradeço a vossa sincera dedicação que nos possibilita expandir cada vez mais a Obra Divina em toda a Europa! Muito obrigado!

Gostaria de dar as boas-vindas a quem está a assistir a este Culto pela primeira vez e a todos os membros e frequentadores que estão a participar nesta transmissão online, tanto em Portugal, como em outros países. Sejam todos muito bem-vindos!

Depois de quinze meses oficiando Cultos na Sede Central sem a presença física dos membros, hoje estou muito feliz em poder receber os senhores na casa de Meishu-Sama em Portugal. Realizaremos quatro Cultos cumprindo com as normas de higiene e segurança em vigor, com a presença de um total de 95 participantes, de várias Unidades Religiosas de todo o país. Os senhores estão felizes em poder estar de volta à Sede Central? Sim? Que bom! Eu também estou muito feliz e espero que daqui para a frente, possamos continuar a realizar estes Cultos presencialmente.

Apesar de hoje ser um dia de festa, não posso deixar de falar que, como talvez seja do conhecimento de todos, no dia 15 do mês passado, a minha mulher, Magda Frossard Luciow, aos 62 anos, nasceu no Mundo Espiritual. Em nome da minha família, gostaria de agradecer a todos pelas orações e mensagens de conforto que recebemos neste difícil momento. Embora saibamos que, mais cedo ou mais tarde, é algo que todos passaremos na vida, confesso que nunca pensei que viesse a passar por isso agora.

Porém, os desígnios de Deus são inatingíveis pelo raciocínio humano, restando-nos somente agradecer a Deus e a Meishu-Sama pelo tempo que nos foi permitido conviver com ela, como esposa dedicada, mãe afetuosa, missionária pioneira na difusão da Obra Divina em Itália, onde dedicou por mais de 30 anos, tanto como Ministra responsável do Johrei Center de Roma, como Professora de Ikebana Sanguetsu em todo o país.

Pude confirmar, pela enésima vez, a importância da prática da fé na nossa vida, pois, as orações, a enorme solidariedade e o carinho recebidos dos messiânicos de todo o mundo, serviram-nos de conforto, dando-nos força e serenidade. Além disso, sinto que ela recebeu muita Luz, que guiou os seus primeiros passos no Mundo Espiritual.

Não encontro palavras para descrever a falta que sentirei depois de 36 anos de convívio que me permitiram dedicar sem preocupações, pois sabia que ela estava a apoiar-me incondicionalmente. Porém, conforta-me a certeza de que o Mundo Espiritual messiânico da Europa ganhou um grande elemento, que estará a dedicar ainda mais, com o mesmo Makoto e verdadeira entrega, como sempre fez. Mais uma vez, muito obrigado a todos!

Dando continuidade às visitas que faço regularmente, a partir do dia 21 do mês passado, estive a visitar algumas Unidades Religiosas da região norte do país. Comecei pelo Johrei Center do Porto e Núcleo de Johrei de Vila Nova de Gaia, onde, além de visitar o lar de membros em purificação, fiquei muito feliz por ter tido a permissão de ministrar Johrei individualmente, por trinta minutos, a 99 pessoas. Respeitando as normas de higiene e segurança em vigor, realizámos dois Cultos pela Salvação dos Antepassados e Reforma da Sede Central, contando com a presença de mais de 70 pessoas.

De seguida, visitei os Núcleos de Johrei de Amarante e Braga, onde, igualmente, respeitando as normas de higiene e segurança em vigor, realizámos encontros de Johrei contando com a presença total de mais de 30 pessoas, entre membros, frequentadores e pessoas de 1ª vez. Tive também a oportunidade de conhecer as hortas caseiras de alguns membros de Amarante e pude constatar a alegria e o entusiasmo na prática da importantíssima Coluna da Salvação da Agricultura e alimentação natural. Quando me apresentavam as diversas culturas, as várias fases de crescimento e os produtos que já estão a colher, era notório o brilho nos olhos de contentamento. Espero que todos os membros possam superar as dificuldades de acordo com a sua realidade e, um dia, virem a sentir essa mesma alegria!

Agradeço a todos pela carinhosa hospitalidade com que me receberam, assim como, pelas saborosas refeições feitas com muito amor. Muito obrigado!

No Ensinamento do Culto de hoje, “O que é a verdadeira civilização?”, retirado da palestra de Meishu-Sama no Hibiya Public Hall em Tóquio, publicada no Alicerce do Paraíso vol. I, edição portuguesa, Ele orienta-nos:

(…) “Primeiramente, gostaria de dizer que muitas pessoas, quando afirmam que, atualmente, a cultura evoluiu ou que vivemos numa era cultural, acabam por confundir “cultura” com “civilização”, apesar de serem coisas distintas. A civilização representa um mundo ideal, sem quaisquer resquícios de verdadeira selvajaria, isto é, um mundo civilizado. Por outro lado, com relação à cultura, é diferente. Ela é o estágio intermediário entre selvajaria e civilização. (…) Ao observar o estado atual da humanidade, notamos que ela está fascinada por essa “transformação cultural”. Porém, acredito que já se encontra num nível satisfatório e que basta apenas o seu progresso para o estabelecimento de um mundo aprazível. Entretanto, o mundo civilizado a que me estou a referir, é diferente daquele que as pessoas têm em mente.”

E o que seria, então, segundo Meishu-Sama, a verdadeira civilização? Nada mais é do que a segurança da vida humana, ou seja, que a humanidade tenha garantias de uma vida segura. Mas, observando o estado atual em que o mundo se encontra, concluímos que, não só estamos longe de viver num mundo civilizado, como aumentou a selvajaria mesmo com o progresso tecnológico, pois, as magnificas invenções, ao invés de serem usadas beneficamente, são utilizadas para o Mal.

E como conseguiremos reverter esta situação? Meishu-Sama orienta-nos claramente:

(…) “A cultura científica evoluiu, mas ainda falta algo muito importante, isto é, a alma. Tende-se a fazer um mau emprego da cultura científica devido à sua ausência, pois a alma é o fundamento para que ela seja utilizada para o Bem, ou seja, é necessário purificá-la para que tudo seja utilizado em prol do Bem e se torne possível o estabelecimento de um mundo magnífico.” (…)

Meishu-Sama continua a orientar-nos sobre como conseguiremos purificar a alma para que tudo seja utilizado em prol do Bem:

“O Johrei é um método eficaz para a cura das doenças, contudo, não se destina apenas a curá-las. Por outras palavras, o Johrei trata a alma, ou seja, o Mal que nela atua. Em termos mais claros, o Mal é o carácter selvagem. É impossível removê-lo, pois não se pode viver sem ele, portanto, é necessária uma mudança na maneira de pensar. (…) Caso isso aconteça, todos os seres humanos desejarão praticar o Bem e realizarão boas ações.”

Constatamos assim que, o Johrei, além de ser um método eficaz para a cura das doenças, visa também o domínio do Mal que atua no caráter selvagem do ser humano, fazendo com que, naturalmente, este deseje praticar o Bem, realizando boas ações.

Constata-se que, atualmente, o Homem, mesmo que inconscientemente, está sempre a praticar o Mal de diversas formas: procurando um meio mais “simples” e “fácil” de se fazer as coisas, procurando sempre levar vantagem em tudo, dar um “jeitinho”, sem falar no pior modo de praticar o Mal, que é aquele em que se pensa estar a praticar o Bem, ou seja, há certas práticas que se tornaram hábitos normais e como são praticadas pela grande maioria das pessoas, algumas delas, até ilustres e influentes, considera-se um Bem quando, efetivamente, não o são. Eis a importância do estudo aprofundado dos Ensinamentos de Deus revelados a Meishu-Sama, como parâmetro da Verdade e do Johrei, como forma de recebermos a Luz necessária para ter força de conseguir praticá-los.

Meishu-Sama é o nosso modelo de prática do Bem, pois, como Ele nos ensinou hoje, conforme passou a ter melhor compreensão sobre a existência de Deus, começou a praticar boas ações em qualquer circunstância, prestando sempre atenção em fazer com que as pessoas se tornassem felizes, contentes e satisfeitas. A partir daí, a Sua sorte melhorou.

O Culto de hoje, pelo Paraíso Terrestre, é um dos Cultos mais significativos da nossa Igreja. Este ano, especialmente, completam-se 90 anos, três ciclos de 30 anos, desde que Meishu-Sama recebeu esta tão importante Revelação Divina, no dia 15 de junho de 1931, no topo do Monte Nokoguiri. Estamos precisamente no início de um importante ciclo que é a última década para o seu centenário, que culminará com a significativa intensificação da energia espiritual do elemento fogo. Podemos comparar ao Sol no seu zénite, ou seja, quando os seus raios incidem verticalmente sobre a Terra, onde, consequentemente, não há qualquer sombra. Espiritualmente falando, com esta intensificação, as trevas espirituais desaparecerão e o Mal não terá mais onde se esconder.

Quando pensamos neste facto, naturalmente direcionamos o nosso pensamento para fora de nós, para as trevas do mundo, julgando o Mal que atua nos outros. No entanto, este acontecimento manifestar-se-á no nosso interior e, neste crucial momento, devemos, impreterivelmente, julgar a nós próprios. Graças aos Ensinamentos e à Luz do Johrei, é-nos possível promover esta transição de forma suave e gradual, através da prática do Bem e da realização de boas ações.

Ainda assim, temos o livre arbítrio que nos permite optar por fazê-lo ou não. No entanto, não podemos esquecer que essa purificação acontecerá independentemente da nossa vontade. Caso não nos purifiquemos por intermédio das práticas básicas da fé, seremos compulsoriamente purificados por meio do sofrimento. Eis o valor da prática da fé messiânica, que nos guia ao altruísmo e à construção do Paraíso Terrestre!

A Transição da Era da Noite para a Era do Dia é, na prática, o próprio Juízo Final. Conforme Meishu-Sama nos orientou no Ensinamento de hoje, trata-se do momento em que, tudo aquilo que pertence à Era da Noite, se tornará desnecessário e será eliminado. O “juízo” representa a linha divisória do Dia e da Noite. O que for inútil será demolido ou destruído e serão construídas gradualmente novas coisas “claras”. Juízo Final, como o próprio nome indica, trata-se do último julgamento antes do Advento do Paraíso Terrestre e, por este motivo, será feito pelo espírito do fogo que eliminará definitivamente tudo aquilo que não servirá para o Paraíso. Outro efeito visível do aumento da intensidade do espírito do fogo é a dissolução de toxinas que estavam solidificadas durante o período da Noite, ocasionando assim, o crescente aumento de doenças, inclusive, as infectocontagiosas. Mas, não devemos esquecer que este processo será rigoroso somente com o Mal; para o Bem, será motivo de grande felicidade. No passado, já houve outros Juízos, entre os quais, o Dilúvio Universal que, por não ser o último, foi feito pelo espírito da água.

Deus, na Sua incomensurável compaixão pela humanidade, está a alertar-nos através dos Ensinamentos e, através do Johrei, possibilita a salvação do maior número possível de pessoas. Por isso, Meishu-Sama está a prevenir-nos, dando-nos a oportunidade de dedicarmos como Seus instrumentos na construção do Paraíso Terrestre, um mundo isento de doença, miséria e conflito.

Meishu-Sama orientou-nos que o Paraíso Terrestre é o mundo dos felizes e, só conseguiremos ser felizes quando colocarmos, em primeiro lugar, a felicidade dos nossos semelhantes. Neste sentido, ouvimos hoje a maravilhosa Experiência de Fé da Sra. Micaela Rato que passou por diversas situações pessoais, profissionais e, graças à prática da fé, após ter aberto o seu coração para Deus e Meishu-Sama, entendeu que estas seriam uma grande oportunidade de purificação e autoaperfeiçoamento, nas quais poderia praticar o desapego e a humildade, vencendo, principalmente, o próprio orgulho.

No início do ano, ao ficar sem trabalho, orava, pedindo a Deus e a Meishu-Sama que lhe indicassem um local de trabalho, não onde conseguisse ter melhor salário, mas sim, onde pudesse fazer o maior número de pessoas felizes. Assim, contrariando o senso comum, aceitou voltar a trabalhar na mesma agência, num cargo inferior ao que tinha antes de ser despedida. Essa sua decisão foi admirável, pois, quantos de nós teríamos coragem de enfrentar uma situação desagradável como esta? Como ela própria afirmou, por vezes, na vida, é necessário dar um passo atrás para depois se dar dois em frente. Um outro exemplo é que, para dar um salto, é necessário agachar e fletir os joelhos. Se permanecermos inflexíveis, não teremos o impulso necessário para saltar.

Cada um de nós, de acordo com as próprias necessidades, naturalmente encontraremos situações que servirão como “esmeril” para lapidar as nossas imperfeições. Se as aceitarmos com gratidão, reconhecendo-as como Amor de Deus para o nosso aperfeiçoamento e crescimento, teremos a força e a coragem para as encarar positivamente. Quem não possui fé, nesses momentos difíceis, reage negativamente e, muitas vezes, torna-se amargurado, depressivo e até agressivo, geralmente, com pessoas que nada têm a ver com a causa do problema, como familiares, amigos, etc. Em casos extremos, tornam-se dependentes de psicofármacos, álcool ou outras drogas.

A Sra. Micaela, por ter conseguido superar os seus limites e crescer interiormente, criou o merecimento para ser chamada pela coordenadora nacional para fazer parte da sua equipa. Hoje, tem um salário muito superior, ocupa um cargo bem mais elevado, com 10 agências sob a sua responsabilidade.

É de salientar que todo este processo não se resolveu de uma hora para a outra! Os períodos de purificação cessam, não quando desejamos, mas sim, quando atingimos o aprimoramento ao qual eles se destinam. Muitas vezes, rezamos e dedicamos para que a purificação cesse, sem que busquemos a mudança interior. No entanto, as nossas orações e dedicações deveriam ter como finalidade a busca e a eliminação da causa interior que desencadeou a necessidade desse processo purificador.

Meishu-Sama conclui o Ensinamento de hoje, orientando-nos que a Sua missão exigia muita responsabilidade e que na História, nunca houve ninguém com uma missão maior do que a d’Ele. Como seus discípulos, precisamos também de nos empenhar com a mesma responsabilidade e consciência de que, a nossa missão, por ser ligada a Ele, é igualmente sem precedentes e da máxima importância. Este facto não deverá ser motivo de vaidade, mas sim, de orgulho sadio e profunda gratidão.

Despeço-me com um forte abraço, desejando a todos que se esforcem, com Makoto, na construção da Verdadeira Civilização.

Muito obrigado e um bom mês a todos!

Makoto: Sinceridade, fé, amor, lealdade, honestidade, fidelidade, cordialidade, verdade, devoção, correção, constância e altruísmo.

Comentários não disponíveis.