Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Fevereiro 2015

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

MIN. CARLOS EDUARDO LUCIOW

Bom dia a todos!
Como os senhores estão a passar? Todos bem?
(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)

Gostaria de iniciar as minhas palavras agradecendo, em nome de Deus e Meishu-Sama, a todos os senhores, pela vossa sincera dedicação, que nos permite expandir a Obra Divina aqui em Portugal. Muito obrigado!

Gostaria de saber se está aqui alguém de primeira vez, a visitar-nos hoje. Podem levantar a mão? Muito obrigado por ter vindo! (palmas) Espero que esta seja a primeira de muitas outras visitas.

Desenvolvimento da Salvação através do Belo

Ontem à tarde fiz relatório e recebi orientação do nosso Diretor do Departamento Internacional, Rev. Marco Resende Miyamichi, que me pediu para transmitir aos senhores o seu forte abraço e que, do Solo Sagrado, está a orar pela felicidade de todos. Ele também nos orientou para, este ano, intensificar a atuação da coluna do Belo. O Revmo. Tetsuo Watanabe, toda a sua vida, dedicou-se ao Johrei intensamente e, nos últimos anos, veio também orientando todo o mundo sobre a importância da coluna da Agricultura Natural, através da horta caseira e já era nos seus planos começar a desenvolver, com mais intensidade, as atividades da coluna do Belo. Antes de partir para o Mundo Espiritual, deixou-nos essa importante missão, que o Rev. Resende, como seu representante, nos está a orientar para desenvolvermos. Com este propósito, estamos a fazer o levantamento dos Professores de Ikebana que estão ativos, dos monitores e dedicantes que pretendem e que estão qualificados, para fazer prova para futuros professores e assim formarmos elementos qualificados, úteis, que se dediquem intensamente a essa coluna importantíssima para a Salvação da Humanidade, que é o Belo. É um processo que vai se desenvolver ao longo deste ano e que iniciou-se este mês com entrevistas individuais. Assim, teremos condições para conseguir um grande desenvolvimento da coluna do Belo.

Caravana ao Solo Sagrado do Brasil

Outra comunicação importante é que já iniciamos as inscrições para a caravana ao Solo Sagrado do Brasil. Essa caravana realizar-se-á do dia 31 de Julho ao dia 11 de Agosto e terá várias etapas durante o percurso:

  • Visita à Sede Central da Igreja Messiânica Mundial do Brasil.

  • Um pequeno “City Tour” pela cidade São Paulo.

  • No Solo Sagrado, participaremos do Culto Mensal e de Agradecimento pela Agricultura Natural e, logo a seguir, do sufrágio no Santuário dos Antepassados.

  • Por três dias estaremos hospedados e visitaremos todas as instalações do Solo Sagrado, dedicaremos nos jardins, participaremos de aprimoramentos, aulas, etc. Só quem já participou, sabe o quanto recebemos Luz e nos sentimos felizes no Solo Sagrado!

  • Iremos conhecer o Centro de Pesquisa Mokiti Okada e as instalações da Korin Agropecuária, na cidade de Ipeúna (interior de São Paulo). Nesse local se desenvolvem atividades ligadas a Agricultura Natural (cultivo, pesquisa, formações, etc) e a criação de frangos sem hormonas de crescimento. São instalações maravilhosas, do mais alto nível tecnológico, totalmente de acordo com as Leis da Natureza, onde aprendemos muito. A Korin Agropecuária, que pertence a nossa Igreja, tornou-se uma referência nessa área no Brasil e no estrangeiro e é reconhecidamente a maior e melhor firma de produção de alimentos naturais do Brasil.

  • Vamos visitar e ser hóspedes da Igreja de Campinas, cujo responsável é o Rev. Dario Mota, que já foi Presidente da Igreja aqui em Portugal. Ele está muito feliz por receber, juntamente com os seus membros, os membros de Portugal. Vamos estar em Campinas três dias a dedicar com eles em várias atividades, internas e externas, e seremos hóspedes dos membros em seus lares, que é uma experiência muito emocionante, onde nascem laços de amizade que duram para sempre.

O custo total da viagem está em, aproximadamente, 1.500 euros. Esse valor inclui: bilhete de avião e todas as despesas terrestres (alimentação, transportes, hotel, hospedagem e alimentação no Solo Sagrado e um seguro de viagem que cobre as despesas médicas em caso de necessidade). Tudo isso por apenas 1.500 euros que, se for dividido pelo número de dias, dá só 130 euros por dia! Para quem está habituado a viajar, sabe que uma viagem intercontinental, com tudo incluido, por esse preço está muito barata. O número autorizado de participantes para Portugal, Itália, Espanha e Suíça é de 50 membros, porque o alojamento do Solo Sagrado tem que dividir a hospedagem também por outros países e outros Estados do Brasil. Portanto, os primeiros 50 que comprarem a passagem estão garantidos. A inscrição é a compra do bilhete de avião, para evitar que as pessoas se inscrevam e depois, à última hora, desistam impedindo que outras que queriam ir não possam fazê-lo. Ontem recebi relatório do Min. Leonardo, de Barcelona, e eles já têm 10 pessoas. Portanto, já não são mais 50, são só 40! Quem quiser ir, por favor, decida rapidamente e compre o seu bilhete, garantindo o seu lugar na caravana. Maiores informações deverão ser obtidas junto dos Ministros.

É importante entender que nessa peregrinação existe uma viagem externa, uma viagem fora de nós (embarcar no avião, chegar lá, dedicar, passear, ver lugares bonitos, conhecer novas pessoas, etc…) mas a verdadeira viagem é dentro de nós. Ao longo da programação, vamos, dentro dos nossos sentimentos e pensamentos, fazer uma viagem espiritual de encontro com o nosso Paraíso interior, com o Messias Meishu-Sama que está vivo dentro de nós. A viagem externa é uma forma de despertar a viagem interna. São duas viagens que acontecem simultaneamente. Por isso é que no mesmo grupo, de 50 pessoas, na verdade existem 50 viagens diferentes. Cada um faz o seu percurso interior, conforme o seu nível espiritual e de entendimento. Durante a viagem fazemos grupos de estudo (mesas redondas), onde uns aprendem com os outros conforme as situações que estão a viver. Aconselho a todos que ainda não fizeram essa peregrinação, de fazê-la pela primeira vez e os que já a fizeram alguma vez na vida, de refazê-la, porque cada viagem é diferente. No meu caso, já fui muitas vezes aos Solos Sagrados, mas nunca fiz duas viagens iguais. Mesmo fazendo a mesma programação sempre acontecem coisas diferentes, em que vivemos emoções e situações diferentes, que nos levam a novos aprimoramentos e a soma de tudo isso, leva-nos a um crescimento espiritual. Aproveitem esta grande oportunidade, juntamente com todos os vossos antepassados.

Por falar em antepassado, uma membro da Itália sonhou que estava no Templo do Solo Sagrado do Brasil e lá encontrava o seu pai e a sua mãe, que já estão mortos. Quando os viu, ficou muito surpresa, porque eles quando faleceram não eram membros. Eram pessoas de idade, do interior e quando ela se tornou membro o pai já era falecido e a mãe faleceu um pouco depois. Quando os encontrou, perguntou-lhes: “O que é que vocês estão a fazer aqui?” e eles responderam: “Estamos à tua espera!”. Quando teve este sonho, ela não sabia da caravana, pois eu ainda não tinha falado! Quando falei no Culto passado, ela ficou muito emocionada e depois disse-me: “Agora entendi o meu sonho. No Mundo Espiritual já estava marcada esta viagem e os meus antepassados já estão a minha espera. Eu vou, nesta caravana, de qualquer jeito!!!”. Interessante ver como o espírito precede a matéria, não é? Nós pensamos que “nós” decidimos que vamos fazer uma caravana, mas quem vai fazer a caravana é o Mundo Espiritual. Nós vamos ter só a permissão de, participando dela, nos elevarmos para cumprirmos a nossa missão. Participar de caravanas aos Solos Sagrados é ganhar nova missão, conforme nos ensinou Nidai-Sama, nossa Segunda Líder Espiritual.

O significado do Setsubun e do Rishun

No dia 3 de Fevereiro, vai haver um importantíssimo acontecimento no Mundo Espiritual, que em japonês chama-se Setsubun. No calendário ocidental, que é um calendário solar, existem 12 ciclos, mas no antigo calendário oriental, que é lunisolar, são 24 ciclos e cada um deles tem um significado. O dia 3 de Fevereiro é a véspera de um importante ciclo chamado Rishun, que inicia no dia 4. A respeito desse ciclo, Meishu-Sama nos orientou que ele é muito importante do ponto de vista espiritual porque, nesse dia, 4 de Fevereiro, começa um período de queima das máculas espirituais. É um período de limpeza e de “acerto de contas” no Mundo Espiritual, onde as impurezas, as imperfeições e as máculas excedentes têm que ser purificadas. Consequentemente é um período também muito propenso para purificações através de doenças, danos materiais, conflitos, acidentes, calamidades naturais, etc.

Mas qual é a origem do Rishun? Meishu-Sama nos orientou que, na antiguidade, quando ainda os deuses viviam sobre a Terra, eles eram comandados, por um deus chamado Kunitokotati-no-Mikoto. Esse deus era muito bom, muito honesto, muito correto mas também era muito severo. Não permitia o mínimo pensamento, sentimento ou atitude que não respeitasse as Leis de Deus Supremo e essa sua severidade foi incomodando alguns deuses que queriam agir livremente. Quando eram punidos pelos seus erros, alguns não aceitavam a rigorosidade do deus Kunitokotati-no-Mikoto. Entre os deuses descontentes, havia um em particular que se chamava Amanowakahiko-no-Mikoto, conhecido também pelo nome de Amanojako. Qualquer coisa que Kunitokotati-no-Mikoto dizia, ele não concordava e sempre contrariava. Assim, aos poucos ele começou a criar antipatias contra o Kunitokotati-no-Mikoto, ao ponto que um grupo rebelou-se e criou um plano para aprisioná-lo. Através de um estratagema, atraiu-o para dentro de uma caverna e, estando os deuses rebeldes escondidos atrás de uma grande rocha que havia na entrada, empurraram-na e ele ficou preso lá dentro da caverna. Este facto ocorreu no dia do Setsubun (03 de fevereiro). Assim, eles ficaram contentes e começaram a fazer tudo o que queriam livremente, impunemente, porque já não tinha mais o deus da justiça que, com severidade, os colocasse na linha. Entretanto, fazendo o que queriam, uns começaram a fazer mal aos outros, porque o sentimento egoísta, sempre fere ou magoa alguém, sempre sobrepõe a sua força sobre alguém e esse outro alguém sofre. Como esse deus Kunitokotati-no-Mikoto era da linhagem do Sol, quando ele foi aprisionado dentro da caverna, nasceu uma Era de Trevas e, no escuro espiritual, o Mal começou a dominar. Essa é a origem da Era das Trevas; da Era da Noite. Kunitokotati-no-Mikoto sabia do plano para aprisioná-lo; ele não foi enganado. Ele deixou-os fazer o que queriam porque tinha a certeza que assim iriam aprender através do sofrimento, que eles próprios estavam criando. Sabia também que um dia se arrependeriam e voltariam para libertá-lo. Era um deus verdadeiramente sábio.

O nascimento da nossa Igreja e a missão do Messias Meishu-Sama têm profunda relação com a libertação do deus Kunitokotati-no-Mikoto. A nossa missão é, através das atividades do Johrei, da Agricultura Natural e do Belo, abrir essa caverna para que ele possa novamente atuar. A nossa missão é fazer força para abrir a caverna. Por que é que nós temos que fazer força para abrir? Porque, em uma das nossas vidas anteriores, nós estávamos lá para empurrar a pedra para fechar a caverna. A mesma intensidade de força que fizemos para fechar, agora temos que fazer para abrir. Eu acho que devo ter feito mesmo muita força! (risos) Devo ter suado a camisa para empurrar aquela pedra, porque agora está difícil de puxá-la de volta! (risos) Essa é a nossa missão: liderados por Meishu-Sama, libertar o deus da justiça e construir o Paraíso Terrestre.

Portanto, no dia 4 de Fevereiro vai iniciar esse processo de limpeza do Mundo Espiritual. Limpando o Mundo Espiritual, no dia 15 de Junho, aumenta a intensidade da Luz. Não pode aumentar a Luz com a mesma quantidade de impureza. Todos querem a Luz mais forte, mas para isso é preciso haver a limpeza que precede o aumento da Luz. Em um poema, Meishu-Sama diz que: “A cada 15 de Junho, pouco a pouco, se abrem as portas do Céu”. Esse “abrir as portas do Céu” é “abrir a porta da caverna” para o deus Kunitokotati-no-Mikoto poder sair e manifestar-se em forma de Luz, de energia do fogo. Quem está no caminho correto, obedecendo a vontade de Deus, não tem medo da severidade, porque está no justo e no correto. Quem tem medo da severidade de Deus é porque tem consciência que está fora do Seu caminho.

Com o sofrimento que os homens criaram para si mesmos, agindo fora das Leis Divinas, hoje encontramo-nos justamente nesse alvorecer da Nova Era. Só que trazemos connosco essa bagagem do que cometemos de errado durante aquele período, em que fizemos o que queríamos, conforme a nossa vontade egoísta, não respeitando as Leis Divinas. Agora chegou a hora do acerto de contas, que cada um só pode fazer por si mesmo. Esse é um trabalho individual. A nossa dedicação é colectiva, as nossas orações são colectivas, mas o aprimoramento é individual. Cada um tem a sua quota de doença, miséria e conflito, conforme o que acumulámos com o mau uso do nosso livre arbítrio. Na verdade, ninguém é vítima de ninguém, é uma questão de “causa e efeito”. Criámos aquela causa e agora chegou a hora de mudarmos a causa para eliminarmos o efeito. Se conseguirmos isso, vamos cumprir a nossa missão. Para isso é que nasceu a Igreja Messiânica Mundial, para nos dar a força, a Luz, a sabedoria e os instrumentos para que possamos fazer essa reforma interior do nosso espírito. Sem o Johrei, sem o Belo e sem a Agricultura Natural não se consegue essa reforma.

Reconhecer onde não estamos do agrado de Deus

Hoje foi lido o Ensinamento “Ser amado por Deus”, que é um Ensinamento severo, não é? Puxa! Quando o escutamos chegamos “a suar frio”! Por quê? Porque nos leva a reconhecer que não estamos do agrado de Deus. Meishu-Sama orienta claramente que precisamos saber qual o tipo de pessoa que é amada por Deus: “Quando a pessoa diz assim: “Para mim, nada vai a contento, sofro de necessidades materiais; meu trabalho não progride; meu crédito é fraco; não consigo me rodear de pessoas; minha saúde também é insatisfatória; do jeito que trabalho, não entendo porque não dá certo”. As pessoas que fazem esse tipo de comentário não estão sendo do agrado de Deus.” Ou seja, objetivamente, nenhum de nós está do agrado de Deus! Mas porque é que Meishu-Sama fala assim? Não é para criar em nós um sentimento de culpa ou de complexo por não estarmos do agrado de Deus. Ele dá essa orientação para, ao reconhecer isso, a pessoa passar a fazer coisas de forma a tornar-se do agrado de Deus. O primeiro passo para melhorar é reconhecer que não se está bem. Se não conseguir reconhecer que não está bem, não conseguirá mudar. O maior problema é quando a pessoa está iludida achando que ela é “o máximo”, a “rainha do altruísmo” o “rei da sabedoria”. Esse é um grande problema, quando a pessoa está iludida, achando-se o “messiânico perfeito”, mas depois, olhando a sua vida, o resultado é o oposto do que ela deseja. Qual será a causa desta diferença? Meishu-Sama nos orienta ainda que: “Basta ser do agrado de Deus para que o nosso trabalho se desenvolva satisfatoriamente; as pessoas juntam-se ao nosso redor a ponto de quase nos incomodar; os recursos materiais nos chegam em tão grande quantidade, que mal podemos utilizá-los na sua totalidade. O mundo, então, se torna um lugar agradável de se viver. A Fé só tem realmente valor quando somos felizes.” Depois conclui dizendo: “Se a praticarmos mas não alcançamos a felicidade, é porque o motivo, infalivelmente, se encontra em nosso próprio espírito.”

Agradeço muito o testemunho de fé da senhora Sónia Paula Almeida Leite, da Lixa, a quem nós chamamos carinhosamente de Paulinha. Ela estava a desenvolver atividades, abriu o salão de cabeleireiro dela para as pessoas, chegou a fechar um dia só para receber as pessoas, e não se sentia feliz. Praticando a fé, infeliz, porque reclamava das pessoas que não faziam nada. Vinham para receber Johrei e iam embora; não ajudavam, não limpavam, não traziam flores e não preparavam as Flores de Luz. Além de não trazerem, quando vinham, ainda reclamavam quando não haviam flores. Vejam só! O máximo, não é?! (risos) E ela fazendo tudo! Abria o salão, deixando de trabalhar um dia, limpava para receber, arrumava tudo, comprava flores e fazia as Flores de Luz. Mesmo assim, as pessoas vinham, recebiam, reclamavam e iam embora. Até que ela diz assim: “Cheguei ao ponto de ter vontade de deixar tudo!” Chegou a pensar em fechar o núcleo de Johrei achando que “eles” (membros e frequentadores) estavam errados, “eles” são egoístas, “eles não querem ajudar”, “eles são uns ingratos”, “eu a fazer tudo por eles e eles não reconhecem”. Até que houve um estudo (há um ano atrás) sobre o mesmo Ensinamento de hoje: “Ser amado por Deus”, quando ela leu a seguinte frase: “A Fé só tem realmente valor quando somos felizes. Se a praticarmos mas não alcançamos a felicidade, é porque o motivo, infalivelmente, se encontra em nosso próprio espírito.”

Sempre achamos que o erro está no espírito dos outros. Os Ministros acham que a Igreja não vai para a frente porque algo está errado no espírito dos membros. Os membros acham que a Igreja não melhora porque os Ministros têm alguma coisa errada no espírito deles. E os membros e os Ministros acham que está tudo errado com o Presidente! (risos) E se o Presidente pensar assim, vai achar que algo está errado nos Solos Sagrados. Se continuarem colocando a culpa pra cima, no final será Deus a estar errado! Não é? Assim, não mudamos e ficamos praticando uma fé que não cria felicidade. Quando a Paulinha acordou para isso, naquele estudo, e mudou o seu sentimento, e parou de querer exigir dos membros que trouxessem “isso” ou que fizessem “aquilo” e passou a agradecer sinceramente pela existência deles, com amor e gratidão, milagrosamente, os mesmos que até pouco tempo antes não queriam trazer e fazer nada, ofereceram-se para trazer e fazer tudo! Incrível, não é? Como a mudança de um pensamento, de um sentimento, muda uma coletividade! Nós queremos que os outros mudem, mas sem a nossa mudança interior. O marido quer que a mulher mude e a mulher quer que o marido mude; os pais querem que os filhos mudem e os filhos querem que os pais mudem; o povo quer que o governo mude e o governo não vê a hora em que o povo mude e assim por diante… e ninguém muda… um esperando que o outro mude! Este Ensinamento não é para criticar ninguém, este Ensinamento é para ensinar-nos que nós temos que mudar dentro de nós e essa maravilhosa experiência da Paulinha nos ensina que isso é possível.

No final do mês passado, por seis dias viajei pelos Núcleos, do interior do Norte do país. Estive em várias localidades: Amarante, Vila Real, Braga, Bustos, e também na Lixa. Em todos os Núcleos onde estive, encontrei-me com muitas pessoas, todas elas a esforçarem-se com muito amor, abrindo as portas das suas casas para receberem pessoas. Alguns com mais frequentadores, outros com menos, mas todos com muito amor. Mas, na Lixa, no núcleo que se realiza no salão de cabeleireiro da Paulinha, havia mais frequentadores do que membros. Haviam 11 membros e 15 frequentadores. Quando há mais frequentadores do que membros, é um sintoma de que as pessoas estão felizes! Infelizmente, hoje em dia, haver mais membros que frequentadores se tornou normal, em quase todas as unidades religiosas. Mas se lá tem este resultado, é porque está do agrado de Deus. Parabéns e continuem assim! A próxima vez em que eu voltar na Lixa, quero encontrar com aqueles 15 frequentadores, já membros e trabalhando ativamente pela salvação de muitas pessoas!!!

Ontem, na reunião de preparação para o Culto, que faço sempre na véspera, junto com os Ministros, estudando o Ensinamento, escolhendo uma experiência de fé e debatendo o que é que vamos transmitir, aproveitamos o exemplo da Paulinha e, os Ministros e eu, fizemos uma autoanálise de grupo; cada um reconhecendo e dizendo onde precisa mudar para tornar-se do agrado de Deus. Com o coração aberto, sem medo de crítica e de ser julgado. No final concluímos que estamos todos fora do agrado de Deus. Abrimos os nossos corações na reunião e cada um falou os seus pontos, que são mais ou menos os mesmos: somos apegados nos insucessos e sofrimentos, somos ingratos, julgamos e criticamos quem pensa em modo diferente do nosso, somos desobedientes, somos ansiosos e inseguros, reclamamos de tudo e de todos, temos fraquezas, etc. O ser humano é igual em todo o mundo e por isso decidimos, com o coração aberto, seguindo o exemplo da Paulinha, mudarmos. Não é vergonhoso reconhecer os próprios erros e se esforçar para mudar; vergonhoso é se achar perfeito quando os resultados concretos demonstram o contrário!

O primeiro ponto é esse: reconhecer que precisa mudar, que é o mais difícil, em qualquer problema. Por exemplo: para uma pessoa deixar de ser alcoólatra o ponto mais difícil é ela reconhecer que é alcoólatra. Porque ela é alcoólatra, mas acha que não é! (quem já conviveu com um caso de alcoolismo sabe disso). Com o drogado é a mesma coisa. Ele tem que reconhecer ser drogado e desejar curar-se. Aí ele aceita o tratamento. Do contrário, ele acha que todos estão errados colocando nele uma culpa que ele não tem. Nessa situação é exatamente a mesma coisa!

Vamos, com coragem, reconhecer que não estamos do agrado de Deus! Vamos buscar perceber como nos tornar do agrado de Deus, fazendo uma reflexão sincera, honesta, connosco mesmo, procurando onde precisamos mudar interiormente. A Paulinha achou o ponto dela, nós vamos achar o nosso. Com o coração aberto, cada um de nós, vamos em frente ao altar e pedir ao Deus Supremo e a Meishu-Sama: “Por favor, eu quero tornar-me do Seu agrado; reconheço que tenho “este”, “este” e “este” ponto que não estou do Seu agrado. Por favor, ajude-me a mudar.” Cada um diz os seus pontos e peça Luz, força e coragem para conseguir mudar. Peçam também persistência para continuar, porque às vezes começamos a mudança interior e depois paramos. Se nós conseguirmos isso, tenho certeza que, a nossa vida vai melhorar, a nossa saúde vai melhorar, os nossos problemas crónicos vão ser superados, os conflitos considerados impossíveis de se resolver vão se harmonizar, as situações económicas consideradas falidas vão prosperar, a Igreja vai crescer e as pessoas à nossa volta vão se tornar felizes e sentirem-se atraídas. Vai ser visível o crescente número de pessoas que virão em busca da Luz da Salvação. Vamos, com certeza, passar a ver mais frequentadores do que membros, em todos as unidades religiosas e não só na Lixa!

Agradeço a todos os senhores por terem vindo hoje, por este momento de profunda reflexão que passámos juntos, e agradeço sobretudo a Deus e ao Messias Meishu-Sama, que estão a permitir-nos, através dessa maravilhosa Luz Divina, crescermos na Fé Messiânica, juntamente a todos os nossos antepassados.

Um bom mês e uma boa dedicação a todos.

Muito obrigado!