Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Janeiro 2016

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

MIN. CARLOS EDUARDO LUCIOW

JANEIRO 2016

Presidente da Igreja Messiânica Mundial de Portugal - Min. Carlos Eduardo Luciow - Culto Mensal Janeiro 2016

Bom dia a todos!

Os senhores estão a passar bem?
(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)

Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!

Como é que passaram as festas? Todos bem? (Sim!)

Com a proteção de Deus e do Messias Meishu-Sama tivemos um fim de ano abençoado em família, em paz e com saúde.

Olhando uma retrospetiva que passou na televisão, com os acontecimentos do ano passado, cenas de enchentes, terramotos, terrorismos, vulcões, enfim… Somos realmente muito abençoados e protegidos por Deus, por vivermos em lugares que não são assolados pela guerra e tantas outras tragédias humanas e naturais. Isso é motivo de imensa gratidão.

Quem está aqui hoje pela primeira vez, pode levantar a mão? Sejam muito bem-vindas! (Palmas) Espero que seja a primeira de muitas outras vezes!

Estamos também a receber membros de Angola e de outros Johrei Centers e Núcleos de Johrei: Vila Real, Porto, Gaia, Ribatejo e Venda do Pinheiro. Sejam todos muito bem-vindos! (Palmas)

Hoje ouvimos as maravilhosas mensagens de Ano Novo, quer do nosso Líder Espiritual Kyoshu-Sama, quer do nosso Presidente Mundial Rev. Masayoshi Kobayashi. Mensagens estas que serão publicadas no nosso próximo Boletim e serão estudadas nos Johrei Centers e nos Núcleos com os vossos Ministros. Peço a todos para aprofundarem e praticarem com todo o esforço porque, como já ouviram hoje, estão impregnadas de Luz e são as diretrizes que vão nortear as nossas atividades durante este ano de 2016.

Por falar do Presidente Kobayashi, hoje é o seu aniversário e de manhã mandei-lhe, em nome de todos, uma mensagem de felicitação, rogando a Deus e Meishu-Sama que o abençoe, proteja e ilumine muito, agradecendo as orações que ele faz sempre por nós no Solo Sagrado e as suas maravilhosas orientações. Assim, foram todos representados no dia importante de hoje. (Palmas)

O Ensinamento que ouvimos hoje “Uma pessoa salvará cem pessoas”, deixa-nos um pouco perplexos, não é verdade? (Sim) Porque acho que conhecemos poucas pessoas que salvaram cem pessoas. Não sei os senhores, eu, pelo menos, conheci pouquíssimas. Aí, perguntamo-nos espontaneamente: “Porquê?”. Se Meishu-Sama afirma: “Se alguém possui capacidade para formar um membro convicto, formar cem membros não é uma tarefa muito difícil.” Então, onde está a incongruência entre Meishu-Sama afirmar que não é tão difícil e a nossa dificuldade? Gostaria de aprofundar este ponto.

Quando uma pessoa se torna membro da Igreja, entusiasmada pelas graças e proteções recebidas, ela começa a falar para os seus familiares, amigos, vizinhos e colegas de trabalho. Espontaneamente ela divide com os outros essa felicidade que recebeu. Mas qualquer pessoa, por mais pessoas que conheça, tem um limite nos seus conhecimentos pessoais e uma vez que falou com aqueles que já conhecia, quem tinha que vir, veio, quem não veio, foi porque não quis vir ou porque tem outra religião e a pessoa, a partir daí, então, geralmente encerra a sua atividade de difusão.

Analisando as experiências de fé, a do mês passado da senhora Graça Cunha, do Porto, e hoje a da Min. Filipa, são experiências notáveis, porque vêm demonstrar que através dessas atividades, seja da senhora Graça Cunha, do Porto, que levou a Flor de Meishu-Sama para as casas, fazendo vivências, seja a determinação da Min. Filipa junto com as suas missionárias, de bater às portas, oferecer a Flor de Luz e Johrei, levando a oportunidade a dezassete pessoas que, se não fosse a coragem delas de vencer o próprio medo, a insegurança e o preconceito, não teriam recebido Johrei. É um preconceito difícil, porque se pensa o que os outros estão a pensar sobre nós, aquilo que pensávamos sobre os outros, não é assim? (Sim) É muito difícil!

Eu sei, porque quando era seminarista, passei por isso. Na minha vida nunca tinha feito nada disso, mas quando, no Seminário, me mandaram bater de porta em porta, para vender o “Jornal Messiânico” e encaminhar as pessoas, eu “morria de vergonha”. Porque, antes de entrar no Seminário, julgava, criticava muito outras religiões que faziam esse tipo de atividade. Mas a verdade, é que quando comecei a fazer, tive experiências que antes nunca tinha tido; de encontrar pessoas verdadeiramente necessitadas, que não teriam vindo à Igreja por si só.

Na minha época, ao bater nas portas, dizia-se assim: “Há alguém doente em casa? Porque eu faço Johrei que cura todas as doenças.” E quando havia alguém doente, uma pessoa idosa, ou alguém necessitado, entrávamos, ministrávamos Johrei e voltávamos para dar assistência. Assim muitas experiências eu fui vivendo e estas fortaleceram a minha fé!

Sobretudo, descobri que aquela atividade é comandada pelo Mundo Espiritual. Um dia, bati à porta de uma casa e atendeu-me uma senhora com uma fisionomia muito deprimida. Quando ela abriu a porta, disse assim: – “Seja bem-vindo, eu estava à sua espera.” Apanhei um susto! (Risos) Pois nunca tinha visto aquela pessoa! – “A senhora estava à minha espera?!” – “Estava sim. Esta noite eu sonhei com o meu pai que me disse: amanhã vai bater à tua porta um jovem que vai trazer uma Luz muito forte e essa Luz vai salvar-te. Recebe-o com muito respeito e escuta o que ele te vai dizer.” Eu entrei, ministrei Johrei, frequentei outras vezes a casa e depois ela veio à Igreja, passou a frequentar o Johrei Center, saiu da depressão e tornou-se uma membro muito dedicada e esforçada em encaminhar outras pessoas. Aquela visita já estava marcada no Mundo Espiritual. Nós achamos que “eu é que vou bater…” Não! Nós somos só instrumentos de Deus e Meishu-Sama. O Mundo Espiritual, dependendo da nossa determinação, abre as portas e os caminhos do Mundo Material. Não é vontade humana, é Vontade Divina!

Portanto, tanto a experiência do mês passado, como a de hoje, demonstram que, se cada pessoa conseguir fazer isso, vamos conseguir praticar a orientação do nosso amado Revmo. Tetsuo Watanabe, que disse que: “Devemos tornar-nos a pessoa número um na felicidade de alguém.” e isso é que se vai transformar na nossa felicidade.

Estamos a iniciar o ano com o coração cheio de esperanças, que este ano seja melhor do que o ano passado. Mas se neste ano, não nos tornarmos a primeira pessoa na felicidade de muitas pessoas e não recebermos a gratidão dessas pessoas que encaminharmos, será muito difícil ser melhor que o ano passado. Provavelmente vai ser igual ou pior, porque a Luz está a intensificar-se e vai aumentar a força de purificação.

O que espero para este ano, é que cada Johrei Center, cada Núcleo de Johrei, cada casa de membro, possa, através das atividades das três Colunas da Salvação, tornar-se um polo de difusão para a sociedade. Que deixem de ser locais onde as pessoas se encontram com objetivos egoistas, de resolverem os seus problemas, indiferentes aos sofrimentos dos outros e que saiam para a sociedade, onde estão as pessoas a sofrer, e que através da difusão do Johrei, da Flor e da Horta Caseira, possam levar a Salvação para um maior número de pessoas que estão à espera! Que nós possamos andar até eles; já está tudo marcado no Mundo Espiritual. Mas, se não fizermos como a Min. Filipa e suas missionárias fizeram; o determinar e vencer o próprio limite, a vergonha, a insegurança, como a senhora Graça Cunha falou no mês passado: era insegura, não se sentia à vontade em fazer vivências noutros lugares. Mas quando ela venceu a si mesma, conseguiu grandes resultados.

Todos os membros têm essa capacidade, todos conhecem amigos, parentes e podem chamá-los às suas casas. – “Olha, eu aprendi a fazer uma composição floral maravilhosa, de muita Luz. Queres vir à minha casa? Eu gostaria de te ensinar!” – “Está bem.” Ou – “Posso ir à tua casa fazer?” -“Pode.” – “Eu aprendi a plantar uma alface que nos comunica com Deus, que tem a Luz da terra. Queres aprender a fazer a Horta Caseira?” – “Quero.” Através dessas práticas chega-se também ao Johrei. Eu achei genial a ideia que elas tiveram. “Quanto é que custa a flor?” – “Tem que receber uma oração, tem que receber o Johrei.” Mesmo que depois a pessoa não queira receber, mas você propôs. Ao propor, houve alguém que não recebeu, mas houve dezassete que receberam e que não teriam recebido se eles não fossem lá. Não adianta ficar sentado dentro do Johrei Center ou do Núcleo de Johrei, acomodado, esperando que as pessoas venham bater aqui: “Por favor, com licença, é aqui que há Salvação? Eu quero ser salvo!” (Risos) Não vai acontecer isso! Vocês acham que alguém vai passar ali, bater à porta e pedir? Não! Nós temos que sair!

Se não me engano, você (dirigindo-se a uma jovem sentada na terceira fila) ontem passou ali à frente, não foi? (Sim) Ela passou à frente da Igreja, estava a olhar o cartaz, o Seminarista Ricardo pegou logo uma Flor de Luz, e foi conversar com ela, depois ela entrou, participou de todo o Dai Johrei Kai, (duas horas!) dedicou na preparação da Igreja para o Culto de hoje e está aqui agora a assistir ao Culto conosco! (Palmas) Se ela tivesse olhado e ele não tivesse tido o espírito de querer contactá-la e atraí-la para dentro da Igreja, talvez ela, ou por timidez ou por insegurança, teria ido embora, não teria entrado. Não foi decisivo o convite dele para você entrar? (Sim) Isso é um “Kata”, é uma forma, um modelo que Deus e Meishu-Sama criaram ontem, para hoje nos ensinar. Precisamos que estar atentos a essas mensagens que Deus e Meishu-Sama mandam como modelo. O que o Seminarista Ricardo fez, nós também podemos fazer com todas as pessoas que contactamos: na rua, no ambiente de trabalho, na nossa vizinhança, em todos os lugares há pessoas. Leve uma Flor de Luz e diga: “Por favor, quer receber uma oração?” Talvez alguém diga que não! Mas muitos vão dizer que sim! Mesmo que receba cem “nãos”, mas se receber um “sim”, já valeu a pena, porque para aquele um “sim”, você se tornou a “primeira pessoa na felicidade daquela pessoa”.

Este ano de 2016 tem que ser o ano que, como membros, possamos sair do casulo e tornarmo-nos borboletas de Luz. Estão todos fechadinhos nos seus casulos, não estão a sair, a abrir as asas e a voar para a sociedade, levando a Luz da Salvação. Estão tímidos e inseguros, por isso é que não salvam “cem pessoas”. Se começarem a sair vão salvar mais de cem.

Este ano tem que ser um ano determinante para a expansão da Igreja? Não, da nossa fé, porque a nossa fé expande quando salvamos pessoas, quando nós recebemos a gratidão das pessoas. Quando ficamos fechados dentro de nós mesmos, querendo resolver os nossos problemas, não conseguimos salvar-nos nem salvar ninguém. Essa timidez, insegurança e apatia na fé, tem que acabar, se queremos salvar-nos e salvar os outros.

Visto que é Janeiro, mês chave para começar a mudança que depois se vai expandir para o ano todo, cada lar de membro tem que buscar ter:

Em primeiro lugar, Altar ou Imagem Consagrada de Meishu-Sama, para rezar dentro de casa todos os dias. Fazer a Flor de Luz dentro de casa. Praticar a Gratidão diária dentro de casa. Ler Ensinamentos dentro de casa. “Ah! Mas eu já vou à Igreja, porque é que eu tenho que fazer isso em casa?” Por um motivo muito simples. A casa é o lugar onde somos nós mesmos. Na sociedade, nós desenvolvemos um “personagem” para cumprir tarefas. Você tem papéis na sociedade: papel no trabalho, papel na empresa, papel na Igreja e você cria um personagem público, uma “máscara” pública. Mas para conhecer uma pessoa, só vivendo dentro de casa com ela, não é assim? (Sim) Quando você vive dentro de casa com uma pessoa, por longo tempo, aí conhece-a. Na sociedade todas as pessoas são educadas, gentis e corteses, mas como é a pessoa em casa, na família? Por esse motivo, a prática da fé em casa é fundamental para nos salvar. Não basta praticar na Igreja, tem que praticar diariamente em casa.

Em segundo lugar é a prática do Belo. Vivências e Flores de Luz nas nossas casas e nas casas dos nossos amigos, parentes e conhecidos.

Em teceiro lugar é a Horta Caseira, nem que seja em vasos. Para ter contacto com a terra e desenvolver gratidão pela natureza. Vivências de Hortas caseiras.

Em quarto lugar é a Limpeza Espiritual, seja em locais públicos que nas casas. A maior parte das casas carece de limpeza ou de ordem e arrumação. Muitas pessoas estão a sofrer com a desarrumação nas suas casas e quando a casa é desarrumada, a cabeça e o coração também ficam desarrumados. Quem não consegue organizar a sua casa, também não consegue organizar o seu pensamento e o seu sentimento; fica tudo confuso e isto reflete-se na sua vida em geral. Tem que conseguir desapegar do que é estragado, do que está partido, do que não presta, do que não serve. Dê a alguém, deite fora. Porquê? Porque quem guarda coisas velhas sem valor, partidas, lascadas, guarda pensamentos velhos, sentimentos “lascados”, sentimentos feios e ruins. Quem tem apego por “aquela toalhinha” rasgada e desbotada, também guarda “aquela magoazinha”. Quem tem “aquela chávena de café” lascada, sem a asa, também guarda ofensas que ouviu; é o mesmo princípio!

A Limpeza Espiritual, nas casas, na sociedade, é a limpeza do nosso espírito. Quando tirar todas as coisas de dentro do armário, que está uma bagunça, deite fora o que não presta, o que não serve, o que está velho, o que ficou pequeno e acha que um dia vai emagrecer e vai usar… Não vai emagrecer e não vai usar! (Risos) Vinte anos a guardar “aquele” vestido, na esperança de voltar a ter aquele tamanho. (Risos) Não vai ter! Ou se tiver, compre outro novo! Está ali a entupir o armário por anos e anos! Cinquenta vestidos e quando se aproxima uma festa, diz que não tem roupa para vestir! (Risos) Tem que deitar fora! Dê para os pobres, faça alguém feliz com algo que está só acumulando nuvens de apego. Desapeguem dessas coisas!

Comecem o ano fazendo essa grande limpeza nas vossas casas, na garagem, etc. Todos têm aquele canto onde se acumula tudo? Vá lá e deite fora o que não presta, o que não usa! Todas as casas têm! Se tem na casa, tem no coração e no pensamento. Quando se livrar do que não interessa, vai conseguir livrar-se de pensamentos ruins e sentimentos de amargura guardados. É incrível! Por isso é que funciona a Limpeza Espiritual, porque entra Luz.

Este ano, através de todas estas práticas, vamos criar o objetivo de nos tornarmos a primeira pessoa na felicidade de ao menos cem pessoas! Temos 360 dias pela frente! Será que conseguimos? (Sim) Basta desejar! Aquilo que não desejarmos, não vamos conseguir, mas aquilo que desejarmos, o Mundo Espiritual, Deus e Meishu-Sama, os antepassados, vão-se manifestar e as portas vão-se abrir.

Desejo a todos um bom ano e muitas felicidades!