Experiência de Fé – Sede Central – Fevereiro 2016

Experiência de Fé – Karine Pereira Silva

Experiência de Fé - Fevereiro 2016

“Aprofundei o sentimento de saber esperar pelo momento certo, agradecer mesmo quando aos nossos olhos, parece que Deus não está a atuar.”

Chamo-me Karine Pereira Silva, outorguei-me no dia 28 de setembro de 2011, no J.C. Curicica, no Rio de Janeiro e pertenço atualmente ao Núcleo de Johrei de Oeiras/Cascais.

Gostaria de partilhar uma experiência de distribuição de Flores de Luz e ministração de Johrei na sociedade.

Em 2013, em Barcelona, ao alugar um apartamento, eu e meu marido fomos burlados. Quando nos apercebemos do que estava a acontecer, já não tínhamos o dinheiro da caução e o burlão tinha desaparecido.

Estamos em Portugal desde 2014 e em dezembro de 2015, eu e meu marido decidimos mudar de casa e desde aí, temos procurado apartamentos para alugar. No dia 21 de dezembro, visitámos um apartamento que tinha tudo o que desejávamos, tudo se encaixava; o preço, as condições, o arrendamento, a localização, enfim tudo era o que tinha pedido a Deus e Meishu-Sama no Altar.

No dia seguinte, meu marido encontrou-se com o proprietário, assinou um papel onde afirma a entrega da caução e recebemos uma cópia do B.I. do senhor. Esta atitude dele, trousse confiança e tranquilidade em relação ao negócio. O proprietário disse que teríamos de aguardar até 15 de janeiro de 2016 porque ele queria fazer obras na casa. Aceitámos, com satisfação, a espera.

No dia 8 de janeiro de 2016, lembrei-me de ir ao imóvel para acompanhar as obras e tirar medidas. Entrámos em contacto com o senhor e fomos até lá. Para meu espanto, não estava e decorrer obra nenhuma e ao ser questionado do porquê, o proprietário deu-nos uma justificação convincente e assegurou que ficaria tudo pronto até dia 15.

Nesse mesmo dia, ao fim da tarde, recebemos uma chamada. Era a polícia a perguntar se tínhamos alugado um imóvel ao senhor X. Confirmámos e a polícia revelou que tínhamos sofrido uma burla. O suposto proprietário estava detido por “prática de burla” a outras pessoas e que na verdade ele é um agente imobiliário e não proprietário dos imóveis.

Com estas revelações e devido ao mesmo acontecimento no passado, eu e meu marido ficámos nervosos e acabámos por discutir. No meio da discussão, o meu marido, que não é membro, perguntou-me onde estava Deus e Meishu-Sama neste momento, porque eu tinha-lhe dito que aquele apartamento foi permissão Deles. Disse-lhe que tudo é nosso aprendizado e que não se preocupasse porque iriamos ter o nosso dinheiro de volta. Mas na verdade, no meu interior, eu sentia-me revoltada e a questionar porque é que estava tudo a acontecer novamente. Porque desta vez orei no Altar pedindo permissão a Deus e Meishu-Sama, estou a dedicar semanalmente e a fazer o dízimo do dinheiro que recebo. Em 2013, até entendo porque não fazia nada, mas agora a dedicar e sem proteção? Porquê?

Passados 2 dias a buscar interiormente, resolvi ligar à Ministra para contar o que estava a acontecer e receber orientação.

A ministra disse que ia orar, no Altar a Deus e Meishu-Sama, a comunicar o sucedido e pediu o nome para orar pelo burlão e seus antepassados para agradecer por ele ser utilizado para salvação dos nossos antepassados, para nosso crescimento espiritual e limpeza do espirito do nosso dinheiro e entregar nas mãos de Deus e Meishu-Sama o resultado do nosso contacto com ele.

Orientou-me que, já que não contava receber esse dinheiro, que se o recebesse o ideal seria fazer metade como Gratidão para salvação desta dívida espiritual; porque Meishu-Sama ensina que Graça inesperada, devemos devolver 50% a Deus. Fazer uma Ikebana oferecendo o seu espirito ao senhor que nos burlou, seu anjo guardião e aos antepassados que se estavam a manifestar e ler várias vezes ao dia o “Mecanismo da Salvação” para me ajudar a aprofundar o sentimento de Gratidão e me ligar a Deus através desta situação.

Com base na orientação fiz uma flor-de-luz, li o “Mecanismo da Salvação” várias vezes para conseguir mudar o meu sentimento e conseguir agradecer de coração para me ligar a Deus. E comprometi-me fazer 10% do valor que recebêssemos, visto que esta decisão não dependia só de mim.

No dia seguinte a esta prática, dia 12, ligámos ao burlão para saber se a casa já estava pronta. Ele não sabia que tínhamos sido contactados pela polícia e tentou-nos enganar, garantindo que dia 15 a casa estava pronta. Como vimos que ele ia manter a história resolvemos contar, mesmo por telefone, que já sabíamos de tudo e do contacto da polícia. Ele logo se desculpou dizendo que tudo foi um grande equívoco e pediu o número da nossa conta para transferir o dinheiro. No mesmo dia, ele fez a transferência de um valor um pouco acima do que lhe tínhamos dado.

Hoje consigo ver a atuação e proteção de Deus e Meishu-Sama através da vontade que tive de rever a casa e acompanhar as obras, porque foi graças a esse telefonema, que a polícia ficou com o nosso número e nos ligou.

Com esta experiência, aprofundei o sentimento de saber esperar pelo momento certo, agradecer mesmo quando aos nossos olhos está tudo errado e parece que Deus não está a atuar. Que esta gratidão liga-nos a Deus e permite que ele atue até quando achamos impossível.

Materializei a minha gratidão fazendo o donativo de 10% sobre o valor que recebemos. E, com a noção que este sofrimento dos nossos antepassados é profundo e precisa de desafios, do esforço máximo da minha parte e comprometi-me a fazer distribuição de flor com Sonen de somar mérito cuidando de outras pessoas, para salvação dos antepassados.

Como ainda não consegui mudar de casa, já fiz uma distribuição de 27 flores de luz, nos meus atuais vizinhos e estou a ministrar Johrei em 4 casas, 5 pessoas e 1 cão com cancro. Com isto, já entendi porque ainda não era o momento de mudar.

Agradeço a Deus e Meishu-Sama pela graça alcançada e sei que com esta experiência estou mais fortalecida na Fé.