Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Janeiro 2018

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – JANEIRO 2018

Bom dia a todos!
(Bom dia!)
Os senhores estão a passar bem?
(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)
Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!

Quero iniciar as minhas palavras por agradecer a todos os senhores, do fundo do meu coração, pela vossa sincera dedicação, que nos possibilita expandir a Obra de Salvação Messiânica aqui em Portugal e desejar a todos os que ainda não vi, um bom Ano Novo. Feliz 2018! (Palmas)

Quem está a vir pela primeira vez, pode levantar a mão? Sejam muito bem-vindos! (Palmas) É uma honra estar a recebe-los no primeiro Culto Mensal do ano. Esperamos que esta seja a primeira de muitas outras visitas. Muito obrigado!

Estamos também a receber membros de outras unidades do país: Algarve, Amadora-Sintra, Margem Sul, Coimbra, Aveiro, Vila Real, Amarante, Braga e naturalmente Porto e Gaia. Também estamos a receber, do exterior, membros de Itália e do Brasil. Bem-vindos! (Palmas) E o nosso velho amigo, Ministro Eduardo de Souza Neto, responsável da Igreja no Reino Unido, que nos presenteou com esta maravilhosa experiência de fé. Muito obrigado! (Palmas)

Hoje também tivemos outro presente que foi ouvir a maravilhosa Mensagem de Ano Novo do nosso querido Líder Espiritual Kyoshu-Sama, que será publicada no nosso Boletim Informativo. Devemos todos estudar, aprofundar, para que seja a bússola que vai nortear a nossa dedicação durante este ano.

A esse propósito, não posso deixar de comentar um facto de que todos os senhores já sabem. Nos últimos dias os meios de comunicação (WhatsApp, Facebook, blogues, etc.) foram inundados de mensagens e informações de todos os tipos, cartas de um, cartas de outro, etc… Isso gerou desconforto e tristeza em todos nós. Porque se trata de uma purificação no vértice máximo da nossa instituição. Mas o que eu gostaria é de, como representante de Deus e Meishu-Sama e Presidente das Igrejas de Portugal, Espanha, Itália e também responsável do Núcleo de Riddes, na Suíça, deixar claro a quem deseja saber, que as nossas Igrejas repudiam veementemente, desde o primeiro momento, todas as espionagens que foram feitas quanto à pessoa e à família do nosso amado Líder Espiritual Kyoshu-Sama. Foi um facto realmente desprezível, que todos nós desde o primeiro momento (os ministros da Expansão são testemunhas, nas nossas reuniões) ficámos indignados com aqueles factos, não condividimos aquelas ações em relação a ninguém, muito menos ao nosso Líder, uma coisa com que qualquer pessoa ficaria indignada na sua vida privada. E aproveito para confirmar, para quem tivesse dúvida, que nas nossas Igrejas estamos a seguir a palavra do Líder Espiritual Kyoshu-Sama, para quem eu peço uma calorosa salva de palmas! (Palmas)

Nós ministros, nunca tivemos dúvidas disso, mas como houve essa informação, então é bom ficar claro, para alguém que, mal-intencionado, possa querer levantar suspeitas sobre o que quer que seja.

Inclusive, houve uma situação muito interessante de uma senhora missionária, responsável de um núcleo, que ao receber uma dessas mensagens me mandou: “Olhe Reverendo, está a circular esta mensagem entre os membros. Estou mandando para o seu conhecimento”. Aí, eu mandei uma mensagem para ela perguntando: “O que é que a senhora pensa disso? O que é que a senhora está a achar disso?” Ela respondeu: “Eu não dou crédito a mensagens ou blogues que a pessoa que escreve não assina. Porque quem tem honra e carácter, ao dizer algo, mostra a cara e assina em baixo. Eu coloco em dúvida a boa fé dessas pessoas, que estão a divulgar essas coisas para criar desânimo e divisões na Igreja”. (Palmas)

Quem trabalha para dividir não está a trabalhar para Deus! Quem trabalha para Deus, trabalha para unir, para fortalecer e não para dividir. Portanto, eu peço aos senhores que por favor estejam centralizados no Líder Espiritual Kyoshu-Sama e em Meishu-Sama, obviamente, e não fiquem perdendo tempo… vamos dedicar, vamos ministrar Johrei, vamos ler Ensinamentos, vamos fazer coisas que nos vão fazer evoluir espiritualmente, é muito melhor do que fazer fofoca ou querer ser o mais informado: “Você sabe da última? Você viu a última? Tem uma carta nova lá no blogue…”. (Risos) Pelo amor de Deus! Eu não tenho tempo para essas coisas. Eu já estou centralizado em Kyoshu-Sama, já estou a trabalhar para Deus e Meishu-Sama. O resto é fofoquinha e eu não tenho tempo para isso. Vamos subir um pouquinho o nível e entrar no Paraíso que não tem nada disso. Então, por favor, pediria a todos os membros, que quem tem dúvidas, quem gostaria de esclarecimentos, falassem com quem de direito, ou seja, com os seus ministros ou comigo, estou à disposição para esclarecer qualquer pergunta. Ontem mesmo estive bastante tempo a conversar com uma missionária.

Não temos nada para esconder, não temos nada a temer, não devemos nada para ninguém. Muito antes pelo contrário, estamos firmes. Mais firmes e fortes do que nunca e acreditamos que as purificações vêm para através da limpeza, fazer-nos crescer. Assim como o nosso corpo também precisa purificar para tirar as impurezas, o que está errado, as organizações também acumulam “toxinas”. Somos humanos! Triste seria se não purificássemos! “Ah, mas que horrível!” Não tem nada de horrível! Todas as pessoas, quando têm toxinas, têm febre, espirram, sai catarro, sai um monte de “sujeira”. As organizações também precisam limpar, precisam saber corrigir-se, precisam realinhar-se com Deus, porque são compostas por seres humanos. Então, não vejo nada de errado, nada de anormal, nada de assombroso! Eu vejo como um processo natural, que faz parte. Que a cada X tempo é preciso fazer uma limpeza e se faz! Os senhores não acham assim? (Palmas)

Regressando a esta maravilhosa experiência de hoje, da senhora Amie Mui Lee, que inclusive conhecemos porque participou da nossa Caravana para Angola. Como sempre digo, os testemunhos de fé são um “Kata”, são uma forma, um modelo que Deus utiliza para ensinar-nos algo. E se neste mês de janeiro recebemos de Meishu-Sama esta experiência, ela pode servir-nos para o ano inteiro. A situação que ela viveu, de insegurança como empresária, num momento crítico que é a véspera do dia mais importante de trabalho, que é o sábado, onde correria o risco de ter o prejuízo de milhares de Libras, que é muito mais do que milhares de Euros porque a Libra vale mais que o Euro. Foi consultar o ministro esperando que ele dissesse: “Não tem problema Amie Mui Lee. Vai lá resolver o teu problema e faz o Workshop outro dia. Tudo bem!” Mas graças a Deus ele teve o amor e a firmeza para orientá-la a fortalecer a sua fé. É nesses momentos que os bons orientadores, sejam eles ministros, missionários ou até membros que acompanham outros membros, não podem ter medo de, com amor e firmeza, dar a formação certa para encaminhar a pessoa para Deus. É nesses momentos de desafio que a pessoa se forma e se torna adulta na fé. Mas às vezes por insegurança, às vezes achando que vai que depois dá prejuízo e ela volta para me cobrar. Ele, sem medo, com amor e rigorosidade, deu a orientação correta que Meishu-Sama daria: “Coloque Deus em primeiro lugar!” Ela, com insegurança, com dúvida, “será que vai dar certo?”, mas foi obediente. Esse é o segundo ponto que acho fundamental nessa experiência! O primeiro, o amor rigoroso dele para salvá-la, o segundo a obediência dela.

Porque ela podia pensar: “Ele está a dizer isso porque não é ele o dono do restaurante e não é ele que vai ter prejuízo!”. Podia pensar isso e dizer: “Não, não, o senhor me perdoe, mas desmarque tudo porque tenho que resolver o meu problema!”

Mas ela foi obediente. Isso também é muito difícil para todos nós. Não é só para os membros que é difícil ser obediente. Para os Ministros e os Reverendo também é difícil ser obediente! Quanto mais sobe o nível, é mais difícil! Não é assim? (Sim) Como é difícil obedecer! Porquê? Porque quanto mais se cresce, mais forte fica o ego (Ga). (Risos)

Mas isso tudo faz parte do nosso crescimento, da nossa evolução. Reconhecer essa dificuldade da obediência ao Ensinamento é o primeiro passo para conseguir ter a obediência e seguir o caminho certo sem medo!

Esta experiência é maravilhosa! No caso dela, foi a dificuldade em relação à parte económica. Outra pessoa vai ser a dificuldade em relação à saúde. Outra vai ser a dificuldade em relação ao conflito. Cada um tem a sua dificuldade de ser obediente em algum ponto. Às vezes a pessoa é muito obediente numa coisa, geralmente aquela que ela gosta de fazer e depois aquela que ela não gosta diz: “Ah, isso não!” (Risos) Porque ali vai mexer na “ferida”. Mexer no quê? No ego! Às vezes temos o ego forte numa coisa, mas na outra não. Cada um se conhece. Então é importante, neste início de ano, cada um definir onde precisa se desafiar para o seu próprio crescimento; onde não obedecia ao Ensinamento e precisa começar a obedecer! Já sabemos, não é preciso ninguém nos dizer. Todos nós já conhecemos o nosso “calcanhar de Aquiles”. Aí é que nós precisamos trabalhar e aí é que Deus nos vai apresentar situações. Prova disso é que o Ministro Eduardo nos contou que depois dessa situação, numa outra oportunidade, ela teve um outro problema e veio de novo falar com ele: “Ministro…”. Era uma situação muito parecida a essa outra. Aí ele virou para ela: “Amiga, tu já não viveste essa situação?” E ela respondeu: “É eu sei, mas eu queria saber…”. Quer dizer, ela mesmo sabendo foi na esperança que ele, desta vez, fosse concordar com ela. – “Eu nem te vou orientar. A tua própria experiência já diz!” – “Está bom, está bom! Já sei o que é que tenho que fazer!”

Ainda foi tentar ter uma recaída. (Risos)

Porque todas as pessoas recaem! Achamos que conseguimos alguma coisa, mas daqui a pouco tropeçamos e caímos de novo. Isso faz parte do ser humano, da natureza humana. Todos nós somos assim. Muitas vezes se reapresentam situações para reconfirmar se nós aprendemos mesmo e quem coloca essa situação? Deus, Meishu-Sama e os antepassados. “Ah, foi o diabo que colocou!” Não foi o diabo não. Foi Deus! (Risos) É o amor de Deus, de pai, que quer confirmar se o filho aprendeu mesmo.

Então, vamos aprender. Essa experiencia também vai estar no nosso Boletim. Vamos ler, reler, interiorizar, mastigar, digerir, para fazer dela nossa e para cada um refletir qual é o seu “restaurante” e que precisamos vencer o nosso limite, pois cada um tem o seu “exaustor quebrado” … (Risos)

No mês passado também falei aqui sobre a prática do OBRIGADO, sobre dizer 100 vezes OBRIGADO, estão a praticar?

(SIM!) (Palmas)

Eu também estou a praticar; sabem quanto tempo eu estou a fazer? Mais ou menos 45 minutos todos os dias, desde a hora que me levanto até à hora em que vou comer o pequeno-almoço; levanto-me, vou à casa de banho, debaixo do duche, fico: Obrigado, obrigado… Só não digo quando estou a escovar os dentes, porque não posso falar… (Risos) Mas o resto, sento “lá” dizendo: Obrigado, obrigado… (Risos) Aí, depois com o secador de cabelo: Obrigado, obrigado… depois mudo: Arigatô, arigatô… depois: Grazie, grazie…. Para não entrar no automatismo, senão fica uma ladainha, que acabamos por nem saber mais o que estamos a falar…

Calculo que esteja a dizer diariamente, ao menos, 5 mil vezes obrigado e digo-vos, sinto-me tão bem, tão bem! Porque é uma coisa que aquece o peito, liberta uma energia maravilhosa e faz um bem profundo.

Portanto, não vamos parar, vamos continuar todos os dias, até mais que uma vez por dia, a conduzir o carro, vamos de um lugar para outro, temos meia hora de caminho, aproveitem para ir dizendo: Obrigado, obrigado… É maravilhoso e essa prática tem dado muitos resultados em muitas pessoas! Vamos começar a recolher essas experiências. Escrevam as experiências que estão a ter com essa prática e entreguem aos ministros, porque uma experiência vai servir de força para alguém que ainda não começou; alguém inseguro, pensando que não funciona, que não vai perder tempo com isso, mas quando ouve a experiência de alguém com quem deu resultado e mudou algo, a pessoa ganha forças para praticar. Por favor, encaminhem as experiências de fé.

No mês passado, em dezembro, completei 4 anos de dedicação em Portugal e agora, em janeiro, estou a iniciar o meu quinto ano de dedicação junto dos senhores. (Palmas) Quero, do fundo do coração, agradecer a confiança que sempre depositaram em mim. Juntos nesse tempo, fizemos um percurso muito grande, espiritualmente, demos passos de gigante, superamos muitas dificuldades, muitas situações difíceis e graças a uma administração caracterizada por uma total austeridade e muitos sacrifícios, desde encerramento de unidades improdutivas, de redução de salários dos próprios ministros, etc… e paralelamente aumentamos a nossa gratidão. Isso deu-nos um crescimento que agora se materializou na escritura de compra da casa para a nova Sede Central da Igreja em Portugal! (Ovação)

Meishu-Sama comprou a sua primeira casa em Portugal e tenho a certeza que será a primeira de muitas outras. Agora, peço permissão para mostrar a primeira fase do projeto.

– Esta é a casa como é hoje: Tem a entrada da rua e depois tem uma escadaria muito íngreme que chega até ao andar principal; depois do lado tem uma porta de garagem, uma rampa e tem uma garagem que fica enterrada…

– Este é o projecto! O primeiro estudo… No lugar da escadaria íngreme de acesso, haverá 3 rampas, com estações de paragem, com bancos para descansar, quem precisar… no meio de jardins. Em cima terá uma cascata ou cortina de água, que serpenteará um riacho, os jardins em desnível, até à parte mais baixa, da entrada, onde existirá uma bomba que levará de novo a água para cima…

– Aqui a inscrição: IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL… aqui um símbolo IZUNOMÊ vazado… aqui vai ser a nave e aqui deste lado vai ser o altar.

– Aqui dá para ter uma ideia melhor! O banco para sentar, aqui a cascata, aqui a fachada; aqui visto de cima: A entrada, aqui a primeira área de descanso, aqui a segunda área de descanso, aqui a cascata, o riacho, que talvez tenha uma outra configuração, com pedras, rochas… Aqui o símbolo IZUNOMÊ e isto aqui é tudo a nave!

– Agora aqui o interior: Aqui vão ser grandes janelões de vidro, como se fosse o Palácio de Cristal, porque como fica num lugar alto, tem uma vista maravilhosa para o rio Mondego… Aqui é a imagem da Luz Divina, aqui a foto de Meishu Sama e aqui do lado esquerdo vai ter o Altar dos Antepassados, o Santuário… onde nos dias de Culto Mensal, como no Solo Sagrado, vai haver o Culto pelos Antepassados.

– Outra vista da nave, lateral, sempre com as fotos do Solo Sagrado; aqui já é uma vista do Altar para o fundo da nave; aqui ao fundo vai ter uma área aberta para, no verão também se poder assistir ao Culto do lado de fora; aqui do lado vai ter as casas de banho e aqui à esquerda do altar vai ter a liturgia e a cozinha para preparação dos alimentos diários para os Antepassados e onde todos poderão dedicar.

– Aqui dá para ter uma visão geral; em baixo, no piso térreo, será já o Culto do próximo mês, no dia 4 de fevereiro. Vai ser feita uma nave provisória, com uma área grande, talvez o dobro desta aqui…

– E aqui em cima, serão feitos alojamentos para os membros que vierem dedicar; porque o objetivo não é fazer uma Sede Central onde se faz só o Culto Mensal… É fazer-se da Sede Central um local de aprimoramento, onde as pessoas que desejarem, possam já na sexta-feira à noite, acabando o seu trabalho, pegarem no seu carro ou metem-se no comboio, no autocarro e vai para lá (o local fica a uma hora e meia de Lisboa e uma hora e um quarto do Porto). Qualquer um pode ir facilmente! Dormem no alojamento, de manhã já acordam lá… Todo este espaço lateral é para agricultura natural; o terreno todo, desde o jardim até ao fim, que é bem grande, tem um terreno enorme para fazer agricultura natural. Então a pessoa chega um dia antes, dorme lá, acorda de manhã, vai dedicar na terra na coluna da agricultura, depois aula de Ikebana trabalhar o Belo, depois ir dedicar no Altar junto com os antepassados, fazer Mitamamigaki no Altar, junto com os seus antepassados. Não desejo um lugar, como hoje, onde se chega com pressa, assiste ao Culto e sai a correr. Sonho um local muito agradável, de aprimoramento mesmo, crescimento, purificação e renovação do espírito…

O que acham, gostaram? (Muito!) (Palmas)

No Ensinamento de hoje, Meishu-Sama faz uma analogia entre a construção do Paraíso e a reforma de um prédio, onde Ele diz que Deus, do mesmo modo, vai utilizar e purificar aquilo que puder ser reutilizado na nova obra; nesta nova casa também, vão ter que ser feitos muitos trabalhos, demolir paredes, para fazer a nave, construir casas de banho, etc. Mas de todo aquele imóvel, muita coisa vai ser reaproveitada: Se a parte elétrica tem que ser refeita, faz-se isso, mas se a parte hidráulica está boa, aproveita-se. Uma porta está estragada, deita-se fora, mas se outra está boa, vai ser reutilizada.

Mas porque é que eu estou a dizer isto? Porque paralelamente à reforma da nova Sede, é importante que seja feita a reforma da nossa fé, do nosso espírito. Do mesmo modo, a nossa Igreja, durante 40 anos, viveu muitas situações, muitas coisas aconteceram que deixaram marcas e que precisam ser modificadas; a fé que nós também vínhamos a praticar de um determinado modo também precisa de ser renovada e cada um precisa de fazer uma autoanálise, no que precisa de mudar dentro de si nesta nova fase. Porque se nós fazemos a reforma de uma nova Sede e vamos viver de acordo com a velha fé, não adianta de nada. A reforma da nova Sede serve para a reforma da fé e cada um precisa fazer essa autoanálise. Ninguém tem o direito e nem é capaz de dizer para o outro onde o outro tem que reformar: “Olha, a tua “parte elétrica” está toda queimada…” (Risos) Ninguem sabe! Quem é o Mestre? É Deus, Meishu-Sama e Kyoshu-Sama, Eles é que nos vão nortear no que temos que mudar. Portanto, paralelamente a essas obras materiais, vamos fazer uma obra espiritual nos nossos corações, nos nossos sentimentos, nos nossos pensamentos, para nos adequarmos a essa nova fase e aí sim, conseguir construir uma Obra Divina capaz de, em nome de Deus e do Messias Meishu-Sama salvar o maior número de pessoas e consequentemente a nós mesmos.

Agradeço a todos os ministros, missionários, membros de Porto e Gaia, que durante este ano e meio nos hospedaram aqui como Sede Provisória, pela vossa hospitalidade, por todo o carinho, amor, que todos os senhores demonstraram para com a Sede Central, para comigo, para com os outros ministros que vinham de fora. Foi uma fase muito importante e também graças a esse apoio chegámos até onde chegámos hoje. Foi uma soma de vários esforços e sacrifícios de todos os ministros, missionários e membros de todo o país.

Para concluir, gostaria de ler um parágrafo da Mensagem de Ano Novo de Kyoshu-Sama, que diz assim:

“Com o início deste Ano Novo, eu gostaria de me entregar inteiramente, de corpo e alma, a Deus, reconhecendo que Ele utiliza todas as coisas do Universo, incluindo eu mesmo, como uma só unidade, e que a Vontade Divina se estende a todas as coisas, incluindo eu próprio.”

Todos unidos, com este espírito, vamos dia 4 de fevereiro fazer o nosso Culto Mensal de Gratidão na nova Sede própria!

Muito obrigado e um bom mês a todos!

Comentários não disponíveis.