Culto Mensal de Agradecimento – Sede Central – Agosto 2017

PALESTRA DO VICE-PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

MIN. LUCIANO RIBEIRO VITA DA SILVA – AGOSTO 2017

Culto Mensal de Agradecimento - Sede Central - Agosto 2017

Bom dia!
(Bom dia!)
Estão todos a passar bem?
(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)
Que bom! Estão todos bem afinados!
(Risos)

Primeiramente, durante a cerimónia e em nome do nosso Presidente, Reverendo Carlos Eduardo Luciow, agradeci a Deus e ao Messias Meishu-Sama pela permissão de poder realizar este Culto de Agradecimento e de poder servir à Obra Divina em conjunto com todos os senhores.

Elevei também o meu pensamento às pessoas que, de alguma forma, estão a ser utilizadas através da purificação. Existem muitas pessoas que estão a ter purificações severas, mas, através do nosso Sonen é muito importante reconhecermos a importância dessa purificação como uma importante dedicação. É uma importante forma de Servir a Deus. Vamos estar atentos a esse Sonen de sempre agradecermos? Porque com qualquer “coisinha” já caímos na lamúria e sabemos muito bem que esse não é o melhor caminho, não é?

O Reverendo Carlos, não pode estar presente hoje e pede desculpas pela sua ausência. Ontem, nós, os ministros de Portugal, fizemos uma conferência telefónica com ele e nessa oportunidade, ele pediu para que fossem transmitidos a todos os senhores os cumprimentos de um bom mês de agosto. Seguramente, no próximo mês, ele estará aqui connosco.

Agora gostaria de saber quem está a vir pela primeira vez à nossa Sede Central. Existe alguém de primeira vez? (palmas)

Obrigada! Seja bem-vinda! Que esta seja a primeira de muitas outras vezes.

Também como de costume, estamos a receber membros e frequentadores de várias unidades do nosso país: Lisboa, Oeiras-Cascais, Aveiro, Coimbra, Vila Real, Braga, Guimarães, Amarante e, logicamente, Porto e Gaia. Especialmente hoje, temos também a presença de estrangeiros vindos do Brasil e um grupo da Suíça, liderado pelo casal João e Paula, que são responsáveis pelo Núcleo de Johrei Riddes, na Suíça! Sejam todos bem-vindos! (palmas)

Bom, nestes últimos dias, estamos a atravessar uma onda muito grande de calor, não apenas em Portugal, mas em várias partes da Europa, não é mesmo? Através das notícias, estamos a ser informados da importância de, em determinados locais termos certas restrições, racionamento de água, certos cuidados… Mas ao ouvir isso eu comecei a pensar: será que isso também não é uma mensagem de Deus?

O nosso saudoso Reverendíssimo Watanabe, há alguns anos atrás, deu-nos uma importantíssima orientação de agradecermos pelas coisas simples da vida. Nós, no nosso dia-a-dia, na nossa normalidade abrimos uma torneira e temos água. Aqui em Portugal, há alguns meses atrás, também saiu uma notícia de que mais de 90% da água de Portugal é de boa qualidade. Que permissão a nossa, não acham? Mas será que agradecemos constantemente esta permissão? Às vezes, precisamos de situações deste género para nos alertar e começarmos a agradecer.

Este mês de agosto principalmente, é um mês que tem um clima mesmo de férias. Dia 31 de julho ainda está quase tudo normal, mas, quando chega dia 1 de agosto, saímos de casa e já temos o café fechado! (risos). É interessante! Olhamos a rua, no caso dos grandes centros, vemos 2 ou 3 vagas de estacionamento. (risos)

Ao mesmo tempo, passamos a ver mais turistas nas ruas. E para identificar um turista é fácil, não acham? Já perceberam como é que é o olhar de um turista? Turista está sempre a olhar para o alto, para o nada! Não sei o que é que ele procura… mas é uma postura que nos mostra claramente que é um turista! (risos). Realmente, é um outro clima, uma outra atmosfera. Ao vermos toda esta nova realidade da cidade, poderemos pensar: “Puxa a vida, é um mês realmente de descanso e relaxamento. Então vamos relaxar por completo, o corpo e o espírito”.

Mas será que podemos realmente relaxar a nossa alma, o nosso espírito? Será que uma pessoa que nos quer cobrar uma dívida vai pensar a mesma coisa? “Ah! Não lhe vou cobrar essa dívida, porque ele está de férias agora!” Será que uma doença espera passar as férias para vir ao nosso encontro? (Não)

Então, a própria vida já nos ensina realmente que não é bem assim. Sendo assim, no nosso Sonen para servir a Deus, também não pode ser a mesma coisa! Precisamos manter firme ou até reforçar o nosso Sonen como uma oportunidade para poder servir ainda mais.

Pessoalmente, quando estou a fazer praia, como não tenho o costume de entrar na água do mar, aproveito para ministrar Johrei às pessoas que estão comigo. Por favor, não entendam como radicalismo! Este é o meu caso, eu aproveito desta maneira! O importante é estarmos atentos ao nosso Sonen de querer servir a Deus!

Acerca do Sonen, gostaria de relatar uma coisa bem interessante que ocorreu comigo no mês passado! Estava a entrevistar uma frequentadora para a Outorga de Ohikari e quando chegámos à parte sobre o esforço de poder materializar a sua gratidão, através de um donativo especial, ela já ficou preocupada a dizer: “Ah, este mês estou com muita dificuldade!” Nesse momento eu disse-lhe: “Não se preocupe porque se a senhora realmente tem forte desejo de querer transmitir a Luz Divina às pessoas, ser um canal de Deus, através do Johrei, tudo virá naturalmente.” Passados poucos minutos de lhe dizer isso, o telemóvel dela que estava guardado na bolsa, começa a tocar e eu pergunto-lhe se ela não quer atender. Aí ela diz: “Ah não! Não precisa!”; o telemóvel tocou várias vezes e desligou. Passados alguns segundos toca outra vez. Digo-lhe novamente: “A senhora realmente não quer atender? Pode ser alguma coisa importante! Pode atender!”. Ela pega o aparelho. Acho que nessa hora, ela identificou quem estava a ligar e responde-me: “Ah, não! Não vale a pena!” E colocou o telemóvel de volta na bolsa. O resultado é tido como uma experiência negativa, mas que na verdade tem muito ensinamento, muito mesmo! Aí os senhores perguntam-me: “Quem é que ligou para a frequentadora?” Era justamente uma pessoa que tinha uma dívida para com ela e que logo em seguida lhe enviou uma mensagem escrita a dizer que havia tentado por duas vezes ligar-lhe querendo pagar o que devia. Mas como faria uma viagem de 1 mês no dia seguinte, saldaria a dívida no seu regresso. Quando essa frequentadora encontrou a missionária que a acompanha, ela estava chateada e logo falou: “Fulana! Eu não fui obediente às palavras do ministro! Era justamente a quantia que eu precisava para a gratidão da minha outorga, mas eu não acreditei!”

Interessante! Como é que nós nem imaginamos realmente de onde vêm as condições materiais que Deus nos quer enviar, nos entregar, não é mesmo?

Como diz o Ensinamento de hoje, que acabámos de ouvir: “É tendência do ser humano prender-se aos seus próprios pontos de vista”; nós limitamo-nos, não é assim? Precisamos de estar atentos a isso!

Os senhores gostaram da experiência de fé de hoje? (Gostámos…)

Gostaria de agradecer e dar os parabéns à jovem Karla Caiado por esta maravilhosa experiência, que retratou bem o que falámos no mês passado sobre reforçarmos a prática da leitura do material Izunome Dayori. Quem está a praticar diariamente, pode levantar a mão? São poucas pessoas ainda… não é?

Um ponto muito importante que o próprio Reverendo Carlos citou ao ouvir esta experiência, foi sobre o espírito de obediência da jovem Karla! O que o Reverendo sentiu é que não foi simplesmente uma obediência humana: “Ah, o ministro falou no culto, vamos fazer!” Mas sim uma obediência a Kyoshu-Sama, às palavras de Kyoshu-Sama; isso não são palavras minhas, nem do Reverendo, nem do próprio Kyoshu-Sama, que é o representante máximo do Messias Meishu-Sama aqui na Terra. Como são palavras do Supremo Deus, sejamos obedientes a isso!

Sobre obediência, o Reverendo Carlos completou: “Obedecer, na verdade, significa tirar o nosso ego, o nosso ‘eu’”; Meishu-Sama ensina-nos que a grande barreira que encontramos para obedecer à vontade de Deus é o nosso egoísmo e apego. Sem perceber isso, muitas vezes ficamos presos a uma forma de pensar centralizada no ser humano. Ao ignorarmos a existência de Deus, como consequência, acabamos por tomar posse de tudo o que acontece de bom e de mau nas nossas vidas; nós apropriamo-nos dessas coisas.

Outro ponto fundamental na experiência, foi como a jovem Karla chegou a ter esta postura de obediência. Realmente, ela precisou passar por aquele momento crucial na vida dela; sentiu perigo de vida, por isso chegou a casa em prantos. Mas depois, ao fazer uma reflexão, pedindo perdão a Deus, naturalmente definiu a materialização do que ela precisava realmente realizar, porque a gratidão é tudo na nossa vida!

Eu acredito que primeiramente ela precisou agradecer, materializar a sua gratidão, para merecer chegar a esse estado de total obediência. Por falar de gratidão, o saudoso Reverendo Francisco sempre dizia: “A atitude fundamental de uma pessoa com a verdadeira fé é perguntar-se interiormente: Como agradecer a Deus?”

Existem pessoas que se queixam de dificuldades financeiras, de dificuldades nos negócios, de que não conseguem conquistar a confiança das outras pessoas e que não entendem porque sofrem, já que estão a fazer o melhor para servir a Deus e à humanidade.

A razão dessas pessoas estarem a sofrer, é que existe alguma coisa na sua vida, no seu caminho, ou no seu Sonen, que não está de acordo com a Vontade Divina.

Se houver agradecimento no interior de cada um, tudo será mais suave. Ainda que em estado de purificação, o mundo será um lugar feliz.

Se você tenta viver a sua fé e não consegue ser feliz, saiba que as causas verdadeiras estão no seu interior.

Mas por favor, tomem o máximo de cuidado com o vosso Sonen! Não é que agora esta leitura do material Izunome Dayori vai resolver todos os nossos problemas, não!

Nesta experiência, a jovem Karla deu continuidade a essas leituras, para quê? Para realmente descobrir o paraíso no seu interior, para nascer de novo como um verdadeiro filho de Deus.

Quando ouvimos isto, nascer de novo, como é que é isso? Para nascer, tem que morrer, não é assim? Morre no plano material para nascer no espiritual e vice-versa, não é? É semelhante à construção e destruição. Sendo assim, precisamos, primeiramente, identificar o que precisa, na verdade, “ser reciclado” dentro de nós!

Interiormente, o que eu preciso reciclar? É o velho eu, porque o que está à minha frente, para o nascimento, é o novo eu. Então o que está nesse velho eu? São inúmeros sentimentos e pensamentos que trazemos de uma herança forte e pesada dos nossos antepassados, mas importantes pois trouxeram-nos até aos dias de hoje. Mas como já foi dito, através do sentimento de gratidão, tudo será bem “reciclado”!

No caso da jovem Karla, ela precisou passar por toda aquela situação. Mas será que todos nós precisamos chegar a esse ponto? Não é necessário, não! Acredito que através da leitura desse material (Izunome Dayori) poderemos antecipar-nos e evitar muitas situações nas nossas vidas.

Gostaria de acrescentar só mais uma coisa: no mês passado tivemos um exemplo importante na experiência relatada por um dos oficiantes que se encontra hoje na liturgia, o jovem Ivan Bérgamo, de Lisboa, os senhores recordam-se? (Sim). Ao vermos uma pessoa relatar a sua experiência de fé aqui no Altar, temos uma visão muita restrita, imaginando que tudo de bom ocorrerá com ela dentro da nossa conveniência humana, não é mesmo? Se os senhores se recordam, esta experiência do jovem Ivan, tinha como resultado a obtenção de um emprego na sua área de trabalho, já nos últimos dias da sua estadia em Portugal. O interessante é que logo depois de relatar a sua experiência de fé, no dia seguinte, fica a saber que seria dispensado. (risos)

Assim, se não aprofundarmos, vamos cair num descrédito! Que experiência; ele afinal foi despedido! (risos)

Mas, isso já foi há cerca de um mês e pode-se dizer que ele não ficou um dia desempregado. Quando tomei conhecimento, simplesmente disse-lhe: “Não se preocupe, vamos lá! Deus está no comando de tudo! Vamos agradecer e encaminhar tudo isto ao Messias Meishu-Sama!” Não tardou muito e ele arranjou um outro trabalho fora da área dele! Não ficou a escolher, mas passado uma semana, conseguiu outro trabalho, já na sua área profissional, com um salário ainda maior do que o anterior.

Estão a ver? É assim! Nós estamos aqui nesta missão, não somente para saborearmos coisas momentâneas da vida. Existe um propósito muito maior, muito mais profundo.

Na realidade, estamos a ser formados pelo Supremo Deus para quando nos encontrarmos diante de situações difíceis com as outras pessoas, conseguirmos através da nossa crença e experiência, transmitir esta Verdade que nos é revelada pelo Messias Meishu-Sama dizendo firmemente: “Pode ficar tranquilo, porque por detrás desta situação, deste problema, o Supremo Deus está realmente a conduzi-lo para que encontre o Paraíso dentro de si, tornando-se um verdadeiro filho de Deus!”

E para finalizar, por favor, vamos todos neste momento obedientemente fazer a leitura do material Izunome Dayori!

(Leitura conjunta do material Izunome Dayori)

Quero desejar a todos um bom mês de agosto e mais uma vez, não vamos desperdiçar as nossas férias, está bem? Nestes momentos de convívio com a família, com os amigos, vamos redobrar o nosso Sonen de realmente poder servir ainda mais na Obra do Messias Meishu-Sama.

Em nome do nosso Presidente, Reverendo Carlos Eduardo Luciow, desejo a todos boas férias, mais uma vez!

Muito obrigado!

Comentários não disponíveis.