Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Maio 2019

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – MAIO 2019

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL - REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW

Bom dia a todos!

(Bom dia!)

Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)

Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!

Gostaria de iniciar as minhas palavras, agradecendo do fundo do coração, a vossa sincera dedicação que nos permite expandir cada vez mais a Obra Divina de Salvação de Deus e Meishu-Sama aqui em Portugal! Muito obrigado! (Palmas)

Quem está a vir hoje pela primeira vez, pode levantar a mão? Sejam muito bem-vindos e que essa seja a primeira de muitas outras visitas! (Palmas)

Estamos também a receber membros das seguintes Unidades Religiosas: Margem Sul, Lisboa, Oeiras-Cascais, Amadora e Sintra, Vila Real, Amarante, Braga, Porto, Gaia, Aveiro e Coimbra! (Palmas)

Do exterior, estamos a receber visitantes do Brasil e de Espanha. Sejam todos muito bem-vindos! (Palmas)

Também gostaria de comunicar que para a nossa Caravana ao Japão, restam as últimas 3 vagas! Será uma oportunidade maravilhosa poder estar nos Solos Sagrados e sentir diretamente o Amor, a Luz de Deus e Meishu-Sama alí impregnados.

Hoje, é um dia muito especial! É o dia da mãe! Todos os dias deveria ser o dia da mãe pois nenhum de nós estaria aqui se não fossem as nossas mães. O dia escolhido no ano, especialmente para homenageá-las de coração, por tudo o que elas fizeram por nós; a começar pelo facto de nos terem carregado na barriga por 9 meses, nos ter trazido ao mundo, nos ter amamentado, criado, educado e amado. Com certeza, nenhum de nós seria o que é hoje se não fosse o amor materno. Portanto, vamos hoje prestar homenagem a todas as mães, não só as que estão no Mundo Material, que poderemos encontrar e homenagear pessoalmente, mas também aquelas que já partiram para o Mundo Espiritual e através das nossas orações receberão o nosso amor e gratidão, lá onde se encontrem.

Devemos também agradecer a todas as mães espirituais, que apesar de não terem tido filhos biológicos, mas igualmente se dedicam com amor materno à formação de muitas pessoas. Às vezes até com mais empenho, com mais esmero do que muitas mães carnais. Todas as mães são hoje homenageadas. Escolhemos uma representante para, em nome de todas as mães, receber afetuosamente o nosso carinho, através de um arranjo floral impregnado da nossa gratidão. Chamo a Dona Maria Manuela Ferreira Mendes Calheiros para recebê-lo! (Palmas) Escolhemos a mãe mais jovem e mais bonita! (Risos)

Existe um poema de Machado de Assis que diz: “O amor materno é a mais alta forma de altruísmo.” Tem sentido, porque na nossa religião o amor materno é o amor de “Kannon” que é o aspeto da benevolência de Deus. O que caracteriza o amor materno é justamente amar os seus filhos como eles são. Amor materno não julga. Não é verdade? (Sim) Eu já conheci mães de pessoas com “uma ficha penal mais longa do que daqui até ao rio lá em baixo”, que quando falavam dos “filhinhos” amados delas, pareciam uns anjinhos.

“Mas olha que o seu filho…”
“Não, mas isso não é culpa dele. Ele é um amor, o problema são as más companhias…”(Risos)

A mãe sempre justifica o filho. A mãe sempre ama o filho como ele é, sem julgá-lo!

Outra coisa maravilhosa da mãe é que ela dá amor com uma esperança a longo prazo. Não é para hoje. Ela ama o filho a longo prazo: “Um dia ele vai entender, um dia ele vai crescer…” Mas quando é demais também estraga, precisa entrar o pai para dar uma “apertadinha”… (Risos) É o equilíbrio entre o “Ying” e o “Yang”, o Sol e a Lua. Quando tem muita severidade também estraga. É esse equilíbrio que faz com que possamos crescer e evoluir, recebendo esses dois tipos de amor.

Na Difusão, o mais importante é o amor Kannon. Amor de pai também ajuda na Difusão; às vezes é necessário, com amor, ter uma certa rigorosidade, mas se quer que a Difusão expanda, precisa amar com o amor Kannon. Era o Amor que se manifestava em Meishu-Sama e nos reverendos pioneiros da nossa Igreja. Por isso, é que a Igreja cresceu tanto naquela época.

Hoje, não por acaso, tivemos o testemunho de fé de uma mãe! Agradeço muito à senhora Luísa Cristina Magalhães Ribeiro pela sua maravilhosa experiência de fé. Como mãe, numa hora muito difícil, em que o filho chegou em casa vítima de uma agressão. Ainda mais um filho com problema de visão, terem quebrado os seus óculos, que é a mesma coisa que invalidá-lo para as suas atividades profissionais, etc. A primeira reação dela, foi ir para a frente da Imagem Consagrada de Meishu-Sama, agradecer o que tinha acontecido e materializar uma gratidão.

A reação de uma pessoa materialista, teria sido correr para a delegacia de polícia fazer uma denúncia e que o levassem para tribunal, etc. Uma pessoa violenta, por exemplo, iria lá para agredir o agressor do seu filho. Também acontecem muitos casos assim; pessoas que fazem justiça com as próprias mãos. Mas ela, seguindo a orientação de Meishu-Sama, foi para o Altar agradecer a purificação. O que é que o filho disse: “Oh mãe, acho que tu estás pior da cabeça do que a pessoa que me agrediu!” (Risos)

Parece coisa de maluco. “Estou a dizer que ele me agrediu, quebrou os meus óculos, quebrou o meu telemóvel e tu vais agradecer!? Tu não estás bem!” O filho ficou mais preocupado com ela do que com os óculos que ele não tinha! (Risos)

Tudo isso dentro de uma situação de carência material; desempregada, com o filho recém iniciado no trabalho, sem dinheiro e tendo um gasto de trezentos euros. É um gasto significativo mesmo para quem tem salário. Trezentos euros, de uma vez, desequilibra qualquer família. Ela continuou na prática da Fé, rezando, dedicando pelo filho e pelo agressor dele. Admirável para os dias de hoje, na nossa sociedade. Com esse Makoto o resultado não poderia faltar! O chefe do filho veio se oferecer para custear as despesas dos óculos; o agressor trouxe um telemóvel novinho dentro da caixa; a mãe que estava desempregada, arranjou um novo emprego e já vai começar a trabalhar amanhã! (Palmas)

Isso demostra que realmente quando nós entendemos o sofrimento como purificação e agradecemos, a gratidão nos liga a Deus. Quando nos ligamos a Deus entra Luz! Quando entra Luz queima a mácula! Quando queima a mácula, pela Lei do Espírito Precede a Matéria, o efeito é aquele que foi!

Achei muito interessante, porque ela pegou o Ensinamento de Meishu-Sama que diz: “gratidão gera gratidão” e aperfeiçoou para “gratidão gera mesmo gratidão”. Ela colocou o “mesmo”, confirmado o que Meishu-Sama nos ensina. Parabéns!

No dia da mãe, ouvirmos um testemunho assim, serve para todos nós pais, que no acto de educar os nossos filhos, não basta só darmos escola, comida, educação, etc. Temos que lhes dar sobretudo espiritualidade! Tenho certeza que, esse exemplo, essa postura de agradecer a purificação, marcará o seu filho para o resto da vida! Poderá viver quantos anos for, ele vai sempre se lembrar daquele dia em que a mãe foi para o Altar agradecer a purificação e o resultado que teve depois. Isso vai educá-lo espiritualmente para quando ele, futuramente enfrentar outras purificações (porque a vida é sempre feita de purificações para o nosso crescimento) ele vai ter a tendência de: “Ah! Espera aí, a minha mãe da outra vez fez assim! Eu também vou agradecer!”

Parabéns pelo seu exemplo que veio orientar a todos nós! Muito obrigado! (Palmas)

No Ensinamento de hoje, “As Leis Divinas e a Purificação” o último parágrafo confirma mesmo isso. Meishu-Sama nos orienta assim:

“Devemos orar pelo bem de todos. Orar somente pelo nosso bem-estar indica egocentrismo. Quando nos tornamos instrumentos efetivos do Plano Cósmico, não precisamos de nos preocupar com a nossa própria salvação.”

Infelizmente, muitas vezes colocamos a nossa Salvação em primeiro lugar e não o Plano Cósmico. Depois, quando os resultados não são os esperados, não entendemos o porquê e às vezes até dizemos: “Acho que Deus não me escuta, Deus não me ouve!” Importante verificar o nosso Sonen, o nosso sentimento, o nosso pensamento e de que forma estamos a pedir.

Agradeço muito as orações que os senhores têm feito pela Difusão na Europa. No mês passado, do dia 12 ao dia 15, estive pela primeira vez em França. Em Paris fizemos uma reunião de Dai Johrei Kai, onde nesse dia um jovem recebeu o Ohikari. No dia seguinte teve o Culto Mensal e outro jovem recebeu o Ohikari. Duas pessoas. Nos três dias que lá estive encontrei com 18 membros de vários lugares da França. Alguns até viajaram desde o Sul para poder vir a Paris receber Johrei, participar do Culto e receber orientação.

Por fim, pude também visitar a fazenda de Agricultura Natural da Koorin, onde o jovem Ronaldo Oyama, filho do Min. Paulo Oyama, sob a sua orientação e supervisão, está dando continuidade à dedicação do pai, num maravilhoso trabalho na Agricultura Natural Messiânica para Servir à sociedade francesa através da Coluna dos alimentos e produtos naturais. Agradeço as vossas orações pela Difusão Mundial e por favor continuem, porque já tem muitas outras visitas marcadas em outros países! (Palmas)

Do dia 27 de abril ao dia 1 de maio, chegando em Portugal, tive várias atividades, uma em cada dia, a começar pelo Johrei Center de Lisboa, onde junto na mesma Sede também funcionam os Núcleos de Amadora e Sintra, Margem Sul e Oeiras-Cascais. Realizámos no primeiro dia um Dai Johrei Kai, onde estiveram presentes mais de 60 pessoas e o Culto para os Antepassados, com 77 membros e 12 frequentadores. Foi maravilhoso, um dia de muita Luz, muita alegria, vejo pessoas aqui que lá estavam. Foi bom, não foi? (Sim!) Maravilhoso!

Depois, no dia seguinte, fizemos reunião na Margem Sul, onde por 3 horas fizemos Dai Johrei Kai com a presença de 13 membros, 5 frequentadores e 1 pessoa de primeira vez. De tarde, tivemos reunião em Cascais, também com Dai Johrei Kai por 2 horas com 9 membros e 1 frequentador. No dia seguinte, ainda em Lisboa, um novo Dai Johrei Kai, das 09h30 da manhã até às 17h00, ininterruptamente e onde pude ministrar mais de 50 Johrei! Foi excelente!

No dia seguinte, fui para o Núcleo da Amadora e Sintra onde tiveram 8 membros e também Johrei por 3 horas. Fiz visitas em hospitais e em casa de membros em purificação e aconteceu uma coisa interessante na última visita em Sintra, que foi na casa do casal Cajado.

O José Cajado é quem faz toda a paginação do nosso Boletim, que todos os meses recebemos, é dedicação dele, fazer toda a montagem técnica! Ele recebe as matérias, as fotografias e arruma tudo o resto! É um trabalho muito especializado, muito técnico e também difícil de encaixar tudo direitinho! Quando a gente recebe pronto parece que é fácil, mas não é! (Palmas)

Ele já há muitos anos vem realizando essa dedicação. Chegámos, fizemos a Oração, Johrei e depois ofereceram um jantar onde ele e a esposa Ana Cristina, o tempo inteiro perguntando, interessados: “Reverendo, como é que podemos fazer para melhorar a nossa dedicação? O que podemos fazer a mais para servir a Meishu-Sama?” O José também já dando novas ideias para o Boletim que eu gostaria inclusive, de compartilhar e ouvir a opinião dos senhores para saber o que acham.

Ele deu a ideia de, no Boletim, na forma eletrônica, a pessoa clica num link, pode colocar os auriculares, entra no Boletim e ao invés de estar a ler, clica e ouve; de forma que facilite a quem tenha dificuldade em ler ou quem estiver a ir para o trabalho, no comboio, etc. Ouve o Ensinamento, a Experiência de Fé e a palestra com áudio em português de Portugal, o que é que acham? Bom? (Sim)(Palmas) Este mês vamos estudar, fazer uma prova com esse Boletim que ainda não vai sair assim, mas para o Culto do Paraíso, nos comprometemos a ter já essa atualização, um “upgrade” no Boletim! (Risos) (Palmas)

Esse espírito do José Cajado e da esposa Ana Cristina, ela também purificando, para saberem como é que podiam melhorar sua Dedicação, eu aconselhando os dois a darem assistência religiosa, pois é a base da prática da Fé messiânica, cuidar de alguém que esteja a sofrer. Ou no hospital, ou em casa, em qualquer lugar!

Quando chego no hotel, olho o “WhatsApp” e tinha uma mensagem dele. Pensei: “Puxa vida! O que será que houve?” (Risos) Era uma mensagem de agradecimento. Porque eu não sabia, mas na mensagem ele dizia: “Quando o Reverendo chegou, eu estava até preocupado, porque há semanas que eu estou com uma dor na lombar, uma dor crítica. Já estou até para marcar com o fisioterapeuta e estava preocupado e envergonhado de nem conseguir sentar para receber Johrei consigo!” Ele não falou nada lá na hora que eu cheguei. “Mas depois que o Reverendo saiu da minha casa, eu me dei conta que não tinha mais dor”. Falei com ele ontem e ele continua sem dor, a dor desapareceu!

Achei maravilhoso porque foi a confirmação de que, quando nós queremos servir a Deus e Meishu-Sama, fazendo os outros felizes, preocupado em fazer os outros felizes, Deus e Meishu-Sma atuam! O Johrei foi o mesmo de outros lugares, mas o espírito era diferente! Uma coisa é querer receber egoisticamente para resolver o meu problema. Outra coisa é receber altruisticamente para, recebendo Luz, ter saúde e força para servir a Deus na Construção do Paraíso! É isso que determina o recebimento da graça. Não é só receber, é com que espírito, sentimento e objetivo recebe.

Acho que esta experiência do José Cajado, mostra para todos nós a importância de querermos sempre melhorar a nossa dedicação! Todos nós dedicamos. Na secretaria, na liturgia, em vários sectores, mas às vezes, fazendo por muito tempo a mesma dedicação ou frequentando um mesmo Núcleo, a pessoa tende a entrar na rotina. A rotina, a mesmice leva a pessoa a perder o sentimento. Isso não é só na dedicação. Acontece no trabalho, no casamento, em todas as nossas atividades. Precisamos estar sempre buscando: “O que eu posso melhorar? Como é que eu posso crescer? O que é que eu posso aperfeiçoar? Como eu posso fazer as pessoas mais felizes através disso que estou a fazer?”

Por último e não por isso menos importante, no dia 1 de maio entronizamos pela 2ª vez, ou seja, foi uma reentronização do Altar da família do Min. Paulo Cantuaria que abriu a sua casa como Núcleo de Johrei na Figueira da Foz! (Palmas) O casal Cantuaria nos honrou com mais um Núcleo de Johrei e acredito que por ter sido no dia 1 de maio, dia do trabalhador, eles vão trabalhar bastante! (Risos) Isso foi um pré-anuncio de uma grande expansão. Por favor contem connosco e parabéns!

No mês de fevereiro e só estou mostrando agora porque recebi ontem, no “Jornal Shinsei” da nossa Igreja no Japão, foi publicada uma reportagem sobre a Difusão Mundial, onde publicaram o projeto da nossa Sede de Portugal, as atividades de Flor de Luz, tem nossas fotografias, dizendo em rápidas palavras que Portugal é a Sede da expansão da Difusão na Europa e tem desenvolvido muitas atividades! (Palmas) Estará à disposição dos senhores que quiserem ler! (Risos) (O “Jornal Shinsei” é em japonês)

Ontem, realizamos o nosso Seminário Nacional de preparação para o Culto do Paraíso Terrestre! Foi maravilhoso e com a presença de 64 membros de 10 unidades diferentes de todo o país. Destes, 34 dormiram nos alojamentos da Sede Central e 15 dormiram fora para hoje cedo estarem aqui. Foi um dia muito intenso, com várias atividades desde de manhã. Tivemos a aula maravilhosa da Min. Tânia Mello, sobre o Revmo. Shibui! (Palmas)

Depois foram perguntas e respostas que tive a oportunidade de compartilhar com os membros alguns Ensinamentos sobre o tema. Seguidamente realizou-se o Dai Johrei Kai, como já habitual na véspera do Culto e uma vivência de Ikebana em homenagem à mãe. Escreveram as suas cartinhas, foi emocionante! Para as mães que já se encontram no Mundo Espiritual, as cartas foram colocadas no Altar e fizemos oração para entregar a elas onde elas se encontram. Agradeço às professoras que dedicaram ontem, prof. Harue e prof. Sueli, (Palmas) que com muito sentimento, colocaram todo o espírito materno delas que impregnou a todos nós e que ficamos muito emocionados! Foi um dia muito emocionante e maravilhoso!

Ontem também, dando continuidade ao trabalho de expansão de Coimbra, teve uma outorga, da senhora Raquel da Silva Raimundo Lameiras, aqui presente. (Palmas) A senhora Raquel e sua família estão a passar por uma purificação muito severa, pois o seu filho de apenas 20 anos, sofreu um grave acidente automobilístico e há 4 meses está internado aqui no hospital. O jovem Gustavo Raimundo Fernandes, que eu peço a todos que orem por ele e pela família para que recebam Luz e tenham forças para superar esta purificação, que não é um momento fácil para a família, muito menos para uma mãe! Mas, acredito, que recebendo Johrei e o nosso amor, o jovem Gustavo, que já tem tido alguns progressos significativos, com a oração de todos, ele vai estar em breve aqui connosco! (Palmas)

Ontem estudamos a vida do Revmo. Shibui, que para a nossa Igreja Izunome, foi o principal servidor de Meishu-Sama! Na época de Meishu-Sama existiam várias Igrejas, cada uma com o seu Reverendíssimo responsável e da nossa Igreja foi o Reverendíssimo Shibui, que foi o maior difusor da Igreja no Japão, na época de Meishu-Sama.

Foi a Igreja que mais angariou fundos para Meishu-Sama construir os Solos Sagrados e ele era uma pessoa verdadeiramente especial! Primeiro, porque ele falava muito pouco e a sua dedicação se baseava principalmente no Johrei e depois, razão de viver dele era servir com Makoto a Meishu-Sama, deixar Meishu-Sama feliz! Bastava que ele soubesse que Meishu-Sama desejasse alguma coisa, construir algo ou comprar uma obra de arte; enquanto ele não criasse os meios para que Meishu-Sama realizasse a Sua vontade, ele não descansava!

Esse seu sentimento de Servir era elevado à enésima potência, ao ponto de, quando ele ia encontrar-se com Meishu-Sama, por mais bem vestido que estivesse, ele punha um avental, o que deixava toda a gente espantada e quando o interrogavam sobre isso ele dizia que queria que Meishu-Sama soubesse que ele era Seu servo! Essa era a forma que ele tinha de confirmar com ele mesmo, esse seu espírito de incondicionalmente servir a Meishu-Sama! Das formas mais amplas possíveis e em todos os campos; fosse no encaminhamento de novos membros, fosse na angariação de donativos para as construções e Meishu-Sama reconhecia esse espírito e esforço do Revmo. Shibui!

Uma coisa que sempre me tocou muito, foi que, quando Meishu-Sama sabia que o Revmo. Shibui tinha chegado no Solo Sagrado, ficava alegre, muito bem-disposto, porque sabia que quando o Revmo. Shibui chegava, chegavam com ele muitos pedidos de Ohikari, muitos pedidos de caligrafias e de Imagens de Kannon, etc. O Revmo. Shibui depois oferecia aos membros e recolhia as ofertas para trazer a Meishu-Sama.

Ele era uma pessoa importante para Meishu-Sama e Meishu-Sama demonstrava isso. Essa alegria que Meishu-Sama sentia quando tomava conhecimento que o Rev.mo Shibui tinha chegado no Solo Sagrado, tocou-me profundamente, porque me perguntei: “Será que quando eu chego na Igreja, de manhã, Meishu-Sama fica contente porque eu cheguei? O que tenho que fazer para que Meishu-Sama fique feliz quando eu chego na Igreja?”

Estudando a vida do Revmo. Shibui, a primeira coisa que constatamos é que tudo o que ele fazia era impregnado de Makoto; essa era a sua característica principal! O Makoto com que ele fazia difusão fazia a diferença; não era a técnica, a estrategia, mas o Makoto. Ele foi quem formou o Revmo. Katsuiti Watanabe, pai do Revmo.Tetsuo Watanabe, portanto, toda essa linha de difusão nasceu da formação dada pelo Revmo. Shibui.

Um dia, quando era seminarista, ouvi de um membro pioneiro do Japão, uma coisa muito interessante; ele tinha conhecido todas os grandes reverendos daquela época: “Tinha o Rev. fulano, beltrano, tinha o cicrano, que era um grande orador, muito culto, adorava ouvi-lo” Depois perguntei: “Como era Revmo. Shibui?” Ele respondeu “O Revmo. Shibui falava pouco e mal!” Aquilo foi um choque para mim… Mas depois disse: “É verdade! Ele falava pouquíssimo, quase não fazia palestras, mas quando ele falava, o pouco que fosse, quando acabava, todos nós estávamos chorando, emocionados, desejando entregar a nossa vida para servir a Meishu-Sama! Mesmo sem ter entendido bem o que ele tinha dito, estávamos com o coração unido a Meishu-Sama!”

Ou seja, dá para entender o que é a força espiritual que nasce do Makoto, no servir as pessoas para serem felizes em nome de Deus e Meishu-Sama; é essa força que nós temos que buscar na difusão.

A esse propósito, o nosso Presidente mundial Rev. Kobayashi, este mês no Solo Sagrado de Atami, contou uma experiência de quando ele era jovem Ministro. Ele desejava formar muitos membros, por isso, esforçava-se para explicar bem a Fé, para dizer as coisas com linguagem que todos entendessem; até ao dia em que ele leu uma reminiscência onde Meishu-Sama orientava um ministro: “Quando a pessoa recebe Johrei, a atuação do espírito primordial se revigora. (…) nem é preciso ficar ouvindo sermões enfadonhos; basta receber Johrei e o espírito primordial começa a atuar naturalmente. A alma é purificada, despertando na pessoa a vontade de salvar o próximo e ela mesma se torna feliz.”

Essa reminiscência mudou a vida missionária do Rev. Kobayashi pois ele entendeu que não tinha que dar grandes explicações, mas sim buscar um Johrei que despertasse a alma das pessoas, para fazer o próximo feliz, porque só fazendo o próximo feliz, elas seriam felizes.

Muitas vezes nós limitamos a atuação do Johrei, como instrumento para a solução do problema da pessoa; mas mesmo que, através do Johrei, a pessoa resolva o seu problema, se ela não despertar para fazer os outros felizes, ela vai resolver o problema, não vai fazer os outros felizes e não vai ser feliz, mesmo com o problema resolvido…(Risos) Passado pouco tempo ela vem pedir novamente Johrei para ajudar a resolver outro problema… Ela vai passar a vida inteira a buscar soluções para vários problemas, quando o único e verdadeiro problema, é que ela não se dedica para fazer ninguém feliz! Estes são os maiores problemas da humanidade: o egoísmo e o apego! Ou seja, viver para fazer a si mesmo e quando muito a sua família feliz…

Conforme Meishu-Sama nos orientou, a missão do Johrei é revigorar o espírito, despertar a alma, para cumprir a sua missão de fazer os outros felizes! É buscando esse nível de Johrei que desenvolveremos a verdadeira Obra de Salvação!

Nós vamos agora preparar o Culto do Paraíso Terrestre, que vamos realizar aqui na casa de Meishu-Sama no dia 10 de junho, tradicionalmente no dia de Portugal. Preparámos como todos os anos, um formulário, que depois todos receberão nas respectivas unidades e estudarão o preenchimento junto com os vossos ministros.

Como nós sabemos, do dia 4 de fevereiro ao dia 15 de junho, temos este período de purificação, de queima das máculas espirituais, para no 15 de junho aumentar a Luz! Já que nós estamos a preparar para essa data, é importante que o nosso espírito esteja em sintonia com essa Luz maior e em sintonia com Meishu-Sama, para que quando essa Luz aumentar, nós sejamos melhores instrumentos da Sua canalização, para o maior número de pessoas!

Não basta só a Luz aumentar, se nós, como instrumentos da Sua canalização, estivermos com o nosso canal fechado. A Luz não passa! Podemos ter a luz elétrica que tivermos, mas se a lâmpada for de 20 watts, 20 watts é o que ela vai iluminar; se quisermos mais Luz, vamos ter que arranjar uma lâmpada mais potente, 100, 150 ou 500 watts. A Luz de Deus é sempre a mesma, o canal, a potência, é que muda, conforme o exemplo do Revmo. Shibui.

Os ministros estão portadores do “PowerPoint” preparado pela Min. Tânia; no seu Johrei Center e Núcleos de Johrei, vão apresentar aos membros, vão estudar a vida do Revmo. Shibui, como o nosso exemplo de servidor do Salvador, para que cada um de nós se torne também um pequeno “Shibui”, salvando muitas pessoas!

Com esse espírito, gostaria que todos durante este mês nos preparássemos para receber o 15 de junho com a máxima força, amor, coragem e determinação que Meishu-Sama merece de todos nós, Seus servidores!

Muito obrigado e um bom mês a todos!

Comentários não disponíveis.