Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Janeiro 2019

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – JANEIRO 2019

Bom dia a todos!

(Bom dia!)

Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)

Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!

Gostaria de iniciar as minhas palavras, agradecendo do fundo do coração, a vossa sincera dedicação que nos permite expandir cada vez mais a Obra Divina de Salvação de Deus e Meishu-Sama aqui em Portugal! Muito obrigado! (Palmas)

Feliz 2019 a todos! (Palmas)

Hoje é o Dia de Reis. A Epifania. Desejo uma boa Epifania a todos! Da mesma forma que os Reis Magos trouxeram os presentes, que todos os senhores recebam muitas dádivas e amor de Deus e Meishu-Sama. (Palmas)

Quem está a vir hoje pela primeira vez, pode levantar a mão? Sejam muito bem-vindos e que essa seja a primeira de muitas outras visitas! (Palmas)

Também estamos a receber membros das seguintes Unidades Religiosas: Margem Sul, Lisboa, Amadora e Sintra, Ribatejo, Amarante, Braga, Porto, Aveiro e Coimbra! (Palmas)

Da vizinha Espanha, estamos a receber a senhora Yuri Joana Valência Gomes; de Angola, a senhora Iracema Santos de Araújo e do Brasil, mais concretamente de Brasília, um casal de missionários: a senhora Luciana Alves de Oliveira e o senhor Antônio Carlos Coutinho. É uma honra estar a recebê-los na nossa Igreja! Sejam sempre muito bem-vindos! (Palmas)

Ano Novo, Nave Nova! (Palmas) Quem mais gostou da nave aqui, sabem quem foi? Foi o rio Mondego! (Risos) Sempre que eu viro para lá para dar Johrei Coletivo, ele recebe Luz e fica muito feliz. (Risos)

Como eu falei no Culto do Natalício, buscando sonhar com a nossa Sede Central maravilhosa e desejando proporcionar aos senhores, instalações mais confortáveis e agradáveis, pensámos em trazer desde já, a nave aqui para cima. Primeiro, porque tem a luz do Sol; segundo porque é mais quentinho e terceiro porque é muito mais bonita a vista! É também uma nave de luxo, porque é a primeira vez que eu vejo uma nave com lareira! Realmente é uma coisa fora de série! (Risos) (Palmas)

Sendo um Altar provisório e itinerante, nos facilita modificar o local conforme a necessidade. Isso não quer dizer que amanhã, fazendo um Culto maior, não possamos transportar o Altar para um outro local. Somos livres, enquanto não tivermos a nave definitiva construída.

Outro dos motivos de trazermos a nave para cima, foi a experiência da Inês no mês passado. Ao limpar aqui, onde vai ser o Altar permanente dos Antepassados, pensando neles, ela recebeu as mensagens do filho com as fotos dos seus Antepassados. Por isso, imaginei que fosse um desejo dos Antepassados de todos os membros e que já começássemos a impregnar de amor e gratidão este espaço onde será o futuro Altar e nave permanente.

A busca constante de como melhor Servir a Deus, a Meishu-Sama, aos Antepassados, aos membros e frequentadores, tem que ser a tónica do nosso servir! Essa preocupação permanente: “O que é que eu posso fazer de melhor? Com qual sentimento eu posso servir melhor ao próximo? Qual é o espírito messiânico que deve nortear todas as nossas atividades, desde aquelas menores, aparentemente menos importantes, até às maiores, como o Culto Mensal da Sede?” Na verdade, sejam as grandes ou as pequenas, são todas importantes porque é o conjunto que faz o sucesso!

Meishu-Sama tem um poema que diz: “Mesmo quem tem grandes objetivos, não deve menosprezar as coisas pequenas”. É com atenção às coisas pequenas que nós ganhamos Luz e força para as coisas grandes.

No Ensinamento de hoje, Meishu-Sama fala sobre a construção: “Todas as coisas relacionadas a Deus realizam-se através de uma ‘forma’. Quando ocorre, por exemplo, a ampliação ou a criação de algum lugar ou alguma coisa, a Obra Divina também cresce e amplia-se proporcionalmente. Quanto maior for sua ampliação, maior será a amplitude da Obra Divina que elas desenvolvem. Esse vem a ser o sentido da forma. Até hoje, tinha-se como princípio a salvação de todos os seres vivos, mas na Igreja Messiânica Mundial o essencial é a construção do Paraíso Terrestre. Assim, como a essência da nossa Igreja está estabelecida dessa maneira, devemos também desenvolver a construção material.”

O que tem a ver a construção material com a construção espiritual? Na busca da realização material, é que nós precisamos desenvolver a parte espiritual. Sem o crescimento espiritual, não se realiza a construção material. Sem o esforço para a construção material, não gera o esforço para o crescimento espiritual. Como se fossem as duas rodas de uma carroça. Quem busca só o desenvolvimento material sem o proporcional desenvolvimento espiritual, não progride. Essa construção se dá em duas fases: uma fora de nós e outra dentro de nós.

A experiência de fé maravilhosa que ouvimos hoje da senhora Luísa Cristina Magalhães Ribeiro, demostra verdadeiramente como essa Obra se realiza dentro de nós. Ela, de uma forma muito curiosa, conheceu a Igreja num café. Muitas pessoas desprezam e criticam quem frequenta os cafés, pois se pensa logo que é uma perda de tempo, só coscuvilhices, etc. Isso, é para mostrar que Deus não tem preconceito e nem limite para a salvação! Deus e Meishu-Sama atuam em qualquer lugar e de qualquer forma! Essa amiga frequentadora, tinha alguma dificuldade de manejar o telemóvel; pessoas com uma certa idade, como eu, têm dificuldade com essas tecnologias…(Risos) Os jovens brincam com essas coisas, mas a gente, às vezes, fica meio atrapalhado…(Risos) A amiga pedia para a Cristina abrir e ler as mensagens de Luz e ao lê-las, sentia que algo mexia dentro dela.

Essas mensagens de Luz, há oito anos atrás, eu comecei na Itália (na época eram apenas as “SMS” ainda não existia o “WhatsApp” e essas coisas modernas…) a escrever todos os dias mensagens de Luz e enviar aos membros. Com qual objetivo? De que as pessoas, logo de manhã, ao lê-las, recebessem Luz através dos olhos. Porque Meishu-Sama diz que, a leitura do Ensinamento é como receber Johrei através das letras. Eu pedia ajuda, especialmente aos jovens, que têm muita facilidade com essas coisas, de transcrever Ensinamentos e me ajudar na distribuição.

Essa ideia na verdade, surgiu num Culto que, durante a palestra, tinha no fundo da sala, um jovem a mexer constantemente no telemóvel e confesso que me deixou muito irritado pela falta de respeito. Mas daí eu pensei: “Como é que eu posso transformar esse defeito em virtude, já que ele não consegue desgrudar do telemóvel?” Falei: “Bom, já que gostas tanto disso, vou pedir-te para me ajudares a mandar as Mensagens de Luz!”. Foi daí que surgiu.

Depois, ao vir para Portugal, comecei aqui também em português, a enviar para os Ministros; na Espanha também através do Min. Leonardo traduzido para espanhol e hoje eu participo em mais de 20 grupos e já não aguento mais para falar a verdade…(Risos) Além das que são enviadas individualmente, enfim, são milhares de pessoas atualmente, nos cinco continentes, que estão recebendo essas mensagens. A Cristina não é o primeiro caso, pois já houve outros casos de pessoas que foram encaminhadas através das Mensagens de Luz.

Como ela diz mesmo: “Eu era uma pessoa muito agitada, fria, impaciente, conflituosa e indiferente aos problemas do meu próximo”. Ou seja, o que que ela era? Uma pessoa normal de hoje em dia na sociedade…(Risos) Mas, recebendo Luz através das mensagens, algo mexeu dentro e se sentiu atraída. Através disso, dá para se perceber o poder que tem o Ensinamento de Meishu-Sama! Uma frase curtinha quando penetra na alma, desperta-a de dentro para fora e apesar de ser daquela forma, se sentiu atraída para a Luz. Quando a Luz penetra na alma desperta a centelha Divina e ela sente vontade de receber o quê? Mais Luz! Quis ir na Igreja e teve um segundo factor fundamental: ela se sentiu bem! Quem a recebeu disse para ela simplesmente: “Junte as mãos e peça permissão para receber a Luz de Deus” não deu uma aula de princípios messiânicos, foi uma coisa simples e foi bem recebida.

Se os senhores prestarem atenção, em vários testemunhos de fé, uma frase recorrente é: “fui bem recebida!” Quem é bem recebido, onde quer que seja, deseja voltar. Isso é próprio da natureza humana. Se a pessoa é recebida com indiferença ou às vezes até mal recebida com a cara emburrada, ela não deseja voltar. Mas como foi bem recebida, quis voltar e aos poucos se integrou no grupo. Isso é um grande ensinamento e uma grande responsabilidade para nós.

Quando estamos nas nossas Igrejas, no Johrei Center, por mais ocupado que estejamos, devemos largar tudo e ir receber com amor e carinho a pessoa que está a chegar. Dá um beijo, dá um abraço; se for num dia muito quente, oferecer um copo de água fresco, dar Johrei, se preocupar em qual é o problema da pessoa, ir no Altar e fazer uma oração com ela. “Não, agora eu estou ocupado, estou fazendo isto e aquilo, agora eu não posso”. Seja o que for, pode esperar. O prioritário na Obra Divina é o ser humano que foi mandado por Deus, Meishu-Sama e pelos Antepassados.

Depois passou algum tempo, recebeu Ohikari e entrou em purificação. Já desde criança que sofria do intestino e repurificou. Sinal de que ainda tinha algumas toxinas para serem eliminadas. Quando ela repurificou, duas coisas importantes aconteceram. A primeira, ela teve a força de vontade de, mesmo estando mal, às terças e quintas levantar e ir nos Núcleos de Johrei. O que às vezes acontece é que a pessoa purificando, se acomoda. Nos dias que ela não ia, o grupo se mobilizava e dava assistência em sua casa. Dois fatores fundamentais.

Só que ela, já era uma pessoa elegante, perdendo 20 kg de repente, ficou assustada! Se eu perco 20kg, fico feliz e nem ninguém nota…(Risos) Mas ela ficou apavorada, desesperada: “Será que eu vou morrer?!” Quando a pessoa fica com medo de morrer, pensa e reflete em coisas que normalmente não pensa e nem reflete, que é o “valor da vida”. Enquanto nós temos saúde, nós não pensamos nisso. Pensamos só em aproveitar, passear, comer, beber, etc.

Teve tanto medo que até pensou: “Será que eu não sou útil na Obra Divina?” – “Eu não quero partir porque sinto que neste mundo ainda tenho uma missão!” Lembrei daquele Ensinamento, que Meishu-Sama fala do Mestre Takuan: “Eu não quero morrer de maneira alguma!”. Imaginem o medo que ela estava! No final, ela falou uma frase linda: “Deus e Meishu-Sama, utilizem-me como vossa serva!”. Essa frase me lembrou o Revmo. Shibui Sossai, que foi no meu conceito, o maior discípulo que Meishu-Sama teve; foi o Mestre do Revmo. Katsuiti Watanabe, pai do Revmo. Tetsuo Watanabe. Quando ia encontrar com Meishu-Sama, apesar de ser chefe de uma das maiores Igrejas no Japão, se não a maior, mesmo bem vestido, com a melhor roupa que tinha, ele colocava um avental de cozinha em cima da roupa e ia encontrar com Meishu-Sama. Os outros Reverendos diziam: “Você está maluco? Vai se apresentar lá de avental?”. “Sim, eu vou de avental porque eu quero que Ele saiba que eu sou o Seu servo!”. Esse sentimento de servir sendo servo. Servo, é aquele que está incondicionalmente à disposição para fazer o que é preciso.

De seguida ela diz assim: “Meishu-Sama atendeu ao meu pedido!” Mas não é o pedido de curar a doença, é pedido de se tornar Sua serva para servi-Lo no que precisar! Ela continuou a dedicar e foi recuperando a saúde. Levou mais ou menos um ano, não foi de uma hora para outra, porque com certeza, tinha ainda muitas toxinas para serem eliminadas e depois disso o que aconteceu? Ela foi encaminhando pessoas também com sofrimentos, dez pessoas; duas já se tornaram membros graças ao seu acompanhamento!

Em tudo isso existem pontos fundamentais: Primeiro, a divulgação através das mensagens e das flores de Luz; Segundo, a receção calorosa; Terceiro, o acompanhamento que ela teve. Acompanhar uma pessoa purificando por um ano, é difícil. Uma vez ou outra, ainda dá, mas você acompanhar alguém em purificação severa por um ano, assiduamente, é realmente difícil.

Falando em acompanhamento, lembro-me sempre da orientação do saudoso Rev. Francisco Jésus Fernandes que constantemente dizia: “Ao dar assistência a uma pessoa, nós devemos nos debruçar na dor e no sofrimento dela.” Mas o que é se debruçar? É ir para cima, não é ficar de longe, destacado. Quando você se debruça, se torna uno com a pessoa. É extremamente difícil se debruçar sobre o sofrimento dos outros.

Para ela ter conseguido ter tido este acompanhamento, é porque o grupo todo, a começar pela responsável, se debruçaram sobre o sofrimento dela. O maravilhoso é que ela tendo tido esse exemplo de formação, com certeza, entre essas pessoas que ela encaminha, também se debruça sobre os seus sofrimentos.

Cada um faz o que recebe, cada um dá o que tem. Às vezes, na vida nós sofremos por esperar de alguém algo que ele não tem para nos dar, seja familiar, parente, amigo ou ministro! É um sofrimento que não tem fim, quando você espera de alguém algo que ele não tem para te dar. Tendo recebido, ela naturalmente passa a dar. Esse estado crescente de dar e receber amor, permitiu a sua formação. Desde o início, ainda como frequentadora ela foi orientada a fazer a gratidão diária, a fazer as Flores de Luz e distribuí-las e a enviar as Mensagens de Luz para as outras pessoas. Isso é formação! Da mesma forma que você recebe um filho e lhe dá formação, os frequentadores são nossos filhos espirituais.

Que formação eu vou dar para eles? Ensinar a ter e manifestar gratidão, ser altruísta, dedicar, participar dos Cultos, ler e praticar os Ensinamentos, etc. Não é obrigar, é ensinar com amor. Por vezes no formar alguém, a pessoa desanima: já falei tantas vezes, não me ouve! Aos nossos filhos quantas vezes ensinamos a mesma coisa? Perdi a conta de quantas vezes a minha mãe me disse: “Vai lavar os dentes!” – “Já tomou banho?” – “Já fez os trabalhos de casa?”, milhares de vezes incansavelmente.

Esse amor materno é que temos que ter no acompanhamento com as pessoas. Não para aborrecer, para obrigar, mas com a esperança que, um dia, ele vai ouvir-me. (Risos) Não é assim que a gente faz com os filhos? “Um dia ele vai-me ouvir. Um dia ele vai crescer”. Mesmo que agora não goste muito, um dia ele vai-me agradecer, não é assim? (Sim) Meu pai dizia-me muitas vezes: “Agora não gostas, mas quando fores homem, vais-me agradecer!” Realmente, hoje eu agradeço! Porque me ensinou o que era certo e o que era errado, deu-me os parâmetros da vida, transmitiu-me valores. Na fé é a mesma coisa!

Hoje estamos aqui reunidos neste local que é a Sede Central e acredito que a reforma da Sede, irá realizar-se mais ou menos rapidamente, na proporção que crescer o número de pessoas que tenham este amor por outras pessoas! Vai ser o fruto desta qualificação de reunir tantas pessoas que tenham esse amor de querer salvar outras pessoas, com esse acompanhamento.

O núcleo de Amarante é um núcleo numericamente pequeno, mas no ano passado, em formação de novos membros, só perdeu para outra unidade que tem o dobro de membros que eles têm. Isso é significativo, não que estejamos perseguindo números, mas os números são o resultado de um trabalho feito. Ninguém está buscando números, estamos buscando salvação, milagres, pessoas felizes.

Neste início de ano, gostaria de, juntamente com todos os senhores, criar esse objetivo de desenvolver essas duas rodas do carro: uma, de vir na Sede Central receber Luz, receber força, dedicar na casa de Meishu-Sama e depois, essa Luz, essa energia, esse amor, essa vibração, levar para as unidades e desenvolver esse tipo de atividade.

Tem que fazer essa sanfona: vir, receber a Luz, ganhar força, determinação de salvar as pessoas e voltar para a unidade e em grupo, desenvolver esse tipo de atividade para atingir esse tipo de resultado e formar muitas pessoas felizes como ela se sente hoje.

Conforme conseguirmos fazer essa “sanfona”, de vir buscar e levar a Luz, a difusão vai crescendo e a materialização da Obra, vai ser uma consequência natural porque pessoas felizes, vão agradecer e pessoas que agradecem geram gratidão, o que vai permitir desenvolver todos os trabalhos.

Hoje temos esta parede que divide os dois lados da nave e com a permissão de Meishu-Sama, vamos rezar bastante este mês para ver se a parede cai! (Risos) Já estamos planejando colocar um arco para termos mais conforto e aos poucos, caminhando espiritual e materialmente, nos encaminharmos para a concretização do amor, do objetivo de Deus e Meishu-Sama, para a salvação de Portugal.

Muito obrigado e um bom mês a todos! (Palmas)

Comentários não disponíveis.