Experiência de Fé – Julho 2021 – Vanessa Machado

Experiência de Fé – Vanessa Machado

“Aprendi também a não sofrer por antecipação e, acredito que, se fizermos a nossa parte, teremos Deus e Meishu-Sama sempre a cuidar de nós.”

O meu nome é Vanessa Machado e sou membro do Johrei Center do Porto há cerca de um ano. A experiência que passo a relatar relaciona-se com a busca de uma solução para o problema renal do Gabriel, o meu filho mais novo, de seis anos de idade.

Após o parto, tive uma forte depressão e recorri a medicação durante algum tempo. Em 2017, com o desejo de deixar de tomar os medicamentos, fui encaminhada por uma amiga ao Johrei Center e recebi Johrei pela primeira vez, voltei umas 4 vezes e nunca mais regressei.

Posteriormente, participei num curso de autoajuda e fiquei muito surpreendida quando a professora disse: “O Homem é constituído de energia e a energia mais elevada que eu conheço e que podemos receber é o Johrei da Igreja Messiânica Mundial”.

Em junho de 2020, devido a uma gastroenterite, o Gabriel realizou uma ecografia abdominal e acabaram por detetar quistos no seu rim esquerdo, com a séria possibilidade de ter que se submeter a uma cirurgia para o remover. Fiquei muito preocupada e pensei ser inevitável voltar a tomar remédios para dormir e antidepressivos para conseguir enfrentar tudo o que iria acontecer daí para a frente.

Como era necessária a avaliação da malignidade dos quistos, tivemos consultas de oncologia pediátrica, no Hospital de S. João. Foi terrível estar na sala de espera, ao lado de pais e crianças com tamanho sofrimento.

Perante esta situação, lembrei-me da minha amiga messiânica e decidi pedir-lhe ajuda. Ela prontamente agendou uma visita ao Johrei Center para falar com o Ministro responsável e após uma longa conversa, fui orientada a receber Johrei todos os dias, junto com o meu filho.

Na altura, lembro-me que, após a orientação, desabafei com a minha amiga que seria quase impossível mantê-lo sentado numa cadeira por mais de alguns minutos. Ela respondeu-me que isso não deveria ser motivo de preocupação, o importante era a criança ser acompanhada pelos pais no recebimento de Johrei. E, para além disso, explicou-me que o Johrei provocaria mudanças em mim própria e em toda a família. Embora tivesse achado estranho, não questionei, pois, o meu objetivo era que o Gabriel melhorasse.

A orientação recebida revelou-se um grande desafio por vários aspetos pois, além de não gostar de conduzir, aborreço-me a procurar estacionamento; pensava na dificuldade de manter o Gabriel a receber Johrei por uma ou duas horas; no cansaço após um dia de trabalho; sem falar em todas as tarefas domésticas que ficariam por fazer. Entretanto, resolvi deixar tudo de lado para priorizar a saúde do meu filho.

A minha rotina diária passava por deixar o meu filho no ATL às 7h30, trabalhava das 8h00 às 17h00, ia buscar o Gabriel ao ATL e íamos diretamente para o Johrei Center onde recebíamos Johrei, no mínimo, até às 19h00. Durante o mês de julho, conseguimos frequentar o Johrei Center diariamente. O meu marido levava-o umas vezes, eu outras, e aos domingos, íamos a casa da Ministra que, com muito carinho, nos recebia e orientava.

Antes de ir de férias e com o desejo de ministrar Johrei na minha família, no mês de agosto, recebi a Medalha da Luz Divina – Ohikari.

Posteriormente, de setembro a janeiro de 2021, continuamos a frequentar o Johrei Center praticamente todos os dias e, ocasionalmente, recebia assistência religiosa no meu lar. Sentia-me bastante motivada e aliviada quando conseguia estacionar o carro com facilidade perto ao Johrei Center e muito apoiada pelos membros, quando ajudavam a manter o meu filho distraído enquanto fazia desenhos com lápis de cor. Estes pormenores deram-me alento para não desistir.

Entre outras coisas, o Ministro orientou-me sobre a nossa importante relação com os Antepassados e que quando estes se elevam, toda a família prospera. Assim, lembrei-me de um familiar do meu marido que faleceu com esta doença e percebi que havia uma relação com a doença de rins que também se manifestava noutros membros da família dele. Desta forma, junto com o Ministro, começámos a orar para que os Antepassados recebessem a Luz de Deus e Meishu-Sama, se elevassem e salvassem. Posteriormente, fiz o assentamento e passei a sufragá-los através do Sorei-Saishi.

O tempo passava e os médicos não conseguiam chegar a um diagnóstico conclusivo, devido à complexidade do caso e por não ser possível fazer uma biópsia. Porém, para minha surpresa e do meu marido, a minha ansiedade inicial tinha diminuído muito e já dormia melhor, sem a necessidade de medicamentos. Não me sentia tão amedrontada em relação à indecisão dos médicos sobre a necessidade de remover o rim do meu filho e conseguia entregar a Deus e Meishu-Sama a minha preocupação e apego.

Aos poucos, comecei a agradecer as informações que recebia dos médicos pois, da necessidade de retirar o rim todo, passou para metade e, no final, em fevereiro deste ano, o meu filho foi operado, retirando os quistos e apenas uma pequena parte do rim. A cirurgia correu muito bem, a recuperação foi rápida e hoje tem uma vida normal.

Para além desta bênção que Deus e Meishu-Sama nos concederam, nunca mais precisei de tomar medicamentos. Com este facto, constatei que quando nos dedicamos com afinco nas práticas básicas da fé, não só somos abençoados naquilo que procuramos, como no meu caso, a saúde do meu filho, mas também, conforme me disse a minha amiga, gerou mudanças em mim própria e em toda a família.

Aprendi também a não sofrer por antecipação e, acredito que, se fizermos a nossa parte, teremos Deus e Meishu-Sama sempre a cuidar de nós. Tenho a certeza de que se não tivesse conhecido o Johrei e a Igreja Messiânica Mundial de Portugal, esta purificação teria sido muito mais difícil.

Já conduzi à Igreja 3 pessoas, empenho-me na prática do Johrei no lar, na oferta de gratidão e realizei um donativo especial para agradecer a Deus e a Meishu-Sama as maravilhosas graças recebidas.

Sou muito grata ao meu marido por todo o apoio, aos Ministros pelas orientações e acompanhamento e aos membros, pelo amor com que sempre nos receberam e assistiram.

Muito obrigada!

Comentários não disponíveis.