Experiência de Fé – Junho 2018

Experiência de Fé – Helena Mariana Fernandes Rolim Salgado

O meu nome é Helena Mariana Fernandes Rolim Salgado, tenho 21 anos, tornei-me membro em Outubro de 2016 e dedico no Johrei Center de Coimbra.

Em finais do ano passado, comecei a sentir muitas dores na região lombar. Sem dar muita importância, segui a minha vida como se nada fosse. Porém, as dores foram ficando cada vez mais fortes e constantes, impossibilitando-me de fazer determinados movimentos.

Em Janeiro, o meu marido orientou-me a procurar a médica de família, que me mandou fazer uma ressonância magnética, receitou-me analgésicos (os quais nunca tomei) e marcou-me uma consulta de neurocirurgia, a qual ficou em lista de espera.

Certo dia, uma amiga mostrou os resultados do meu exame a uma médica de clínica geral, a qual falou que eu iria sofrer de dores para o resto da minha vida; que eu tinha as costas iguais às de uma pessoa idosa e aconselhou-me a marcar uma consulta de neurocirurgia pelo privado, pois não poderia esperar mais.

Confesso que, mesmo sentindo que era algo que eu precisava de passar para minha evolução espiritual e de todo o meu tronco familiar, nesse momento, eu perdi a fé. Agarrei-me à força que o meu marido e toda minha família me deram, para enfrentar o que ainda estava por vir.

Na consulta de neurocirurgia, tive conhecimento de que na realidade tinha uma fratura nas minhas vértebras, um disco completamente desidratado (e sem cura) e um outro também muito desgastado. A médica orientou-me, então, a fazer uma operação com urgência, pois tinha que tentar salvar esse disco. Mas sem certezas de ficar completamente curada e com o risco de ficar paraplégica, aceitei fazer a cirurgia. Passado uma semana, recebi uma mensagem do Hospital, a dizer que o orçamento da minha cirurgia rondava os 17.500 euros.

Fiquei muito triste e mais uma vez perdi a esperança de ficar boa. Pensei que estava destinada a ficar com dores para o resto da vida. Nesta altura, já não conseguia fazer praticamente nada, pois as dores eram muito fortes e estavam presentes o tempo todo. A primeira coisa que fiz, após ter recebido esta notícia, foi falar com o meu marido, pois sentia que ele saberia o que fazer.

Durante a nossa conversa, ele mostrou-me que eu não estava a respeitar a ordem espiritual, pois estava constantemente a pôr a matéria à frente do espírito. Orientou-me a receber Johrei intensivo nas costas durante, pelo menos, duas horas seguidas, todos os dias e também ir à Igreja, pelo menos, uma vez por semana receber Johrei, fazer oração pelos antepassados, dedicação e gratidão.

Alertou-me que, mesmo que eu não sentisse vontade, deveria ir, pois fazia parte do meu “tratamento”. Apesar de muito receosa se iria resultar, eu aceitei, não por fé verdadeira, mas porque tinha sido ele a orientar-me, pois sabia que ele sempre estava certo.

Assim fiz, comecei a receber Johrei intensamente, passei a ir ao Johrei Center semanalmente, com muito esforço, pois vivo na localidade da Batalha, que fica a aproximadamente 85 quilómetros.

Falei com o Ministro Responsável, o qual, junto com alguns membros, me deram toda a força e esperança. Fui orientada a fazer o assentamento dos meus antepassados no Sorei-Saishi, um tema que ainda não havia dado a devida importância. Intensifiquei muito as práticas básicas: fiz muitas orações, muitas dedicações e donativos de gratidão e, ao fim de mais ou menos dois meses, as minhas dores haviam desaparecido completamente!

Fiz outra ressonância magnética, com o objetivo de ver a minha situação e fiquei muito surpreendida quando a médica me disse que já não tinha as vértebras partidas, que o disco que estava a ficar desidratado, estava completamente saudável e que o disco que supostamente não tinha solução, estava a regenerar-se.

Um grande milagre tinha acontecido em minha vida! Sinto-me muito feliz e muito grata a Deus e Meishu-Sama e ao meu marido, que sempre cuidou de mim e me orientou para que eu hoje consiga ter uma vida completamente normal e sem dores.

Com esta purificação aprendi o verdadeiro significado da Fé e que Deus e Meishu-Sama não nos abandonam. Eles dão-nos as respostas de diversas formas e o crescimento espiritual não depende apenas da purificação, mas sim da forma como a encaramos e como a procuramos solucionar. Aprendi também que só dependemos de nós mesmos para sermos felizes, pois tudo está ao nosso alcance, basta praticarmos!

Agradeci essa graça maravilhosa através de um donativo de gratidão especial.

No início do mês de maio, recebemos em nosso lar, a visita do Presidente da nossa Igreja, Reverendo Carlos Eduardo Luciow e comunicamos a ele o nosso sincero desejo de receber o Altar de Deus e Meishu-Sama em nossa casa. Ele ficou muito feliz com a nossa decisão e nos orientou para que, dessa forma, o nosso lar se torne um Núcleo de Johrei, capaz de encaminhar e salvar muitas pessoas, tornando-as felizes como nós somos hoje.

Muito obrigada!

Comentários não disponíveis.