Culto do Paraíso Terrestre – Junho 2019

PALESTRA DO PRESIDENTE DA IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL DE PORTUGAL

REV. CARLOS EDUARDO LUCIOW – JUNHO 2019

Bom dia a todos!

(Bom dia!)

Como os senhores estão a passar? Estão todos bem?

(Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!)

Graças a Deus e ao Messias Meishu-Sama!

Gostaria de iniciar as minhas palavras agradecendo, do fundo do coração, a vossa sincera dedicação que nos permite expandir cada vez mais a Obra Divina de Salvação de Deus e Meishu-Sama aqui em Portugal! Muito obrigado! (Palmas)

Também quero dar os parabéns pelo dia de hoje, do Culto do Paraíso Terrestre! Que esta maravilhosa data, possa florescer nos nossos corações levando o Paraíso Terrestre para o maior número de pessoas da nossa família, do nosso local de trabalho, de estudo, etc. Que esse sentimento se concretize no coração de todos nós!

Quem está a vir hoje pela primeira vez, pode levantar a mão? Sejam muito bem-vindos e que essa seja a primeira de muitas outras visitas! (Palmas)

Estamos também a receber membros das seguintes Unidades Religiosas: Margem Sul, Amadora e Sintra, Oeiras-Cascais, Lisboa, Ribatejo, Vila Real, Amarante, Braga, Porto, Gaia, Aveiro, Figueira da Foz e Coimbra! (Palmas)

Do exterior, estamos a receber missionários e membros de Moçambique, São Tomé e Angola. Do Brasil temos como visita o Min. Ricardo Braz e a sua esposa, a Prof. Telma. Transferiu-se recentemente para Portugal uma família, do Min. Fausto Faustino do Amaral Neto e a sua esposa, Min. Rosangela, com os filhos Rodrigo e Marcelo. Sejam muito bem-vindos e boa missão em Portugal! (Palmas)

Também gostaria de relatar sobre a Difusão da Europa e agradecer pelas orações que têm feito! No mês passado estive pela primeira vez na Holanda, visitando uma cidade que se chama Eindhoven, onde uma membro recebeu o Mitamaya. Aproveitei a oportunidade para outorgar o Shoko (proteção para as crianças) para a filhinha. Também uma membro, que morava perto veio na reunião. Praticamos Johrei e estudámos Ensinamentos de Deus. Também estive na Suíça. Primeiramente na Suíça alemã, nas cidades de Berna e Zurique e depois na Suíça francesa, em Riddes. Nesses três Núcleos de Johrei, fizemos Cultos Mensais, Dai Johrei Kai, estudos de Ensinamentos de Deus, prática de Horta Caseira e uma membro recebeu a Imagem Consagrada de Meishu-Sama. No total pude encontrar e ministrar Johrei para 27 membros, 17 frequentadores e 3 pessoas de primeira vez. Agradeço as vossas orações e por favor continuem orando pela difusão na Europa. Muito obrigado! (Palmas)

Gostaria de comunicar que, do dia 12 ao dia 26 de junho, estaremos fazendo uma Caravana de ministros integrantes de Portugal para o Japão, onde vamos poder dedicar nos três Solos Sagrados, receber Luz, forças, orar pela felicidade de todos os senhores e pelas nossas Unidades Religiosas que possam cada vez expandir mais! Também poderemos fazer relatório e receber orientação do nosso Presidente Mundial, Reverendo Massayoshi Kobayashi e sua Diretoria. (Palmas)

A nossa Caravana de agosto, para o Culto de Antepassados, já está com 30 participantes confirmados. Como ainda temos pessoas interessadas, tivemos autorização para mais 3 vagas. São as ultimíssimas! (Risos)

Quem ainda não se inscreveu tem essa última oportunidade! Quem aqui já comprou a passagem, pode levantar a mão? Quem quer aproveitar estas últimas 3 vagas? (Risos) Uma, duas, três. Bravo! Parabéns pela decisão!!!

Nestes 2 dias que antecederam este Culto, aqui na Sede Central, realizámos muitas dedicações. De sábado para domingo dormiram aqui 35 membros e de ontem para hoje 49. Participaram das dedicações de limpeza, de arrumação, na horta e fizemos um Dai Johrei Kai maravilhoso! Teve também Outorga de 4 novos membros de: Lisboa, Porto, Vila Real e Coimbra. Parabéns aos 4 novos membros! (Palmas) Tem sido muito bom pois, sem programar, as pessoas estão a receber o Ohikari na Sede Central. E como é feito junto com o Dai Johrei Kai, onde tem bastante gente, fica um clima muito agradável. As pessoas ficam felizes de receberem o Ohikari num dia importante para a Sede Central, com Luz maior! A maior alegria de um missionário é assistir a uma Outorga.

Hoje no nosso Altar, a maior parte das oferendas são fruto da nossa horta da Sede Central! Parabéns aos dedicantes! (Palmas) São alimentos muito saborosos que estamos inclusivamente a consumir no refeitório. Tem pessoas até acostumadas com determinados legumes ou saladas de fora, que quando comem aqui, dizem que tem um sabor diferente, muito mais delicioso. Se sente a diferença, não é verdade? (Sim) Ontem também tivemos uma aula sobre Agricultura Natural com o Min. Paulo Oyama, a quem agradecemos a sua preciosa orientação e dedicação! (Palmas)

Hoje é dia de festa! É o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Por esse motivo, nós realizamos tradicionalmente o Culto do Paraíso Terrestre neste dia tão significativo para o país. Por ser também feriado, facilita a todos os membros poderem vir participar.

O nosso Presidente Mundial, Reverendo Massayoshi Kobayashi, no mês de maio, no Solo Sagrado de Atami, nos orientou sobre a importância desse Culto do Paraíso Terrestre:

“Receber o Culto do Paraíso Terrestre é aceitar obedientemente o desejo do Supremo Deus e Meishu-Sama de salvar toda a Humanidade e contruir o Paraíso na Terra, unindo o sentimento com as pessoas à volta, para juntos praticar o máximo possível os Ensinamentos de Deus, que é viver de acordo com o Plano Divino”.

Esse é o profundo significado desse importante Culto.

Só que precisamos levar em conta que ainda não estão reunidas todas as condições necessárias para o Paraíso Terrestre e temos que levar em consideração também um facto: junto com a construção, paralelamente, se desenvolve um processo de destruição. Como numa obra, na reforma de uma casa ou de um prédio, paralelamente à construção, tem também a destruição.

Sobre isso, o nosso Presidente Mundial nos falou sobre uma história, que está narrada no Kojiki que é um livro das antigas histórias do Japão, onde narra inclusive sobre a mitologia japonesa. Nesse livro, é relatada uma briga de um casal de deuses: a deusa Izanami e o deus Izanagui. Eles discutiram e a deusa Izanami, muito enfurecida, disse: “Vou matar 1000 pessoas por dia!” Ao ouvir isto, o deus Izanagui respondeu: “Se assim você o fizer, vou dar a vida a 1500 pessoas por dia!”

O nosso Presidente Mundial nos orientou que, dessa mesma forma, cada vez mais, vão se separar quem vai trabalhar para a destruição e quem vai trabalhar para a construção. Cada um de nós, a cada dia, vai ser chamado a tomar uma decisão. Em qual das duas equipas vai querer participar: da destruição ou da construção. Mas acredito que nós messiânicos, através da nossa afinidade com Meishu-Sama, vamos naturalmente, compartilhar do Seu desejo de construir o Paraíso Terrestre, trabalhando na equipa da construção. Com este objetivo nos tornamos membro; para através do Johrei, da prática dos Ensinamentos de Deus, da Agricultura Natural Messiânica e do Belo de alto nível, fazermos as pessoas felizes!

O nosso desejo é formar pessoas capazes de viver no Paraíso, portanto, naturalmente a nossa escolha já foi feita. Só que essa escolha, comporta também uma mudança de paradigma. Uma mudança de muitos hábitos nossos, que foram adquiridos ao longo de 3000 anos da Era das Trevas: egoísmo, apego e tantos outros que conhecemos bem. Trabalhar na construção significa construir-se como um individuo qualificado para viver no Paraíso. Não podemos mudar ninguém; podemos mudar só a nós mesmos. Essa construção é feita dentro de nós. Depois, através dos nossos pensamentos, palavras e ações paradisíacas, vamos influenciar, contagiar positivamente quem está ao nosso redor.

No Ensinamento de hoje: A missão da Arte, Meishu-Sama orienta claramente:

“Cada coisa existente no Universo possui uma utilidade específica para a sociedade humana, ou seja, uma missão atribuída pelos Céus. (…) Neste sentido, o progresso da civilização consiste na eliminação do caráter animalesco do ser humano. (…) Assim, cabe ao artista uma grande missão: ele é um dos encarregados da eliminação de tais características.”

Ele fala claramente que o esprito do artista, se for de nível superior, com caráter elevado, vai influenciar positivamente as pessoas. Mas, ao contrário, se o espírito e o caráter do artista for de baixo nível, ele vai também influenciar negativamente a sociedade. Hoje é fácil constatar esta triste realidade, não é verdade?

Músicas com conteúdos cada vez mais vulgares; obras de arte cada vez mais monstruosas; peças teatrais e filmes, se baseiam no erotismo vulgar ou na violência; as telenovelas sempre com conteúdos de baixo nível moral. Tudo isso vai influenciando negativamente a população que, assistindo estes espetáculos pega aqueles artistas ou aqueles personagens como modelos e passam a imitá-los.

Ainda mais hoje em dia, através da Internet, das redes sociais, esses artistas que tem muitos seguidores nesses blogs, têm milhões de “likes” e de uma hora para outra, influenciam especialmente os jovens que estão o tempo inteiro ligados nos telemóveis e computadores. Como são pessoas de sucesso, famosas e ricas, se tornam ponto de referência e modelos.

Esse é o mundo que nós vivemos e o que Meishu-Sama orienta é justamente o contrário. O artista tem que se tornar um orientador da cultura, mas para isto precisa elevar o seu nível. Todos nós estamos de acordo que os artistas precisam elevar o seu nível espiritual e moral, para assim influenciar positivamente a sociedade, não é verdade? (Sim!) Já que todos estamos de acordo, eu gostaria de fazer uma pergunta: nós também não somos artistas? Tem gente que pensa: “Eu não sou artista porque não pinto quadros; não sou artista porque não escrevo poemas; não sou artista porque não sou ator de cinema ou de teatro.” Mas, na verdade, somos todos artistas! Especialmente nós que recebemos o Ohikari somos grandes artistas. Alguém vai dizer: “O que que tem a ver o Ohikari, o Johrei com a Arte?” Muita coisa!

Meishu-Sama no Ensinamento: O Paraíso é o Mundo da Arte, orienta que se todas as coisas não forem artísticas, não poderemos chamar de Paraíso. Mesmo a cura das doenças através do Johrei representa a maravilhosa Arte da Vida. Meishu-Sama descreve o Johrei como: “A Arte da vida”. Isso porque a essência da arte precisa ter os três pontos: “Verdade, Bem e Belo”. O Johrei, não é só uma forma de terapia energética, como muitos consideram, mas sobretudo ele é uma forma de Arte, ou seja, a suprema Arte da Vida. É uma Arte do mais alto nível, que salva diretamente através da atuação de Deus com o Homem; uma atuação conjunta.

Talvez nunca tenham pensado nisso, mas o próprio Ohikari é uma obra de arte. Dentro tem escrito, por Meishu-Sama, o ideograma “Hikari” (Luz) e, no Japão, a caligrafia é considerada obra de arte: “Shodō”. Meishu-Sama era considerado por outros mestres da caligrafia, um grande artista daquela arte e as Suas obras, já naquela época, eram admiradas e respeitadas. Portanto, por ser o Ohikari uma obra de arte feita pelo artista de mais alto nível espiritual que o mundo conheceu: Meishu-Sama, é que a Luz do Supremo Deus, existente na esfera de Luz que habitava no Seu ventre, naturalmente se transmitia a caligrafia do Ohikari, impregnando-o de Luz salvadora.

Somente a partir dessa obra de arte do mais alto nível espiritual, que nós carregamos no plexo solar, é possível levantamos a mão e transmitimos o Johrei que é a Arte da Vida! Como o objetivo do Johrei é fazer as pessoas felizes, o Johrei é a Arte de construir o Paraíso Terrestre!

Tem um Ensinamento de Meishu-Sama em que Ele orienta claramente esse aspeto do Johrei:

Ação conjunta de Deus e do Homem para tornar Belo o Mundo.
“O Johrei, em última análise, é uma ação embelezadora, isto é, uma ação para tornar limpo aquilo que está sujo. Se atualmente existem muito poucas pessoas de coração puro, é porque, na realidade, a maioria tem impurezas no seu corpo físico. Somente por meio do Johrei poder-se-ão obter resultados verdadeiramente radicais. O Johrei é um processo determinado por Deus que permite a limpeza de cada indivíduo através da utilização do ser humano.”
15 de dezembro de 1953

No momento em que o Johrei purifica, as máculas espirituais e as toxinas do físico, ele embeleza. Meishu-Sama faz aqui uma correlação íntima entre os maus sentimentos do ser humano e a quantidade de toxinas no corpo físico.

Daí o porquê da importância da alimentação natural através da Agricultura Natural Messiânica para que possamos ingerir menos toxinas e, tendo menos toxinas, ter sentimentos de alto nível. É uma coisa que normalmente não pensamos, que o baixo nível sentimental tem íntima relação com a grande quantidade de toxinas existentes no corpo físico. Não é verdade? Normalmente pensamos que são duas coisas que não tem nada a ver uma com a outra, mas nesse Ensinamento, é exatamente isso que Ele está a nos orientar. É uma grande revelação. O Johrei tem o objetivo de embelezar o Homem porque ele purifica; e um ser humano purificado material e espiritualmente possui sentimentos e comportamentos belos e esta é a condição básica para o Paraíso.

Interessante como Meishu-Sama faz essas ligações e a nossa conceção do Johrei como instrumento prático da construção do Paraíso nos colocando como artistas da vida. Vocês já viram um pintor durante a sua obra de criação? Ele na frente da tela, concentrado. Ele está ali absorvido naquilo que está a fazer, não é assim? O músico durante a sua composição. Ele está ali imerso, totalmente com seu espírito entregue àquilo que está a compor.

No Johrei temos que ter essa mesma dedicação artística de, durante a transmissão da Luz Divina, estarmos criando no espírito da pessoa que está sentada à nossa frente, uma Obra Prima para o Paraíso. É uma coisa maravilhosa ter essa conceção completamente Divina do Johrei como prática da criação do Paraíso na alma da pessoa que está na nossa frente. E na nossa também quando vamos recebê-lo.

Só que Meishu-Sama, coloca alguns pontos que precisamos observar para que nosso Johrei seja eficaz e potente.

O primeiro ponto é o ardor da fé da pessoa que o transmite; quem tem ardor da fé, tem um Johrei mais potente.

Meishu-Sama orienta também, sobre os cuidados com o Ohikari. A pessoa que ao tirar o Ohikari, o coloca direitinho na sua caixinha, depois coloca num lugar elevado fora do contágio com outras coisas de baixo nível, que respeita o Ohikari como algo sagrado, o Johrei dessa pessoa também é mais forte. O maltrato do Ohikari ou o trato do Ohikari como algo vulgar, misturado com outras coisas, baixa o poder vibratório do Ohikari e o Johrei fica mais fraco.

Outro ponto, é ter um “Sonen forte, grande e constante”. O que isso quer dizer? Desejar, do fundo do coração, salvar toda a humanidade! Não adianta ficar pensando pequeno, quando pensamos grande, nos conectamos com Deus, recebemos Luz e conseguimos salvar quem está à nossa volta.

Outro aspeto é a presunção, altamente condenável na ministração do Johrei; ontem quando houve a outorga, falei para os 4 novos membros: guardem nos vossos corações esse sentimento de humildade que vocês têm hoje! Porque hoje você está a pensar: “Puxa, não sei se eu vou conseguir ministrar Johrei, não sei se vai sair Luz da minha mão, não sei se vai funcionar…”. Essa insegurança faz você ser humilde, por acreditar que não sou capaz, eu viro para o Altar e digo: “Meishu-Sama, por favor, apesar das minhas imperfeições, por favor, utilize-me para fazer essa pessoa feliz!”

Com o passar dos anos, a pessoa pode ir somando experiências e ter resultados até de cura de doenças consideradas incuráveis pela medicina e pode começar a ficar presunçoso: “Ah, meu Johrei é forte, queima qualquer toxina. Está com dor? Senta aqui que eu resolvo!”. Começa a ficar com essa presunção de achar que o Johrei dele é o máximo e quando se instala a presunção no coração da pessoa, Deus e Meishu-Sama não conseguem se manifestar porque o coração está sujo.

Não estou a dizer com isso que temos que ter medo, insegurança em ministrar Johrei. Temos que ter humildade e a confiança de que Meishu-Sama vai-se manifestar e vai-me utilizar como Seu instrumento.

O Makoto, é um dos fatores principais que Meishu-Sama coloca como condição básica para se ter um Johrei potente. Como é que o Makoto é praticado nessa hora? O Makoto nasce do desejo sincero, do desejo benevolente de querer salvar aquela pessoa de qualquer maneira.

Este era o sentimento de Meishu-Sama:

“Quando vejo uma pessoa sofrendo, não consigo resistir à vontade de querer ajudá-la, ministro-lhe Johrei e enquanto não a vejo feliz, não me sinto bem.”

Será que nós somos capazes de ter esse amor, essa benevolência de querer salvar as pessoas de qualquer maneira?

Quanto é grande a nossa benevolência, o nosso Amor Kannon de querer salvar toda a humanidade? Estes são pontos de importantíssima reflexão para todos nós.

No dia 4 de fevereiro, iniciou o Rishun período de purificação das nuvens espirituais, para no dia 15 de junho aumentar a Luz. Mas não adianta aumentar a Luz, se a nossa capacidade de transmissão é a mesma! Podemos usar a corrente elétrica que quisermos, mas se colocarmos uma lâmpada de 20 watts, ela vai transmitir 20 watts; se for de 50, transmite 50; se for de 100, é de 100; podemos aumentar a corrente elétrica o quanto quisermos, mas a “potência da lâmpada”, depende de nós!

Meishu-Sama diz que não existe no mundo uma única pessoa que não seja capaz de transmitir a Luz! Todos são capazes, mas Ele também diz que a força de transmissão, a capacidade e a intensidade varia de pessoa para pessoa. Com base em quê? Nesses pontos anteriormente citados.

Por isso, é um período importante para aproveitarmos o aumento da Luz, para melhor nos qualificarmos, procurando desenvolver esses pontos e aperfeiçoá-los para nos tornarmos melhores transmissores da Luz. Através dessa transmissão mais intensa, é que vamos poder nos qualificar melhor como instrumentos de Izanagui, porque os instrumentos de Izanami já estão trabalhando. Mas nós somos aqueles que vão dar vida a 1500 pessoas por dia! “Ah, mas 1500 são muitas, não dá…” Se tivermos 1500 pessoas e cada uma se dedicar a 1 pessoa, já dá! Se sairmos hoje daqui determinados a salvar 1 pessoa, fazer 1 pessoa feliz, já serão bem menos que 1500. Depende de nós; da nossa determinação!

Hoje ouvimos duas maravilhosas experiências de fé, da Maria Júlia Limeira Vieira da Cunha e da Linda Inês Rodrigues Gonçalves, duas jovens que estavam a sofrer. Isso é também um ponto importante, porque muitas vezes olhamos os jovens saudáveis, sem doença grave, bonitas, com trabalho, com carro e dizemos “têm tudo para ser felizes!”, mas não sabemos o que vai dentro da alma das pessoas que julgamos com superficialidade, subestimando o seu sofrimento só porque ela é jovem. Pensamos que sofrimento é só de quem tem idade, falta de saúde, está desempregado, etc.

No mundo de hoje, há muitas pessoas que não têm uma doença grave, estão empregadas, algumas até com bons salários, andando bem vestidas, com bons carros e duma hora para outra vem a notícia: Fulano/a suicidou-se… Já ouviram histórias assim? (Sim) Todo o mundo pergunta: “Porquê fizeram isso?” Porque tinham dentro de seus espíritos grandes tristezas e não viram saída…

A estas duas jovens, pela afinidade que tinham com Meishu-Sama, foi-lhes colocada a corda da salvação à frente e elas agarraram! Achei muito interessante os dois casos com vários pontos em comum: Uma jovem brasileira e a outra portuguesa, mas com certeza em todos os países existem jovens com o mesmo problema; não é uma questão de nacionalidade, é uma questão de fraqueza espiritual. Os dois casos, coincidentemente, uma foi chamada para dedicar e outra foi chamada para assistir ao Culto; ser chamado é importante, porque às vezes a pessoa está num grau de fraqueza tão grande, que não consegue ter a iniciativa de ir por livre e espontânea vontade, mas quando alguém a chama, dá-lhe uma esperança só pelo facto de se ter lembrado dela.

Muitas pessoas que conhecemos e que estão afastadas, que até nunca vieram ou que convidamos uma vez no passado e que não aceitou o convite, mas hoje pode estar a passar por um problema gravíssimo para o qual não vê saída e um convite nosso vai abrir a porta para se tornarem felizes como as duas estão hoje. Chamar as pessoas para virem no Culto, para virem dedicar, não é ser chato, é ter Amor! Quantas vezes os pais repetem infinitas vezes a mesma coisa para os filhos por Amor!? Temos que ter esse mesmo Amor Kannon pelos frequentadores e pelos membros afastados.

Outro ponto em comum, é que ambas desejaram ir aos Solos Sagrados do Japão, mesmo sem grandes condições materiais, usando todas as suas poupanças para poderem ir; outro ponto coincidente, as duas tinham problemas com os pais, uma com o pai, a outra com os pais, por motivos diferentes, mas hoje em dia qual o jovem que não tem problemas de relação com os pais? Que família não tem esse conflito geracional? Toda a família tem, mas elas através da prática da fé, conseguiram superar os conflitos, dizendo mesmo que o pai foi carinhoso com ela, a outra dizendo que queria fazer alimentação vegan, a mãe aceitou, até aconselhou um restaurante vegan em Lisboa… Ou seja, coisas que materialmente, até bem pouco tempo antes, consideradas impossíveis de acontecer, o que é muito natural; quantas situações complicadas vivemos no âmbito familiar? De relação pai/filho, irmãos, marido/mulher… Quantas vezes fossilizamos o raciocínio de que “não vou falar mais nada porque tal é inútil”, “não adianta falar porque ele/a não vai entender, não vai mudar nunca!”

Se elas tivessem pensado assim em relação aos seus pais, hoje não tinham uma relação; para quem pratica a fé, não existe limite para a solução de um conflito. Não basta só desejar acabar com o conflito ficando de braços cruzados… Elas vinham de longe todos os meses à Sede Central, gastando o seu dinheiro, o seu tempo, dormindo aqui, dedicando; encontraram amigos, inclusive ficaram amigas uma da outra e isso é maravilhoso! Essa frequência, essa dedicação, ficando “de molho” na Luz da Sede Central, tem um efeito muito mais eficaz do que quando se vem de passagem.

O nosso objetivo quando construímos aqueles alojamentos, lembram-se? Era exatamente isso, de criar um local, onde as pessoas pudessem vir para ficar “de imersão” na Luz, dedicando onde fosse necessário, dedicando na horta, recebendo Johrei, praticando Ikebana, recebendo aulas de aprimoramentos, etc. Não era esse o objetivo desde o início? Lembram-se? (Sim) Desejávamos que a Sede Central deixasse de ser um local onde a pessoa chegasse com pressa, rezasse e fosse embora correndo; temos que vir e ficar “de molho” na Luz de Deus e Meishu-Sama!

Tem mácula leve, como sujeira superficial da roupa, que você vai em baixo da torneira, esfrega um pouco e sai, não é? (Sim) Mas tem mácula, que se fizer o mesmo, já não sai; vamos fazer o quê? Deixar de molho… às vezes até de um dia para o outro. Depois de ficar de molho, passa-se por água e sai. Mácula espiritual é a mesma coisa. Quando a mácula é leve, dá-se uma “sacudidela” e sai, mas as outras, mais pesadas, têm que ficar de “molho”. E sendo aqui a Luz mais forte que existe em Portugal, ficando de molho na Sede Central, aquelas máculas mais “encardidas”, vão-se dissolvendo e a pessoa recebe uma Luz superior, conseguindo mudar pontos que não conseguia mudar antes.

As duas tiveram que ser muito corajosas para enfrentarem os pais. “Falo agora com o meu pai ou não, falo amanhã?” Porque toda a gente que teve conflito, fica com medo de novos confrontos, por causa do mau tratamento que já receberam… “Eu não vou aguentar enfrentar outra vez…”, mas de onde é que nasce essa coragem, essa determinação? Da fé, da dedicação! Depois quando voltam para a Unidade Religiosa, voltam com força e lá dedicam mais ainda, tanto que além de dedicarem na Sede Central, dedicam também nas suas Unidades.

Isso é o que a nossa Sede Central tem que ser, um local de purificação, formação e elevação, para depois, no Núcleo, no Johrei Center, na sociedade, na família, levarem essa Luz também para lá. Aos poucos, graças a Deus e Meishu-Sama, a nossa Sede Central está a tornar-se nesse “Oásis” de Luz e salvação num deserto de materialismo, egoísmo e consumismo. Essa é que é a grande missão desta Casa de Meishu-Sama.

Para concluir, gostaria de convidar a todos, hoje depois do almoço, para fazermos uma atividade diferente de todas àquelas que fizemos até hoje: oficina de Agricultura Natural, de Ikebana, de Flor de Luz, de origami, pintamos aguarela, música; muitas atividades, cada uma delas, mais maravilhosa que a outra! Mas hoje e dada a grande frequência, temos 193 pessoas aqui na Sede Central! Vamos fazer, após o almoço, lá em baixo, na nave 2, um grande Dai Johrei Kai! (Palmas) Grande encontro de Johrei com a compreensão que recebemos através da orientação do Presidente Mundial, Rev. Massayoshi Kobayashi, vamos fazer um “Super Dai Johrei Kai”, com muita Luz onde todos vão receber muita força, para que cada um possa cumprir as suas missões, fazendo muitas pessoas felizes e se tornando um instrumento efetivo da construção do Paraíso Terrestre!

Muito obrigado por terem vindo e uma boa continuação a todos!

Comentários não disponíveis.