Experiência de Fé – Agosto 2021 – Flávia do Nascimento

Experiência de Fé – Flávia do Nascimento

“Quando criei o objetivo e me esforcei para eliminar o egoísmo e o apego, algo divino aconteceu na minha vida.”

Chamo-me Flávia Lopes Sales do Nascimento, resido na cidade de Guimarães e dedico no Núcleo de Johrei de Braga.

Desde o início de 2020, já há mais de um ano a morar em Guimarães, que venho a purificar com dificuldades financeiras e conflitos. Com o prolongamento da situação da pandemia, as purificações intensificaram-se e no início deste ano, tive várias perdas financeiras e sérios conflitos no setor familiar, que acabou por me fazer seguir o meu caminho sozinha, tendo que sobreviver apenas com um emprego part-time e ainda voltar a depender da ajuda dos meus pais.

Apesar de tudo isso, mesmo a trabalhar e a estudar muito, nunca deixei de dedicar e esforçava-me para ministrar Johrei em frequentadores e apresentar Meishu-Sama em cada oportunidade que aparecia, procurando participar sempre das atividades do Núcleo de Johrei.

Em dois meses, antes de conseguir um novo lugar para morar, fiquei em casa de uma amiga e passei a acompanhar a sua família através do Johrei e dos Ensinamentos de Deus revelados a Meishu-Sama. Pude vivenciar diversas graças na vida dela e com a sua família, desde questões de saúde, como também a sua progressão profissional, com a troca para um emprego melhor.

Enquanto isso, procurava sempre outras oportunidades de trabalho para conseguir manter-me financeiramente, mas nada aparecia, até que surgiu uma oportunidade dentro da mesma empresa onde trabalho para outro setor. Seria apenas aos fins de semana, mas a ganhar um pouco mais, com um trabalho mais tranquilo, apesar das funções requererem bastante responsabilidade. Assim, consegui alugar um quarto, no qual encontrei paz e tranquilidade para morar.

Contudo, apesar de ganhar um pouco mais, os vencimentos ainda não cobriam as despesas e nem me permitiam pagar um apartamento, onde pudesse realizar reuniões de Johrei como desejava há muito tempo, desde que cheguei a Guimarães. Por isso, candidatei-me a uma vaga de trabalho a tempo inteiro, dentro do mesmo setor e da mesma empresa, mas noutra cidade. Fui convidada para uma entrevista, porém, não fui selecionada.

Chegado o mês de maio, após participar no Seminário Nacional de preparação para o Culto do Paraíso Terrestre, decidi realizar dedicações especiais em prol dessa importante data da Transição da Era da Noite para a Era do Dia. Decidi fazer donativo diário, ministrar 30 minutos de auto-Johrei e ler 30 minutos de Ensinamentos diariamente, participar das reuniões de Johrei de Braga semanalmente e visitar uma vez por semana os frequentadores que acompanhava em Vizela, cidade vizinha a Guimarães. Além disso, fiz o compromisso de realizar um donativo especial, participar no Culto do Paraíso Terrestre na Sede Central e continuar a apresentar o Johrei ao maior número possível de pessoas. Consegui transmitir Johrei e acompanhar cerca de 10 pessoas, vivenciando muitas experiências.

Programei-me financeiramente e organizei o meu tempo para realizar todas essas atividades até o dia do Culto do Paraíso Terrestre. Entretanto, continuei a realizá-las após o mês de junho, pois, apesar de me dedicar à Obra Divina, ainda me surgiam crises de ansiedade devido aos problemas financeiros intermináveis e pela solidão de estar sozinha noutro país, sem os meus familiares e amigos por perto.

Os sentimentos de solidão e tristeza eram recorrentes, apesar de lutar sempre contra eles. Sempre me perguntava “O que estou a fazer em Portugal?!”. O Ministro orientava-me que essas atribulações eram para o meu crescimento financeiro e emocional, já que a nossa felicidade não pode depender de nada nem de ninguém, dependendo apenas de fazermos os outros felizes, como nos ensina Meishu-Sama! Por isso, precisava de me concentrar cada vez mais na felicidade das pessoas que acompanhava.

Após assistir à palestra do Culto Mensal de Agradecimento de julho, em que foi lido o Ensinamento “Entregue-se a Deus”, o nosso Presidente, Reverendo Carlos Eduardo Luciow, orientou que precisamos desapegar dos problemas e pedir a Deus e a Meishu-Sama força para eliminarmos o egoísmo e apego. Decidi dedicar-me a essa orientação e desejei muito desapegar das situações que me estavam a fazer sofrer, como a solidão e a situação financeira. Além disso, esforcei-me em colocar os setores da minha vida em ordem seguindo o exemplo do “abotoar da camisa” pois, naturalmente, tudo se iria acertar: servir a Deus e a Meishu-Sama, empenhando-me na felicidade das pessoas que acompanho; dedicar pela salvação dos meus Antepassados; esforçar-me nos estudos e trabalho.

Entretanto, eu e minha mãe descobrimos que somos descendentes de judeus sefarditas portugueses, que emigraram para o Brasil por perseguições religiosas, ainda no fim da Idade Média. Após consulta a um genealogista, descobrimos os nomes de três Ancestrais, os quais assentamos no nosso Sorei-Saishi e passamos a cultuar. Nessa mesma semana recebi uma proposta de emprego temporário e decidi aceitar com o Sonen de realizar um donativo especial para esses Antepassados.

Entretanto, para minha surpresa, surgiu ainda outra oportunidade de emprego, mas desta vez a tempo inteiro e noutra cidade, para a mesma vaga a que me tinha candidatado há meses. Fui aceite e fiquei muito feliz, pois era o que tanto ansiava! Com um emprego a tempo inteiro, irei conseguir pagar todas as minhas despesas sem depender dos meus pais, concluir o doutoramento, dedicar e viver com tranquilidade.

Com esta experiência, entendi que viver em Portugal é uma grande oportunidade para resgatar as dívidas dos meus Ancestrais e Antepassados e que não estou aqui por mero acaso. Além disso, pude confirmar que, quando desapegamos e procuramos aprimorar o nosso ego e apego, conseguimos colocar a nossa vida em ordem. Ao priorizar a evolução espiritual às questões materiais, infalivelmente, tudo corre melhor e o nosso coração tranquiliza-se. Quando criei o objetivo e me esforcei para eliminar o egoísmo e o apego, algo divino aconteceu na minha vida.

Comprometo-me em continuar a empenhar-me na Obra Divina onde quer que esteja.

Agradeço a Deus e Meishu-Sama, aos meus Antepassados pela graça divina desta compreensão espiritual, ao Ministro que tem acompanhado todo o meu processo de purificação, à família messiânica de Braga, e aos meus familiares e amigos que nunca me abandonaram mesmo distantes fisicamente.

Muito obrigada!

Comentários não disponíveis.