Experiência de Fé – Sede Central – Agosto 2015

Experiência de Fé – Maria Isaura Alves Teixeira Lopes

“Senti vontade de abrir a minha casa às pessoas para receberem Johrei, fazer oração e dedicar.”

Chamo-me Mariana de Oliveira Pires, sou membro há 33 anos e dedico no Núcleo de Johrei de Amadora e Sintra.

Com o encerramento das atividades no local alugado para o Johrei Center da Amadora e a sua transferência para Lisboa em 2014, fiquei muito triste e desamparada, pois o antigo local era muito perto de minha casa e conseguia ir dedicar todos os dias, o que me deixava muito feliz. Depois disso, passei a ir apenas aos Cultos na Sede em Lisboa quando tinha a boleia de alguém, o que se revelava pouco para quem, como eu, ia todos os dias dedicar. Sentia-me desanimada e sem forças, apesar de, com regularidade, ter assistência de Johrei por parte de alguns membros, que me têm dado muito apoio e carinho neste período.

A partir de Dezembro de 2014, passei também a receber assistência de Johrei do ministro e do seminarista. Fui-me sentindo um pouco mais amparada, mas mesmo assim sentia a necessidade de dedicar e de orar todos os dias como fazia antes.

Numa das suas visitas, no início deste ano, o ministro perguntou se eu não gostaria de ter a Imagem Consagrada de Meishu-Sama em minha casa, para poder fazer as minhas orações diárias e sentir um apoio, uma vez que também vivo sozinha. Eu respondi que não podia, porque não tinha dinheiro. Com o problema de saúde que tive há alguns anos e que ainda permanece, não estou em condições de gerir o meu dinheiro, por isso, a minha pensão e contas ficaram a cargo da minha querida irmã, e assim não tenho que me preocupar com nada.

Mesmo assim, o ministro disse-me: “Eu vi a D. Mariana fazer um donativo no dia do Culto, como é que conseguiu se não tem nada?” Respondi: “Eu recebo da minha irmã 5€ por semana, e utilizo-os principalmente para ir tomar um café por dia, se às vezes sobra alguma coisa, faço um donativo.”

– Mas a senhora gostaria mesmo de ter a Imagem Consagrada?

– Sim! Gostar, gostaria muito, mas sei que não posso.

– O que conta para Deus é o esforço máximo de cada um dentro daquilo que Deus nos dá – explicou-me o ministro. Portanto – disse ele – vamos inverter a ordem: em vez de dar o donativo quando sobra, daria para retirar 1 € dos 5 € que recebe? Ou seja, 50 cêntimos seria o seu donativo semanal, o que corresponde a 10% do que recebe. Parece pouco, mas é equivalente a uma pessoa que recebe 1000€ retribuir com 100€. Os outros 50 cêntimos são para ir guardando para a Imagem Consagrada de Meishu-Sama.

Eu aceitei a ideia, mas achei que mesmo abdicando de tomar um café ou dois, nunca mais conseguiria alcançar o valor para ter a permissão de receber a Imagem. Mas o ministro foi perentório e disse-me: “Vamos acreditar! Ao decidir-se, ao colocar as coisas dentro da Lei da Ordem e praticar, vai acontecer.”

Além dessa prática, fizemos uma Dedicação de Limpeza Espiritual na minha casa, onde também foram retiradas as muitas flores artificiais que tinha. Mas não foi fácil desapegar, pois não iria ter dinheiro na mesma para comprar flores naturais e fazer os arranjos todas as semanas. Mas graças a Deus e Meishu-Sama, dias depois de deitar tudo fora, um membro disponibilizou-se com muito agrado em trazer-me flores semanalmente e muitas vezes até fazemos os arranjos de Ikebana juntas.

Umas semanas depois, uma pessoa ao saber deste meu desafio de querer receber a Imagem Consagrada de Meishu-Sama, ofereceu-me 40€! Mais ou menos um mês depois, ao arrumar as minhas gavetas encontro 50€! E no dia do meu aniversário recebo 10€ de prenda. Além disso, consegui juntar 5€ euros com a minha dedicação dos 50 cêntimos.

Ao longo destes meses, apesar destes resultados visíveis, senti muitas vezes vontade de desistir e dizia ao Ministro: “Esse dinheiro que juntei, quero antes fazer o Sorei-Saishi dos meus antepassados, pois nunca consegui fazer!”. Mas o ministro sempre respondia: “A Ordem certa é: primeiro Deus, Meishu-Sama, depois os antepassados.”

Até que no passado dia 16 de Junho, mais ou menos 5 meses após o desafio, tive a grande permissão da Entronização da Imagem Consagrada de Meishu-Sama em minha casa, num dia de muita emoção, junto com membros amigos que sempre me apoiaram!

Agora, sinto que não estou mais sozinha, tenho Meishu-Sama sempre ali comigo e já posso fazer a oração todos os dias como fazia na Igreja, sinto-me muito feliz!

Alguns dias depois, senti vontade de também abrir a minha casa às pessoas que quiserem receber Johrei, fazer oração e dedicar. Assim, desde o dia 6 de Julho iniciámos em minha casa um Núcleo de Johrei às segundas-feiras à tarde. Fiquei preocupada porque não tinha cadeiras dignas, só bancos, mas, na véspera de iniciarmos as reuniões, um membro ofereceu-me 4 cadeiras novas e bonitas! No primeiro dia de reunião apareceram em minha casa 5 pessoas, senti uma alegria muito grande. O ministro até disse: “D. Mariana, agora a sua casa é o Núcleo de Amadora e Sintra às segundas-feiras! Vê como ficou ainda mais perto do que antes!”

Já tive também a permissão de fazer o meu primeiro assentamento no Sorei-Saishi, algo que ansiava fazer há 33 anos, mas nunca tinha conseguido. Senti-me muito emocionada nesse dia.

Aprendi com todos estes acontecimentos que, ao colocar-se em prática a Lei da Ordem, tudo na minha vida correrá normalmente, independentemente dos poucos recursos financeiros. A felicidade que sinto agora, resulta em colocar Deus em primeiro lugar, através da lei da Ordem e do esforço máximo de retribuição a Deus pelo que Ele me dá.

O meu compromisso é continuar a abrir a minha casa semanalmente, e desejo que se torne cada vez mais um ponto de Luz para as pessoas.

Quero agradecer a Deus e a Meishu-Sama por tudo! E um agradecimento muito especial a todos que me deram assistência constante ao longo deste tempo.

Muito obrigado!