Experiência de Fé – Dezembro 2018

Experiência de Fé – Liliana Sofia Reis Jacinto Coelho

“Tive a confirmação que, quanto mais praticamos e nos empenhamos nas práticas básicas da Fé, mais sentimos a diferença na nossa vida profissional e pessoal!”

Experiência de Fé - Dezembro 2018

Chamo-me Liliana Sofia Reis Jacinto Coelho e dedico no Johrei Center de Lisboa.

O ano de 2018 começou com a minha insatisfação com o emprego que tinha há dois anos. Pouco depois de eu ter entrado neste emprego, compreendi que o trabalho não correspondia às funções descritas na entrevista. Sendo tarefas mais administrativas aprendi-as rapidamente e sentia-me estagnada. Além disso, o ambiente era pouco saudável, onde regularmente se geravam muitas coscuvilhices e muitos conflitos entre colegas e chefias.

Contudo, mantive-me agradecida a Deus e Meishu-Sama porque tinha a certeza que era minha missão estar naquele emprego e aprender com ele, quer a nível pessoal, quer profissional e foi com este Sonen que todos os dias me levantava e ia trabalhar.

Através de uma experiência de fé de uma membro de Londres, que foi publicada no boletim mensal, despertei para a importância de ter consciência de que cada pessoa no meu local de trabalho tem uma Partícula Divina e que cada situação tem a sua missão. Antes eu separava o que acontecia no trabalho, da parte espiritual.

Quando senti que não fazia mais sentido manter-me nesse meu emprego, analisei com que sentimento fazia as minhas tarefas e com que sentimento desejava mudar de emprego, pois tinha consciência de que, se fosse para mudar, tinha de ser pelas razões corretas e não apenas porque estava farta das tarefas, dos conflitos e do mau ambiente.

Assim, comecei por fazer uma lista, com todos os motivos, porque achava que deveria mudar de emprego; fiz outra lista com o que estava agradecida nesse emprego e uma última lista, com o que procurava, quer a nível profissional, material e espiritual num novo emprego.

Após as listagens efetuadas, rezei a Meishu-Sama e expliquei os meus motivos para querer sair, e agradeci com donativo pelo emprego que tinha e todos os tópicos enumerados. Nesse emprego, aprendi muito sobre gestão de equipas, gestão de empresa, sobre comportamento humano, ganhei amizades e foi-me possível subir para um patamar de remuneração melhor, por isso, não faria sentido da minha parte não ter gratidão pelo emprego, que embora quisesse deixar, tinha-me trazido muitas coisas boas.

Nas aulas de Ikebana Sanguetsu nível 2, recebíamos orientação para a realização de pequenas tarefas e na aula seguinte partilhávamos experiências pessoais, que me ensinavam sempre algo de novo que poderia colocar em prática.

Este ano, tive o Sonen de peregrinar ao Solo Sagrado de Guarapiranga pela 1ª vez. Como preparação realizei várias práticas: fiz donativo diário em dobro, ministrei Johrei em casa todos os dias ao meu companheiro, que não é membro e lia no total 30 minutos de Ensinamentos de Meishu-Sama por dia. Durante a viagem de comboio para o emprego, fazia a leitura através de uma aplicação de livros no telemóvel e à noite lia o Alicerce do Paraíso Volume I, em português de Portugal.

Apliquei-me nas idas aos Cultos Mensais e de Antepassados, esforcei-me por não esquecer qualquer pedido de Sorei-Saishi e além da prática mensal do dízimo, fiz dois donativos especiais antes de ir ao Solo Sagrado de Guarapiranga.

Havia dias, em que os conflitos eram muito complicados entre colegas. Até se davam bem no dia-a-dia, mas de repente quase que chegavam a confronto físico. Nesses dias fazia Ikebana em casa ou alguma dedicação com Sonen daquele conflito ser purificado e salvo, e o ambiente ficava completamente diferente nos dias seguintes.

Várias vezes sentia muita frustração quando chegava a casa depois de um dia de trabalho, após já ter ido a entrevistas de emprego e não ter sido chamada para continuar o processo de recrutamento. Mas pensava: “Meishu-Sama está a preparar a melhor oferta para quando eu estiver à altura, por isso vou-me continuar a esforçar para ter esse mérito.”

Em julho, dias antes de ir para o Solo Sagrado de Guarapiranga, fui a uma entrevista que gostei muito, porque cumpria todos os pontos da lista do que eu procurava num novo emprego. Avisei o recrutador que ia estar no Brasil nas semanas seguintes, mas estaria contactável. As dedicações, esforços e preparações foram importantes, para que naquele momento não me sentisse ansiosa porque poderia ser chamada para uma segunda entrevista e não estar em Portugal. Mantive-me serena e entreguei tudo nas mãos de Deus e Meishu-Sama; iria ter a bênção de estar em Guarapiranga e não me iria preocupar com mais nada.

A meio da peregrinação, quando visitávamos a Sede, em São Paulo, recebi uma chamada dessa empresa para falarmos um pouco mais sobre uma proposta concreta, mas, como não foi possível atender, o recrutador deixou mensagem para eu o contactar quando pudesse e que até poderia ser uma chamada por internet para eu não gastar tanto dinheiro. Agradeci a Deus o contacto, mantive-me calma quando vi que não tinha atendido a chamada e retribui a mesma durante a pausa para o almoço.

Foram-me apresentadas duas propostas em que o meu perfil se encaixava perfeitamente e deram-me a certeza que daí a 15 dias, seria chamada a para entrevista final, já em Lisboa. Agradeci no momento e mais tarde em oração no Solo Sagrado, continuei empenhada em viver a peregrinação ao máximo, dedicando com o Sonen de me tornar cada vez mais um instrumento de Deus junto com os meus Antepassados.

De volta a Lisboa, fui à entrevista final em agosto e em setembro tive a confirmação de que estava contratada! Fiquei muito feliz! A equipa em que estou integrada é uma equipa sem conflitos, em que existe um espírito de entreajuda e onde me sinto muito bem com as minhas tarefas!

Ao longo da minha vida “esperar sem desesperar” sempre foi um desafio. Não que eu queira tudo rápido e para ontem, mas tinha uma tendência a desmoralizar-me e em desacreditar-me, em achar que, eu talvez, não fosse suficientemente boa profissionalmente. Aprendi que é um caminho para o crescimento e que tudo tem um tempo certo para acontecer.

Com as várias práticas realizadas diariamente, é muito mais fácil ter a consciência que Deus está connosco a todo o momento e que todas as pessoas têm uma Partícula Divina. Tive a confirmação que temos que esperar o tempo certo para tudo e não podemos colocar o nosso ego à frente da Vontade Divina. A vida não pára, enquanto esperamos pelo tempo certo, mas a espera torna-se mais fácil, se for com dedicação na Igreja, pois crescemos, aprendemos e ficamos em paz connosco e com os outros.

Aprendi também que quanto mais praticamos e nos empenhamos nas práticas básicas da Fé, mais sentimos a diferença na nossa vida profissional e pessoal. Sentimo-nos mais orientados, mais focados e vemos os milagres acontecerem.

Agradeci esta graça com outro donativo especial e dedicação na Igreja. Fiz o compromisso de continuar empenhada nas aulas de Ikebana, aumentar o meu conhecimento e prática de Agricultura Natural e falar de Meishu-Sama a mais pessoas. Quero continuar a crescer como membro pois sei que só crescemos quando dedicamos cada vez mais na Obra Divina!

Muito obrigada!

Comentários não disponíveis.